As torres de Praga

by - 23:57




Estamos no coração da Boémia, num burgo que nasceu e cresceu nas margens do rio Vltava, conhecido como a "cidade das 100 torres". Que a aventura em Praga comece

A capital da República Checa saltou finalmente do meu imaginário e a realidade revelou-se tão bela quanto sonhei. Claro que a beleza levamo-la nós, nos olhos e no coração, mas é impossível não ficar impressionado com o ambiente histórico e a arquitectura esmagadora da cidade. Não é à toa que Kafka se sentia insignificante nestas ruelas, no seu caminho para a escola, pela mão do malévolo cozinheiro da família. Mas adianto-me. Do bizarro Franz Kafka falaremos num futuro episódio... 

Vamos conhecer algumas das torres, campanários e cúpulas que furam os céus de Praga? 

Começamos pelo Castelo (séc. X), que reina sobre a paisagem desde o topo de uma colina. Apanhamos o elétrico nº 5 e depois o nº 22, em Malostranská, não vá o pequeno explorador esgotar as energias para vencer a subida.








Saímos em frente ao Palácio de Verão, preparados para conhecer os Jardins Reais, só possível nos meses mais quentes (estão encerrados de Outubro a Abril). Portão fechado. Esperem lá, mas estamos em finais de Agosto, os jardins deviam estar visitáveis!? Um aviso explica que isso se deve a "motivos técnicos". 

Afinal, trata-se de uma visita oficial chinesa, informam uns manifestantes. Aqui funciona também a residência presidencial e, tendo em conta as empresas de catering a passar, com certeza preparava-se uma recepção oficial nos jardins.

- What are you doing in Prague? - perguntei a um dos manifestantes, ocidental.

Lá me explicou, no seu inglês impecável, que queriam chamar a atenção mundial para o genocídio de uma minoria religiosa (seguidores de Falun Gong) perpetrado pelo Governo chinês. Balbuciei umas palavras de apoio e segui para o maior castelo do mundo. Assim diz o Guiness e a Unesco confirma, dando-lhe o selo de Património da Humanidade. 

Na verdade, este grande complexo de 72 hectares tem um palácio, uma catedral e outras igrejas, dois museus, galerias e salas de concerto, um mosteiro, jardins e vários pátios... Fantástico!




O colorido da viela dourada, dentro do recinto do Castelo.


Os ameaçadores titãs a lutarem na entrada não nos demovem e seguimos para a gótica Catedral de S. Vito, que protege as jóias da coroa boémia (raramente expostas) e outras riquezas como pinturas medievais, túmulos reais e o jazigo de prata de S. João Nepomuceno.

A viela dourada é o recanto mais pitoresco deste espaço: nestas casinhas de bonecas, construídas nos arcos entre a Torre Branca e a Torre Dalibor, viviam ourives e funcionários reais, mas outras personagens interessantes passaram por aqui, nomeadamente Kafka, o cineasta J. Kazda ou a cartomante Matylda Průsová, conhecida como madame de Tebas. Algumas destas casas minúsculas foram preservadas, outras transformadas em lojas de recordações.



Uma mini torre Eiffel e outros pináculos

Saindo do castelo em direcção ao Bairro Pequeno (Malá Strana), outro campanário chama a nossa atenção: o da Igreja de S. Nicolau. O templo do século XVIII é descrito como o mais belo exemplar do barroco checo, mas nada vi de extraordinário (depois de Roma, nada é como antes)... O Pedrinho prefere sentar-se enquanto eu visito a nave dourada e opulenta, onde se destaca o órgão de 2500 tubos, que Mozart tocou um dia.

Depois de um almoço no requintado Café Savoy, outro templo nos espera, inevitável numa visita à cidade. 

Falo da Igreja de N. Senhora Vitoriosa, onde repousa o famoso Menino Jesus de Praga. Senti alguma pena daquele menino tão pequenino, escondido sob um imenso vestido azul e perdido numa profusão de ouro e pedras preciosas.




A torre de observação da colina de Petrin ao fundo.





Olhava-o medidativa, num banco mesmo em frente quando surge um barulhento grupo de espanhóis... Acabou-se a magia, todos se atropelam para chegar ao menino, uns com devoção, outros simplesmente para o fotografarem, apesar da proibição. No meio daquela confusão, acabei por captar duas ou três imagens, silenciosamente, com o tablet.

Seguimos depois para a colina de Petrin, para o Pedro brincar um pouco e fugirmos ao barulho do trânsito. Lá no topo fica uma versão anã da Torre Eiffel que não chegamos a visitar, porque o apelo do parque infantil foi mais forte.

