Em modo Templário

by - 09:12





Está a Joana e estaria eu se tivesse o Canal História cá em casa, por causa da recém-estreada série sobre a Ordem do Templo. 

Confesso que sou afectada por toda a aura de mistério que envolve aquele poderoso movimento de cavalaria. Por causa da sua natureza dupla, eram religiosos mas também guerreiros, da sua influência sobre os poderosos do seu tempo, da sua sede magnífica (o Templo de Salomão, em Jerusalém) e, claro, o seu fim abrupto e sangrento.... A Joana tem outra agravante: parte do documentário foi filmado ali pertinho de casa.

Durante a visita relâmpago à Barquinha festejamos o Dia da Criança, comemos bolo sem lactose, falamos de livros, pusemos muita conversa em dia. Mas arranjou-se o bocadinho necessário para revisitar o Castelo de Almourol, uma das "casas" dos enigmáticos guerreiros.

Viviam-se os dias turbulentos da reconquista cristã, quando D. Afonso Henriques lhes entregou as chaves do castelo, plantado numa pequena ilha no meio do Tejo. Tantos séculos volvidos, é irónico que continue nas mãos dos militares (Escola Prática de Engenharia de Tancos)...

Como tantos outros lugares que passaram pelo domínio árabe, abundam as lendas sobre esta pedra alta (Al-morolan). E eu não resisto a partilhar a minha preferida:


© Canal História (imagem da esquerda)


"Nos primeiros tempos da Reconquista, D. Ramiro, um cavaleiro cristão, regressava orgulhoso de combates contra os muçulmanos quando encontrou duas mouras, mãe e filha. Trazia a jovem uma bilha de água, que, assustada, deixou cair quando lhe pediu de beber rudemente o cavaleiro. Enfurecido, acabava de tirar a vida às duas mulheres quando surgiu um jovem mouro, filho e irmão das vítimas, logo aprisionado. D. Ramiro levou o cativo para o seu castelo, onde vivia com a própria esposa e filha, as quais o prisioneiro logo planeou assassinar em represália. Entretanto, se à mãe passou a ministrar um veneno de acção lenta, acabou por se apaixonar pela filha (...) os apaixonados deixaram o castelo e desapareceram para sempre. Reza a lenda que, nas noites de São João, o casal pode ser visto abraçado no alto da torre de menagem e, a seus pés, implorando perdão, o cruel D. Ramiro". (in PINHO LEAL, A.. Portugal antigo e moderno: diccionário geographico, estatistico, chorographico, heráldico, archeológico, histórico, biographico e etymologico de todas as cidades, villas e freguezias de Portugal e de grande número de aldeias… Lisboa: 1872 e segs).

O Castelo de Almourol, um dos mais belos de Portugal, está a ser restaurado e, se as ambições locais se concretizarem, as suas margens serão embelezadas e unir-se-ão ao Parque de Escultura Contemporânea, onde o pequeno explorador se divertiu tanto (lembram-se?).
O Parque foi inaugurado por Cavaco Silva no Verão de 2012, sob fortes medidas de segurança, por causa dos cidadãos que ali se juntaram para apupar o Presidente e a primeira dama. 


© presidencia.pt
© barquinhaearte.pt - "Castelo", de Pedro Cabrita Reis.
© barquinhaearte.pt - "Rotter", de Cristina Ataíde
© barquinhaearte.pt - "Sem Título" de Pedro Croft e "Casa no Céu" de Xana.


O espaço já era fantástico, sete hectares de tranquilidade e sombras, embalados pela canção do rio e pelo grasnar dos patos. Depois, vieram as esculturas, 11 peças no total, assinadas por alguns dos artistas portugueses mais conceituados.

Entre eles, consta a Joana Vasconcelos - sim, aquela que levou um lustre gigante feito de tampões à bienal de Veneza - com os seus Trianons inspirados nos pequenos mas luxuosos pavilhões de Verão da aristocracia francesa, recorrendo a materiais de produção maciça.

O conceito agrada-me mas o resultado... pufff... só me remete para as fitas de plástico que antigamente pendiam das portas da cozinha para afastar as moscas e que, em pouco tempo, ficavam nojentas com a gordura e o pó.

Há por lá outras mais interessantes, do meu ponto de vista. É o caso do Contramundo, de Rui Chafes (cujo trabalho, de resto, aprecio bastante), e Sobre a Floresta, as árvores de granito e bronze, de Alberto Carneiro. 


© barquinhaearte.pt - "Trianons", de Joana Vasconcelos
© barquinhaearte.pt - "Contramundo", de Rui Chafes
© barquinhaearte.pt - "Sobre a Floresta", de Alberto Carneiro


E vocês, amigos e leitores, o que acharam das peças? Qual é a vossa favorita? Cliquem nas imagens, para aumentar.


