Inhotim |Parte 2 - Fusca também é arte

by - 00:26


O Inhotim começou por abrir as portas às escolas, de forma tímida, em 2005. Hoje, possui uma equipa com mais de 700 funcionários, que inclui paisagistas, curadores, botânicos e tornou-se uma referência mundial de arte contemporânea, capaz de atrair a atenção do New York Times.




Os  simpáticos e coloridos "fusquinhas" de Jarbas Lopes vão aparecendo em vários pontos do Jardim.


Já tive oportunidade de vos descrever a beleza de “cartão-postal” do Inhotim. O cenário é tão lindo que muitas noivas, grávidas e debutantes pedem para serem fotografadas ali (o pagamento é feito em géneros, que depois são distribuídos na comunidade).


Mas ainda não disse que o Instituto criado na fazenda de “Nhô Tim”, como os íntimos chamam ao empresário e mecenas Bernardo Paz, possui um acervo artístico impressionante. São cerca de 500 obras de arte de mais de 100 artistas, provenientes de 30 países e contextos sociais muito distintos. Fotografia, escultura, instalação, desenho, vídeo, pintura… as peças multiplicam-se dentro e fora das galerias, num diálogo permanente com os visitantes.




À direita, a galeria Adriana Varejão  tem uma exposição permanente da artista brasileira.


Não esperem grandes tiradas sobre arte, alguma das criações ditas contemporâneas deixam-me do indiferente ao completamente perplexa. Contudo, há peças no Inhotim que nos emocionam. O “som da terra”, de que falava há dias, foi uma delas.

Outra proposta interessante surge logo à entrada, com a assinatura de Yayoi Kusama (que já expôs em todas as grandes casas de Nova York ao Japão, incluindo o Tate Modern londrino). Inspirada no mito de Narciso, que se enamora da própria imagem, a artista japonesa colocou 500 esferas de aço inoxidável sobre a água, construindo um enorme espelho que distorce, fragmenta e multiplica a nossa imagem.






Mas a minha preferida é a instalação sonora Forty Part Motet, de Janet Cardiff. Entro na sala e estranho os 40 altifalantes grandes ali plantados sem objectivo aparente. Mas eis que começa a melodia e percebo que cada altifalante transmite uma única voz. Trata-se de algo tão simples e, contudo, genial.

Dizem que esta é uma das mais complexas obras polifónicas para coro jamais escritas (é de um compositor inglês do século XVI). A artista gravou o moteto na Catedral de Salisbury, usando um microfone para cada elemento do coro.



A Galeria da Praça abriga a instalação acústica de Janet Cardiff.























Acabei por ouvir o tal do moteto três vezes (14 minutos x 3 = uma barbaridade de tempo), umas vezes saltando de altifalante em altifalante e, por fim, sentando-me com o meu filho bem no centro daquela parafernália acústica e simplesmente fechando os olhos.



Na minha aventura de 10 meses no Brasil, Inhotim foi a experiência mais maravilhosa. Pena que a visita à minha queridíssima amiga Tereza estava já a chegar ao fim, porque muito ficou por explorar. Mas se um dia voltar a Minas Gerais, podem ter a certeza, a minha primeira paragem será… adivinhem…. Inhotim!!




video



Site do Inhotim - www.inhotim.org.br
Dica - se puder, visite o Inhotim durante a semana. Tem menos gente e o bilhete é mais barato.

You May Also Like

7 comentários

  1. Bem legal passear por aqui e viajar, conhecendo lugares lindos! abraços,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Chica, sê muito bem vinda à minha humilde "casa".
      Um abraço desde o outro lado do Atlântico :)

      Eliminar
  2. Vim conhecer seu blog através do blog da amiga Chica.
    Confesso gostei muito das suas postagens e muito dos fuscas quero pintar um todo rosa para mim é um sonho antigo.
    O caso não é a parte da pintura é o preço do fuca hoje esta muito caro.
    estou tentando negociar com um Snr que tem dois.
    A algum tempo ofereceu um fusca em troca do meu esposo arrumar todinho um pra ele mais vendo esse do seu blog achei super lindo.
    Seguindo seu blog com muito carinho beijos.
    Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Evanir.
      De fato, esses carros tornaram-se um fenómeno de popularidade e são lindos... mas não muito fáceis de conduzir.

      Desejo-lhe boa sorte para o fusca rosa. Quando se concretizar não deixe de mandar as fotos, hehe (pode ser para a página do facebook https://www.facebook.com/#!/BercoDoMundo)!

      Espero "vê-la" mais vezes por aqui
      Abraço

      Eliminar
  3. Nossa, Inhotim é demais!!! Já escrevi sobre ele em meu site. Aliás, convido você a conhecer e se quiser publicar matérias lá com link para você, será ótimo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz por ter gostado e adoraria espreitar o seu blog, mas vc não se identificou nem enviou o seu url.
      Abraço

      Eliminar
  4. Houve mudanças por lá, eis que não vi os fuscas. As exposições artísticas ocupam, periodicamente o local. Conheci outras, maravilhosas, E espaços que não podiam ser fotografados. A organização é impecável e os restaurantes excelentes. Também retornarei a Inhotim, certamente. Bjs.

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!