Pronto, quatro torres conhecidas, only 96 to go! Vejamos... há a Torre da Pólvora (perto do nosso hotel) e a Torre de St. Henry, sem esquecer os pináculos da Praça Velha, nomeadamente da antiga Câmara Municipal, onde está pendurado o lindo relógio astronómico. Noutro dia subiremos lá acima e teremos uma vista fantástica sobre a cidade. Outro dia, que este post já vai longo...

Até já, desde Praga!


Pose com a Torre da Pólvora ao fundo.



Bilhete de elétrico: 24 czk adulto/12 czk criança, para 30 minutos (± 0,85€/0,43€).
Entradas no Castelo: 250 czk adulto/125 czk criança, para o circuito mais curto ( ± 9€/4,5€). Site do Castelo aqui.
Igreja de S. Nicolau: 70 czk adulto/crianças não pagam (± 2,5€)
Subida à Torre do relógio: 110 czk adulto/30 czk criança (± 4€/1€)



You May Also Like

25 comentários

  1. Sensacional mais esse passeio! Experiências inesquecíveis para o Pedro que vê história, monumentos e encontra tempo sempre para e distrais num parquinho! Beijos,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre há tempo para brincar, criança tem que ser criança, em qualquer parte do mundo :)

      Eliminar
  2. Olá Ruthia,
    ainda guardo nos olhos e no coração estes recantos mágicas da estonteante Praga.Não consegui visitar todos os arredores do castelo.Fui nos espaços mais centrais, no museu e em uma das igrejas e, claro, na lúdica ruelinha, um encanto só.Tenho muita vontade de voltar a percorrer estes lugares encantadores.Tuas fotos são belas demais.
    Pedrinho em ares de grande explorador confere mais simpatia aos locais visitados.
    Bjinhus,
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também fiz o percurso mais pequeno, Calu. Não só porque não tinha um dia inteiro para o Castelo, mas também porque se tornava muito cansativo e entediante para o Pedro. Um dia eu volto também :)
      Beijinho querida

      Eliminar
  3. Muito interessante! Acabo de descobrir que eu não sou a única pessoa no mundo a encontrar fechados os lugares que deveriam estar abertos à visitação. Aguardo as próximas postagens; as imagens estão lindas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É frustrante, né? Quando temos expectativa de algo... mas Praga é tão rica que não faltaram alternativas, felizmente!

      Eliminar
  4. depois de ler este teu post, me deu vontade louca de 'perder' o voo de volta e permanecer na Europa, podendo visitar todos os recantos mágicos que por ai existem... Mas a realidade da família e trabalho fazem com que isto seja apenas um sonho!! Quem sabe em outra oportunidade eu possa conhecer um pouco mais desse mundo de magia que tu tão lindamente descreve para nós!! Bjs amiga e até semana que vem, em Lisboa!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já falta pouco, minha querida. Estou muito ansiosa :)

      Eliminar
  5. Ruthia,que delícia esse relato! Vc nunca pensou em transformar essas viagens em um livro? Gostei demais! bjs,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que nunca me passou pela cabeça, Anne. Quando criei o blog foi sobretudo para não perder hábitos de escrita. Mas depressa se transformou de um mero hobby numa tarefa que me dá muito prazer, que me preenche. Conheci pessoas incríveis.... mas vou maturar essa ideia que me deu. Quem sabe?
      Beijinho, obrigada pelo carinho

      Eliminar
  6. Ruthia,

    Foi um dos mais belos passeios que fiz e ao lado de minha mãe. Quero voltar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Só posso me encantar e sonhar, já que não consigo mais fazer viagens longas de avião (rss). É uma pena não ter superado o medo, que começou em um traumático voo internacional, e se instalou. Quando leio suas postagens, vejo essas imagens lindas, tomo ciência da existência de cantinhos adoráveis, mundo a fora, lamento. Feliz do seu filho que cresce em todos os sentidos, com as experiências que lhe proporciona. E sem abrir mão dos momentos criança de lazer. Bjs.

    ResponderEliminar
  8. Querida Ruthia
    Nunca fui a Praga,mas já fiquei com uma ideia!
    A reportagem fotográfica também é sempre muito boa!
    Divirtam-se muito!
    Parabéns e obrigada pelo seu artigo
    UM BEIJINHO
    BEATRIZ

    ResponderEliminar
  9. Como sempre belíssimos posts. Os visitantes do seu Blog são contemplados com lindas viagens, repletas de informações e cultura. As fotos estão lindas e nos dão a dimensão da beleza que é Praga. Parabéns pelo belo trabalho querida. Beijos.

