Indo eu, indo eu

by - 09:49


D. Duarte O Eloquente, 11º rei de Portugal, nasceu em Viseu.

De Viseu herdamos Grão Vasco, principal nome da pintura quinhentista, e o temerário chefe lusitano Viriato, a quem Zamora ergueu uma estátua com a legenda "Terror Romanorum".

E no entanto, quando penso em Viseu, assalta-me a letra de uma música popular que fala de alguém que encontra o seu amado a caminho da cidade. "Ora truz, truz, truz. Ora trás, trás, trás". Não há como formatar esta associação de ideias!?

Estacionamos perto do Rossio, ainda a trautear a sobejamente conhecida melodia, e saímos para a praça onde sobressai um painel de azulejos. Enfrentamos a manhã fria encasacados, com cachecóis e luvas. Já lá vão uns meses desde a nossa primeira (e única) visita a Viseu. Recordo-me do frio, das ruas quase desertas e das pombas, que pregaram um susto ao Pedro... 


Clique na imagem, para aumentar.

A bela Fonte das 3 Bicas, barroquíssima.

Subimos pelo Jardim das Mães, onde um menino dorme no colo materno. O escultor Oliveira Ferreira captou no bronze um momento de cumplicidade, homenageando desta forma a terra da sua mãe. Transposta a Porta de Soar, uma das sete que dava acesso ao mundo intramuros, estamos no centro histórico.

Primeira paragem: Museu Grão Vasco. O espaço museológico fica num majestoso edifício em granito, contíguo à catedral. Aproveitamos uma maravilha inventada para os domingos de manhã (entretanto extinta): entrada gratuita! 

A principal atracção do museu são os retábulos pintados por Vasco Fernandes (1475-1542), o famoso Grão Vasco, provenientes da Catedral e de outras igrejas da região. Mas também se pode apreciar preciosos óleos e desenhos do grande Columbano, as telas de mestres como Malhoa, Alfredo Keil, Soares dos Reis, Bonvalot, Marques de Oliveira, António Carneiro, Silva Porto...

Deixamos o silêncio dos mestres e rumamos ao funicular, para descobrirmos que está avariado. O pequeno explorador fica bastante decepcionado e eu também, por motivos diversos. A visita à Cava do Viriato terá que ficar para outra ocasião!



Apreciem o belo bigode de D. Eugénia Mendes, a baronesa da Silva (cima, dir.)
e os relicários que tanto me arrepiam (baixo, esq.). 


Voltamos a deambular pelas ruelas (not all those who wander are lost), passamos pela estátua do monarca Eloquente nascido em Viseu, andamos de nariz no ar à procura da janela manuelina, fotografamos as casas brasonadas que se multiplicam a cada esquina.

Antes do almoço, tempo para uma surpresa final. O Pedro abre os braços para uma foto triunfante e é literalmente "atacado" por dezenas de pombas que aterram aos seus pés!!! Não foi um momento assustador à Hitchcock, mas uma revoada alegre e súbita. 

Foi o gesto dele que as convidou? Terá sido uma mera coincidência? Enquanto eu cogito motivos, o Pedro já arrancou numa corrida, às gargalhadas, passando de perseguido a perseguidor...





Têm alguma teoria para este episódico avícola?

You May Also Like

18 comentários

  1. No Brasil há muita gente que gosta de alimentar pombos em locais públicos (embora haja cidades em que seja proibido, já que os pombos têm se tornado exageradamente numerosos); talvez esses pombinhos lusitanos tenham pensado que o menino podia trazer algum petisco...

    ResponderEliminar
  2. Há tempos ouvi um médico dizer na TV, que os pombos são as aves que mais doenças transmitem aos humanos. Disse que os pombos eram ratos com asas ( em comparação com as doenças que os ratos transmitem) .
    Quanto a Viseu, conheço razoavelmente bem. Meu avô materno era de Castro Daire, minha avó de Lamego, minha mãe nasceu em Penude, meu pai em S. Pedro do Sul. Daí que toda essa zona é mais ou menos conhecida para mim.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
  3. Ruthia,

    Após uma longa ausência, é tão bom voltar aqui e ler mais sobre as suas aventuras!
    Desconheço Viseu, e mais uma vez não posso deixar de juntar esse destino à minha lista de visitas a fazer absolutamente!
    Quanto aos pombos e ao seu pequeno explorador, gosto de pensar que é magia... e que o gesto dele chamou as aves para um momento bonito :)

    Quero ainda agradecer a sua presença no meu cantinho, mesmo durante a minha ausência. O regresso é lento, mas espero poder agora voltar às publicações regulares.

    Beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ruthia,
      Voltei para deixar-lhe um pequeno presente no meu cantinho para o seu blog que faz sempre parte dos primeiros que visito sempre que posso!
      Pode vê-lo aqui: http://crazy40blog.wordpress.com/premios-e-presentes-de-amigos/
      Obrigada por nos fazer sempre viajar! :)
      Bjos

      Eliminar
  4. Que lindo tudo! cada foto u pedacinho de história e adorei ver o Pedro entre as pombas,rs bjs, linda semana,chica

    ResponderEliminar
  5. Querida amiga,

    lindo lugar! como são bonitas as fontes, me fizeram lembrar (embora tao mais simples) o parque de águas de São Lourenço (MG).

    A carinha do seu filho está uma graça pela alegria dele, contudo, não gosto de pombos porque transmitem uma doença terrível e esta quase matou minha irmã. Sendo assim, pombos lá e eu cá.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Seu forma de escrever é tão delicada e terna, que não há como se encantar com suas palavras. Belo blog!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada cara Ana. Seja bem vinda aO Berço, espero que se sinta em casa.
      Se tiver um blog, por favor deixe um link para retribuir a sua amável visita.
      Abraço
      Ruthia

      Eliminar
  7. Ruthia, estou aqui imaginando o Pedro qdo for já um adulto e contar todas essas aventuras que ele viveu quando era criança. Que riqueza que vcs estão proporcionando a ele... parabéns!
    Com certeza será um grande estudioso formador de opinião e reconhecido pelo mundo afora com suas histórias e teorias.
    Beijos, querida, ótima semana!

    ResponderEliminar
  8. A cada passo a história se apresenta em forma e cor...uma viagem no tempo, imaginário à solta preenche os espaços e reconta as minúcias, Ruthia, tudo isso saído da tua escrita delicada e detalhada que nos leva a passear.
    Pedrinho forja seu espírito explorador em belas paragens.
    Bjos aos dois,
    Calu

    ResponderEliminar
  9. Lindo passeio, Ruthia!
    As imagens transmitem a beleza das artes e da arquitetura do lugar.
    Você deveria escrever um livro sobre as aventuras do Pedrinho.
    Adorei a foto do "susto", muito expressiva.
    Beijos para vocês e tenham um lindo dia.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Ruthia
    Boa descrição, devidamente ilustrada por lindas fotos, duma cidade que vale a pena visitar.
    Nunca lá fui no Inverno, mas no Verão já lá fui várias vezes. Gosto imenso de visitar as chamadas "cidades de província".
    Quanto ao episódio avícola... se se tratasse de elefantes eu diria que era a memória a funcionar...
    Com pombos... talvez tenham tomado o Pedro por um deles, um lindo e amoroso pombo...

    ResponderEliminar
  11. Somos grandes fãs de Viseu... e dos seus Viriatos :)
    beijinhos nossos

    ResponderEliminar
  12. Sempre um banho de historia e belas imagens de um mundo com suas fantasias e poder.
    Grato sempre amiga pela carona em suas viagens.
    Por aqui nas praças centrais há uma infinidade de pombos e famintas.
    Meu carinhoso abraço de paz e luz.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. Que apetitoso o Pedrito ali no meio das pombas! Hitchcock apreciaria!
    Não me recordo de ter ido alguma vez a Viseu, mas é possível que tenha ido em pequena.
    Entretanto, com que inveja fiquei de D. Eugénia Mendes... Aquilo sim, eram tempos :)
    Beijinhos! Aqui está negro, chuvoso e ventoso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha, sim, tempos em que uma senhora era uma senhora, mesmo com uma bela bigodaça ;)
      Beijocas. Aqui também, chuvoso, ventoso e de manhã barulhento (trovoada)

      Eliminar
  14. Que lindo, amiga Ruthia!!! Aqui dizemos (tal qual Walt Disney - que onde há passarinhos e pombas, há muito amor) Então, entendo que elas - as pombas - perceberam o amor que emana do teu lindo Pedro!!
    bjs desejando ótimo final de semana
    tititi da dri

    ResponderEliminar
  15. Muito se aprende por aqui!
    Só conhecia do vinho e pouco mais!
    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!