As chaminés da vaidade

by - 05:18






Espreitam entre o verde intenso dos pinheiros mansos, atalaias vigilantes recortadas contra o céu. Assomam nas esquinas dos telhados, sobre a brancura dos edifícios, como torres de vigia, quais pequenas Giraldas sevilhanas...
 
Foram, em tempos, os principais motivos dos postais ilustrados do Algarve, constam de todos os tratados sobre arquitectura da região e são o orgulho dos pedreiros. Falo das esbeltas chaminés algarvias, rendilhadas, com a sua graça etérea, presentes em quase todas as casas, por mais humildes que sejam.
 
 

Este belíssimo exemplar data de 1927 e fica na E.N.125, entre Loulé e Faro.




Há-as para todos os gostos, numa exuberância de formas e cores. As mais tradicionais, alvejantes de cal, recebem cuidados especiais, um desvelo e um carinho que por vezes o resto do edifício não conhece. 
 
Muitas parecem torres em miniatura e transportam a nossa imaginação para as linhas graciosas dos minaretes árabes, reminiscências de um passado longínquo. Como um dia alguém escreveu, são “a saudade do minarete a palpitar timidamente, no rebuço cristão da chaminé”.
 
 
 
© http://drjoseformosinho.blogspot.pt
 
 
 
 
 

De facto, há muito de ancestral nesta forma extravagante de construir chaminés, no amor que lhes é consagrado. Mas a arquitectura algarvia não se limita a estes pequenos remates destinados ao escoamento do fumo. Há que apontar ainda outras heranças árabes, a saber, as platibandas coloridas e as frescas açoteias: terraços que servem de telhado às casas, onde se seca os figos e as amêndoas, mas também onde se desfruta de alguma frescura e do brilho das estrelas, nas longas noites de Verão
 
Regressando às chaminés, esse pitoresco remate que se tornou um poderoso símbolo do Algarve, diga-se que esta moda floresceu em finais do século XIX, acompanhando o movimento modernista europeu.
 

 
 
 
As miniaturas, em baixo, fazem parte do acervo do Museu Regional do Algarve.
 

O mestre pedreiro perguntava “quantos dias quer de chaminé?”, pois o preço dependia do tempo que ela demorava a construir. Quando mais rendilhada e minuciosa, mais cara seria. Eram as chaminés da ostentação do dono da casa. Eram também as chaminés da vaidade do pedreiro, que nela depositava toda a sua arte e imaginação.
 
Hoje, as chaminés tradicionais concorrem com outras mais coloridas, pré-fabricadas mas não menos belas, e continuam a maravilhar quem se digna a tirar o nariz do chão!
 
 
 
 
 
 
 
P.S. As fotos de chaminés foram tiradas em Tavira, Faro, Vilamoura, Quarteira, Loulé e Salir. Estas e outras imagens do Algarve, na página d'O Berço do Mundo, no facebook!
 

 
 
 
 
 

You May Also Like

24 comentários

  1. Que maravilhosas e imagino a competição que devia existir. Um querendo " mais deias de chaminé" que o outro para mais aparecer! Lindas chaminés, fia vaidade e exibicionismo que não suporto!rs beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde
    O que acabo de ver e ler é um verdadeiro documentário sobre o Algarve e a beleza das suas chaminés.Simplesmente maravilhoso! Muitos parabéns.
    Bom fim de semana.
    Beijinhos da
    Beatriz
    Blog - VIDA E PENSAMENTOS
    http://pegadasdeanjo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Que imagens lindas aqui onde moro não vemos mais esse tipo de chamines devido ao calor e a arquitetura que se fez presente, mas qdo vou para o estado do Paraná ainda temos algumas.

    ps:por incrível que pareça o açúcar no tempero deu um toque delicioso mas se for fazer e tiver receio use meio copo, se gostar na próxima use a medida correta melhor prevenir rsrsrs.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho lindo e com um requinte indiscutível.
    Bju

    ResponderEliminar
  5. Ruthia, lindas imagens das chaminés.
    Os contrastes com o céu azul intenso são fantasticos.

    Bom final de semana!