You May Also Like

23 comentários

  1. Lenda genial, não conhecia. Quando às esculturas, gostei muito da última. Belo efeito na imagem noturna.

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que gostaste da visita. A lenda que escolheste é a mais conhecida. Por causa dessa lenda há por aí malta esquisita, como eu, que sempre planeou passar a noite de são joão dentro do castelo :D
    Mas verdade seja dita, e modéstia à parte, é o castelo mais lindo de Portugal.

    Beijo enorme

    p.s - vi que descobriste a foto que te falei :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A foto de dois idosos senis e alheados da realidade do país? Não sei a que te referes :)

      Eliminar
  3. Passar por aqui é aprender um pouco mais sempre.Lindo tudo e gostei também da última foto! beijos,linda semana,chica

    ResponderEliminar
  4. Ruthia,
    te confirmo com toda veracidade que este tema muito me atrai: os templários e sua aura personalíssima.Li algumas poucas referências históricas e outras mais romanceadas, confesso que me ative às segundas por vestirem-se do poder mitológico que o assunto retrata.
    Este belo lugar ficará muito atrativo com toda história acerca dele.Gostei mais das obras: "Sobre a floresta" e "Contramundo."
    Passear contigo é muito agradável.
    Bjkas festivas,
    Calu

    ResponderEliminar
  5. Ruthia,belas peças e é dificil escolher uma: fico com aquela barquinha vermelha . Adorei conhecer a história de Joana e as fotos estão incríveis! bjs,

    ResponderEliminar
  6. Olá

    São belas
    as palavras
    que nos acariciam
    o coração...

    Obrigado por semear o belo
    em um mundo tão carente
    de sentimentos bons.

    ResponderEliminar
  7. Ruthia,
    Que local lindo. Não conhecia. E que história! E as peças que agora estão lá são bem diferentes mesmo. Adorei.
    beijos
    Adriana

    ResponderEliminar
  8. Ruthia,

    Eu adoro viajar ao passado, porque a cultura européia é riquíssima. Sempre gostei de ver filmes medievais que trata tudo com um certo ar de mistério, amor, paixão, honra e conquistas. Sobre o Contramundo, parece um insetão, um enorme besouro.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece mesmo um besouro ou um bicho de conta gigante. Mas ficou interessante, né?
      Bjs

      Eliminar
    2. Sim. Eu curti muito este post, tambem o salvei para ler novamente. Costumo fazer isso.

      Eliminar
    3. Sim. Estou curtindo este post, o salvei, gosto de retornar.

      Bjs

      Eliminar
  9. sempre aprendendo algo contigo querida amiga, não conhecia a lenda...o lugar é fantástico
    bjs
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  10. Uau viajei............. Maravilha.

    Abraços

    ResponderEliminar
  11. Oi Ruthia,
    Que história fantástica!
    Que lugar lindo!
    Boa semana para você!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  12. Ruthinha, eu fico com a peça Sobre a Floresta :)
    E tenho que concordar que esse castelo é belíssimo mesmo!!!
    Beijinhos, Té
    www.bloglola.com.br

    ResponderEliminar
  13. Adoraria visitar o Castelo de Almourol. Eu me sentiria em outros tempos, imaginando o que ali já ocorreu. Gostei da lenda, com seu foco no amor. As peças são todas ricas, de diferentes estilos, o que nem me permitiu comparação, para efeito de escolha. São trabalhos que muito admiro. Bjs.

    ResponderEliminar
  14. Que lugar fascinante....amo seus posts pois viajo com vc.
    Tbm adoro ler sobre templários e tudo que diz respeito a esse período.
    Minha irmã foi para Espanha da cidade de Toledo e me trouxe uma espada que amo de paixão, copia dessa época.

    ResponderEliminar
  15. Confesso que os Templários também me fascinam.
    E ainda mais por saber que a sua participação nos descobrimentos portugueses não está suficientemente explorada e contada. O que é certo e sabido, é que o Infante D. Henrique vinha a Tomar tirar apontamentos dos desenhos das caravelas. E, ao que consta, também terão financiado o pinhal de Leiria e outras coisas relacionadas com os descobrimentos.
    Magnífico post, gostei de tudo, embora só comente o início, para não ser fastidioso...
    Tem um bom fim de semana, querida amiga Ruthia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comente o que quiser, caro amigo. Não me importo nada de comentários longos, sou daquelas pessoas que adora livros gordos e gente tagarela :)
      Obrigada pelo seu comentário tão pertinente e pela sua presença amável.
      Um abraço

      Eliminar
  16. Ruthia!
    Também sou fascinada pelos Cavaleiros Templários, suas histórias e lendas.
    Daria tudo para poder conhecer esses lugares instrutivos e aprender cada vez mais.
    A imagem que mais gostei foi "Contramundo", de Rui Chafes, parece um capacete futurista.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderEliminar
  17. O de que gostei mesmo foi da lenda, Ruthia. Adorei conhecer!
    :)

    ResponderEliminar
  18. Querida Ruthia
    Uma bela reportagem,fotográfica e textual!
    Gostei da lenda,apesar de muito trágica!
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!