    ResponderEliminar
  10. ....((((....\
    .........).\....)...... Trouxe um anjinho
    .........\_..\...(
    .........._)..\...)......Para cuidar de você e abençoar seu final de semana.
    ./\.__/..'-'/.\.(
    .\.|__(___/..|....... lhe transmitir muita paz , muito amor para você e sua família.
    ..\|.............|
    ...|............/.........é tudo que desejo do fudo do meu coração.
    ....\__...--'\
    .....|...........\........Obrigada pelo carinho
    .....|...........|.......Prometo estar sempre contigo no meu coração
    .....|............\__ ...Só sei dizer te amo de verdade e para sempre.
    .....|..................\-..
    .....\__________\_`-,
    Muita paz dentro do seu coração!
    Que Deus não lhe permita sentir
    nenhum tipo de dor somente amor.
    Um carinho da estrela de paz e de luz.

    Evanir..

    ResponderEliminar
  11. Oi, bom tudo,
    Eu vim aqui, nesta noite de sábado, lhe trazer um verso, para você, refletir conosco:
    I
    Lágrimas despejadas, amargas, em desobrigas de ir embora.
    E já não basta terços, rezas e patuás, que outrora consolava
    Em rodas de ritos, a cólera maldita, assobiante com o ebola
    Agride a terna Mãe África, desesperada, pelos filhos, chora.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. OI RUTHIA!
    QUE BELEZA!
    LENDO OS COMENTÁRIOS DOS AMIGOS, CONCORDEI COM A SUGESTÃO DA ANNE E CREIO QUE NO FUTURO PENSARÁS SERIAMENTE EM TRANSFORMAR ISSO TUDO EM UM LIVRO, POIS TENS TEUS RELATOS E AS FOTOS E AO JUNTAR TUDO ISSO SERÁ MUITO LEGAL.
    O PEDRINHO ESTÁ UMA GRAÇA DE MENINO E CRESCENDO COM UMA BAGAGEM CULTURAL DE INVEJAR.
    ABRÇS AOS DOIS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  13. Fantástica viagem acabei de realizar, conhecendo até o piano tocado por Mozart..Uma escola viva e riquíssima para o Pedro, quando tantos mal conhecem nos livros... Não poderia falar o lindo menino Jesus. Praga é um sonho, que já considero sonhado, pela belíssima reportagem que traz aqui, Ruthia. Já curti a deliciosa página do face - obrigada! Beijos! Feliz semana!

    ResponderEliminar
  14. Ruthia nunca saí de meu chão, não imagina como fico a imaginar quando venho aqui, que lindo que está o Pedrinho um companheirão pra você, quero te agradecer a visita lá nas Historinhas da Didi, é um trabalhinho que comecei a pouquinho tempo, sabe falar com crianças e sobre crianças me faz muito bem, bjos Luconi

    ResponderEliminar
  15. Que lindos meninos num cenário de sonho, certamente inesquecível! Adorava ir a Praga, quem sabe um dia irei?
    Beijinhos e boa rentrée!

    ResponderEliminar
  16. Esse é um dos poucos destinos que sempre sonhei em ir, e esse post aguçou ainda mas essa vontade! Parabéns pelo blog, lindíssimo e receado de informações riquíssimas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Val. Seja bem vindo aO Berço, espero que se sinta em casa.
      Um abraço

      Eliminar
  17. O Pedro está a cada dia mais lindo, Ruthia. Fico a pensar no homem incrível que há de se tornar depois de tantas viagens, explorações, brincadeiras e diferentes culturas!
    Abraço!
    Ah! Que bom que o livro chegou! ;)

    ResponderEliminar
  18. Concordo com a sugestão de pôr estes relatos literários e turísticos em livro, tipo Percursos em que se incluem mapas a encabeçar as visitas a efectuar. gostava de ter um quando visitar Praga.

    ResponderEliminar
  19. Ruthia,
    Há magia em Praga, não há?
    Edificios de contam um milénio, teclas de órgão que sentiram dedos de um génio, objetos que poderiam dizer-nos segredos de inúmeras personagens que preenchem os nossos livros de História, e há o sentimento que, afinal, a nossa passagem é insignificante...
    Foi pena não poder ver o Palácio de Verão, mas há tanto a ver nesta cidade maravilhosa que uma viagem não chega!
    Beijinho!

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!