    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Quanta beleza nessas chaminés!Bem pitoresco e marca de cada povo!Linda sua postagem!bjs e bom fim de semana,

    ResponderEliminar
  7. Quero deixar aqui o meu agradecimento por sempre espalhar AMOR.

    ResponderEliminar
  8. Uma vaidade forjada numa herança cultural digna de se preservar.
    Excelente, Ruthia!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  9. que lindas Ruthia, pena que não seja um algo que se veja em muitos lugares... aqui,são simples, retas, sem graça... adoraria passar por lá e admirar de perto!!
    bjs desejando ótimo final de semana...nós estamos num calor desértico, apesar de ainda ser inverno.. que nos venha a chuva e o frio que promete a moça do clima na televisão!! bjs
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  10. Olá bom dia de domingo, vim conhecer vc
    te vi no blog da minha filha Patricia la do Café entre Amigos
    adorei ver as fotos e lugares maravilhosos, a arquitetura é
    mesmo deslumbrante, enfim td por aqui é divino vc está de
    parabéns recebe um abraço com carinho, e te convido para
    me visitar, será bem vinda!

    Bjuss de um dia feliz

    └──●► ¸.·*´¨) ¸.·*Rita!!

    http://cantinhovirtualdarita.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  11. Que interessante, Ruthia!
    Ignorava a existência destas belas chaminés e, sobretudo, da sua história.
    Obrigada, mais uma vez, por nos fazer viajar.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  12. Que lindo! Esses detalhes passam tão despercebidos... aqui no Brasil não se encontra tantas chaminés, já que o clima é tropical e não existem lareiras e fogões à lenha com tanta frequência.
    As fotos são perfeitas.

    Uma ótima semana!
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mais engraçado, Clara, é que o Algarve é precisamente a região mais quente de Portugal. Nunca neva, ao contrário do que acontece no interior Norte. Esta tradição é, por isso, ainda mais surpreendente!
      Beijinho

      Eliminar
  13. Como são lindas! Não conhecia essa "competição", a mostrar tradição e ostentação. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marilene. Seja muito bem vinda. Sinta-se em casa aqui n'O Berço...

      Eliminar
  14. Nossa, que lindas Ruthinhas!!
    Aquele lindo exemplar de 1927 me lembrou muito a estampa de porcelana portuguesa, talvez pelas cores azul e branca :)
    Beijinhos, Té
    bloglola.com.br

    Instagram: stephanieparizi

    ResponderEliminar
  15. Que lindas chaminés !Excelente arquitetura !

    ResponderEliminar
  16. OI RUTHIA!
    SÃO LINDAS MESMO E A HISTÓRIA QUE AS CERCA, MAIS INTERESSANTE AINDA.
    BOM TERES TRAZIDO AO NOSSO CONHECIMENTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  17. Sempre postando coisas interessante...Adoro te visitar...
    Bjusssssss

    ResponderEliminar
  18. Ruthia queridaaaaaaaaa.... rsss....Eu tenho 2 braços. Estes são visíveis. E infelizmente tenho 24 horas que estou negociando com o Poderoso mais 6. Tá complicado administrar tanta coisa! hahahah

    Beijos

    ResponderEliminar
  19. Olá, Ruthia!
    Maravilhosas chaminés e achei muito
    interessante a história.
    beijos!

    ResponderEliminar
  20. Que lindas! Achei muito interessante saber que além de simbolizarem o poder do dona da casa, refletiam também a vaidade do pedreiro que nelas depositava sua arte. Amei!
    Querida, o link que vc me deixou para o divertido artigo sobre como identificar os grandes metres da pintura ficou incompleto. Fiquei curiosa!

    ResponderEliminar
  21. Ruthia, obrigada pelo link, diverti-me muito. As melhores dicas de reconhecimento são a meu ver a que relaciona Putin e Van Eyck (não é que se parecem de fato?... kkk) e a que diz que os retratados de Rembrandt parecem vagabundos iluminados pela luz fraca de um poste... kkk... muito bom! Obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também achei o máximo. Quem disse que arte é chata?

      Eliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!