Laranjas, folhados e ruelas históricas

by - 13:17


Comida e património – não parece uma mistura deliciosa? O post de hoje tem comida leve, um restaurante despretensioso e alguma chuva pelo meio


Pimenta Moscada… O nome é sugestivo e o lugar agradou-me imenso: bem próximo do centro histórico de Guimarães, num sítio tão central que a estação dos correios, a biblioteca, o edifício da Câmara e da GNR, o arquivo Alfredo Pimenta, ou a Praça de Santiago estão ali a dois passos… E, no entanto, é tão sossegado e recôndito como se ficasse longe de tudo. 


À porta do Pimenta Moscada

O restaurante fica no Largo das Laranjeiras, nome inspirado pelas árvores que ainda hoje enfeitam a pequena praça, cujos frutos desaconselho a provar.

Escolhemos o Pimenta Moscada para o nosso almoço do Dia da Mãe, porque a chuva das últimas semanas tem impedido grandes aventuras… Já sei que a precipitação aumenta de sul para norte (e do interior para o litoral), mas ainda me consigo surpreender com a quantidade de água que cai no Minho e, sobretudo, na cidade berço.


Olha as laranjas...

Arrufos com o S. Pedro à parte, chegamos perto da uma da tarde e a sala principal ainda estava vazia, o som ambiente agradável, as mesas bem arranjadas e o televisor sem som (um dia destes largo a minha verborreia contra a presença de televisores em restaurantes). Ao lado, existe um pátio murado com esplanada que, imagino, deve ser bem agradável em dias mais quentes.


O logótipo da Capital Europeia da Cultura está em todo o lado.


Escolhi um folhado de tamboril e gambas, que foi servido com salada, castanhas e arroz selvagem. Tinha lido bons comentários sobre o restaurante e os pratos mais elogiados são sempre o bacalhau e os folhados. 


De facto, o folhado estava irrepreensível, com a massa estaladiça q.b. e um recheio saboroso. Já as castanhas desiludiram-me um pouco – talvez seja um prato de verão, mas esperava-as mais quentinhas e um pouco mais macias.


Folhado de tamboril e gambas.


Pedimos também peixe grelhado, uma das sugestões do dia, que chegou acompanhado por arroz sobre pimento e batatas a murro. A sobremesa foi uma fatia de bolo de chocolate (nem o Pedro deixaria escolher outra coisa) com morangos laminados, que pecou apenas pelo excesso de coco ralado na cobertura.




Com um serviço atencioso, um espaço acolhedor e pratos bem apresentados, o Pimenta Moscada recebe nota positiva. No entanto, alguns preços não correspondem às características da casa, sobretudo no que toca a entradas e café… não era suposto pagar 1,20€ por cada café, quando o preço praticado na cidade, mesmo em restaurantes mais elegantes, vai de 0,60€ a 1€.

No global, foi um almoço agradável e sossegado após o que nos propusemos dar um saltinho ao Toural, já que a chuva deu uma trégua (ah, mas regressaria com toda a força no final da tarde).




Por falar no Toural e praças contíguas (Alameda), deixo algumas imagens posteriores à  recente requalificação. A cidade pôs-se toda bonita para acolher os visitantes neste 2012 em que se assume Capital Europeia da Cultura, a par da eslovena Maribor.


You May Also Like

6 comentários

  1. O almocinho estava muito bom… também, com esta companhia até uma sopinha de legumes… Tenho saudades.

    ResponderEliminar
  2. Parece ter sido um dia delicioso! Boa companhia, boa comida, perfeito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto... a companhia é tudo. E quando somos felizes, até a comida fica mais saborosa!
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Desaconselhas a comer as laranjas porquê? Eram amargas? Fico contente por saber que pelo menos aí o chamado "arroz selvagem" é saboroso, porque uma vez comi e achei que o gosto era mesmo selvagem.

      Eliminar
    3. Paulinha! Conheço quem se tenha aventurado a provar as ditas laranjas. São mesmo mto amargas... e ficam tão bonitas nas árvores. Dão muita alegria à praça.
      Quando vieres para estes lados, já sabes. Vamos lá para experimentares o arroz e os folhados!

      Eliminar
  3. Um post delicioso e que me deixou com água na boca!
    Abraços

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!