Pastagens do Céu

by - 09:04


Estas três palavrinhas abrem uma comporta de imagens maravilhosas, de metáforas paradisíacas, de vales floridos e promessas fartas. Quem pasta estas tenras ervas? E onde poderá ficar este Éden?


© Cornel Pufan e a sua visão de Pastagens do Céu


O vale foi descoberto no século XVIII por um soldado espanhol que se sentiu fraco perante tão serena beleza:

“…parou maravilhado com o que via: um grande vale cheio de pastagens verdes, onde ruminava uma manada de veados. Belos carvalhos erguiam-se acima dos campos daquele lugar de sonho, que era ciosamente protegido dos ventos e nevoeiros pelas montanhas que o rodeavam” (p. 10).







Diz o mestre, pois foi um dos Grandes que escreveu esta obra, que Pastagens do Céu fica na Califórnia. Talvez perto de Salinas, onde o próprio autor viveu; ou pelo menos perto de Monterey, localidade que menciona amiúde nas suas obras. John Steinbeck, pois é deste nobilíssimo que falamos, segue a máxima de Tolstoi que um dia disse “canta a tua aldeia e serás universal”.

Certo é que Steinbeck é um homem do campo, as suas personagens podem visitar assiduamente Monterey, mas o escritor não se digna gastar um parágrafo a descrever a sua belíssima costa, aberta para o Pacífico.

Os habitantes de Pastagens de Céu vivem o ritmo da terra, da sementeira, da poda e da colheita, do ciclo de secas e chuvas, é neste contexto de reverência pelo solo que expõem as suas fragilidades e anseios, que aceitam com alguma placidez a tragédia. Sim, porque existe sempre algo de trágico nas personagens de Steinbeck, como uma nota dissonante no todo musical.



© jharrisonphoto.com (vista da costa de Monterey)


Nesta obra desfilam os Mustrovic, que ocupam a maldita quinta Batle e nela desaparecem misteriosamente, sem deixar rasto. E o astuto Edward Wicks, que vigia ferozmente a castidade da sua demasiado bela, ainda que mentalmente atrasada, filha. 

E o atarracado Tularecito (que significa pequena rã), exímio escultor e dono de uma força descomunal, que talvez pertença ao povo dos gnomos, que habitam debaixo do solo e apenas sobem à superfície sob o manto protector da noite. E o culto Junius Maltby, que se esquece de arar os campos porque o tempo é curto para as suas leituras e, nesse hiato, o seu filho cresce, entre farrapos e debates filosóficos. 

Ou, finalmente, as manas que agradecem os clientes das suas tortillas, enchiladas e tamales com favores sexuais, que depois espiam com infindáveis orações à Virgem e a Santa Rosa.






Com 12 pequenas histórias, este não é um dos títulos mais importantes de Steinbeck (não tem a dureza e o engajamento social das míticas Vinhas da Ira), mas o seu estilo está já definido, com uma simplicidade rural, poética, sempre explorando as agruras da vida, ainda que num cenário perfeito.

Estou muito feliz com esta compra, a preço de saldo, porque sei que vou viajar muito com este pequeno livro, lendo-o e relendo-o até que as suas páginas fiquem brilhantes e gastas. 


You May Also Like

14 comentários

  1. Puxa, que grande achado esse livro e que belo compartilhamento. Adorei ver e imagino quanta beleza ainda te aguarda nele! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. maravilhoso achado o livro que comprastes, parabéns... estou agora numa época de leituras técnicas, para aperfeiçoar meu conhecimento e para ajudar meu filho nas aulas, ando lendo 'como não aprender inglês, do maravilhoso professor Michael A. Jacobs' e 'história geral', de Osvaldo Rodrigues de Souza, 1977, (um livro para todo e qualquer aluno e apreciador de história ter em sua biblioteca) (que consegui comprar num sebo, via internet, pois o meu, minha mãe havia passado adiante)..... pulando de um para outro.... saboreando relembrar aulas de história, me admirando novamente como os antigos já aplicavam a escrita, arquitetura, engenharia, saneamento básico e reavivando meus conhecimentos da língua inglesa.
    bjs e tenha uma linda terça-feira
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  3. Com esta bela descrição, numa análise perfeita, apeteceu-me conhecer Pastagens do Céu...Obrigada, pela excelente partilha, Ruthia.
    Beijos
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  4. O que me parece é que esta obra vai lhe entreter muito, é tão bom quando temos prazer na leitura.

    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Oi Ruthia d'O Berço do Mundo
    Infelizmente o template do meu blog não aceita o comando "responder", por isto estou aqui. Respondendo ao seu comentário não desisti do Dona Sinhá Internacional tenho atualizado ele (é que é um trabalho de pesquisa muito grande por isto não tem mais publicações mas não parei não, tem cerca de seiscentas localidades, entre países e regiões) e fiquei muito feliz em saber que você gosta do blog.
    Aqui vai o link
    http://dona-sinha-internacional.blogspot.com
    Abraços
    Dona Sinhá

    ResponderEliminar
  6. Fiquei com vontade de ler esse livro, só de te ver falar um pouquinho :)

    Passei pra te desejar uma ótima sexta!

    beijinhos ;*

    http://noostillo.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Ruthia,
    Não conheço essa obra, mas o título é muito apetecível. Por aquilo que nos conta (as paisagens rurais, as personagens...) creio que é uma possível leitura de férias. Obrigado pela dica.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  8. Olá Querida Ruthia..

    Obrigada pelo compartilhar da presença e a leitura tão nobre que eu muito necessitava pelo dia de hoje,
    mais uma vez grata por sua existência.

    Forte Abraço Amiga, e beijos ao teu filhote,

    Um domingo de paz, saúde e Luz pra ti,

    Lecy'ns

    ResponderEliminar
  9. Ruthia,deve ser uma história mais linda que a outra!Gostei muito!bjs e boa semana!

    ResponderEliminar
  10. Diga que você realmente ama,
    em todas as oportunidades.
    E só quem é amado, pode realmente abrir os braços
    e sentir o calor deste sentimento único.
    E se por acaso você quiser me amar,
    talvez eu transforme esse amor em amizade das mais pofundas.
    Queria ter a certeza de que apesar de minhas ausencias,
    alguém me valoriza de valor ao que realmente importa,
    que é meu sentimento,que é tudo para mim nessa vida.
    A vida é assim, um ciclo,
    uma viagem de trem e um incessante encontro e desencontro.
    Quem sabe seja por isso que ela é
    tão delicada e misteriosamente única e bela.
    Uma feliz semana minha doce e linda amizade.
    Beijos com todo carinho,,Evanir..

    ResponderEliminar
  11. Oi, Ruthia
    Adorei a postagem indicada por você. Quanta semelhança, têm as as duas festas.
    Obrigada, minha querida. Fui conferi e deixei comentário. Lá na Cadeirinha,também respondi. Obrigada!
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço aos céus por ter encontrado mais uma pessoa culta e interessante neste mundo da blogosfera :)
      Beijinho, querida

      Eliminar
  12. Depois nos conte mais sobre o livro... tbm fiquei curiosa.
    O lugar é maravilhoso... alguns lugares na Terra são abençoados e que bom que o homem ainda não desbravou e nem habitou.

    Ruthia, uma linda semana!
    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Querida, graças a Deus a Brigaderia está a todo vapor, estou muito feliz :D
    Mas que lugar é esse?! E essa vista?! Nossa amei, muito perfeito!!!!
    Beijos Té
    bloglola.com.br

    Instagram: stephanieparizi

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!