Festejar a Música

by - 16:54





Era apenas uma jovenzinha quando se apresentou em Lisboa para a Rainha D. Amélia. Qual é o sonho da sua vida? perguntou-lhe sua Majestade. Guilhermina Suggia (1885-1950), pois era a violoncelista a sua interlocutora, respondeu que queria aperfeiçoar a sua música no estrangeiro. E o sonho tornou-se realidade, pois foi-lhe concedida uma bolsa real e ela rumou à Alemanha, acabando por se tornar uma celebridade mundial.

Guilhermina revolucionou o grande violoncelo em técnica, sonoridade e até na própria posição de tocar. Sim, porque as boas maneiras ditavam que o instrumento não devia ser tocado por mulheres, pois devia ser colocado entre as pernas.

Esta menina do Porto recusou colocar o violoncelo de lado e adotou publicamente a posição mais confortável (e vanguardista), apesar de algumas orquestras, como a BBC, proibirem a contratação de intérpretes femininas por esse motivo. Simples assim.


A bela Guilhermina, eternizada em 1923 pelo galês Augustus John, 
enquanto interpretava Bach.


A sala principal da Casa da Música, no Porto, carrega o nome da corajosa Guilhermina. Considerada o coração da Casa, "a Sala Suggia serve de âncora a todo o edifício, permitindo que os principais percursos se desenhem à sua volta. Com sete janelas que a ligam quer ao exterior quer a outros espaços, proporcionando diferentes ângulos de visão, é o único concert hall do planeta onde se pode tocar música exclusivamente com luz natural, suficiente para a leitura de partituras".

A instituição sublinha ainda a excelência acústica do auditório. "Todos os materiais de revestimento foram escolhidos com essa preocupação: contraplacado de pinho nórdico para paredes e tecto; vidro curvo para compensação e divergência de ondas sonoras; e um tecido para as cadeiras que imita a presença humana até 70% de ocupação da sala."

No fim-de-semana passado, o espaço comemorou 10 anos de vida com uma programação especial. Eu e o pequeno explorador aproveitamos a tarde primaveril para conhecer os detalhes deste edifício fantástico, construído no âmbito do Porto 2001, quando a cidade invicta foi Capital Europeia da Cultura.


Com a Sala Suggia como cenário.
Os painéis de azulejos são réplicas de outros que estão em Lisboa, Porto
(na Estação de S. Bento) e na Holanda.



O edifício desenhado pelo holandês Rem Koolhaas é todo contemporâneo, mas o arquitecto não esqueceu alguns detalhes de evocação à arte portuguesa, desde os azulejos da sala VIP à talha dourada na Sala Suggia.

Terminamos este domingo musical com o tocante concerto da especialíssima orquestra "Som da Rua". Feita de pessoas sem abrigo ou muito próximas da exclusão social, a orquestra cantou o Porto com toda a garra nortenha.



Aqui fica o vídeo possível, pedindo desde já desculpa pela qualidade do som. 
E de repente, alguém grita entre o público, "força Armindo"!





You May Also Like

17 comentários

  1. Maravilhoso ser possível ler uma partitura com luz natural.

    ResponderEliminar
  2. Beleza de partilha Ruthia, que obra belíssima com todos os cuidados precisos para uma sala de som. Isto é muito importante para apresentações clássicas onde o som é fundamental. Lembro de um show do Milton Nascimento de nome Missa dos Quilombos gravado num mosteiro na Serra do Caraça Minas Gerais, onde foi preciso o uso centenas de colchões para conseguir a acústica ideal, bem como reforço da iluminação. Interessante este coral de excluídos. Parabéns ao pequeno explorador cada vez mais ativo pelas andanças.
    Gostei de saber a historia desta grande mulher rompendo com todos os preconceitos de uma época e saber que muita coisa ainda permanece nestas discriminações/preconceitos.
    Parabéns pela postagem.
    Um belo e bom fim de semana com as cores de sua Primavera.
    Abraços amiga.
    Beijo de paz.

    ResponderEliminar
  3. Encantadora visita cultural e adoro ver o pequeno explorador que tem um leque de opções oferecidas nesse sentido sempre! Vale muito! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Uma escola de música nascida do sonho realizado por Guilhermina. Uma escola de música que já possui 10 anos e honra a homenageada, pela produção que apresenta. Uma tarde inesquecível, pela visita ao moderno e belo prédio da escola e ao espetáculo musical, com excelente grupo "Som de Rua". Muito interessante, os instrumentos de percussão ( até garrafa pet ! ) Muito bom, Ruthia.
    Obrigada, pela partilha! Bom final de semana.
    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  5. mais uma visita que se tudo der certo, poderei fazer... continua em pé minha guerra contra o cigarro e minha proposta de pisar, novamente, em terras portuguesas, em 2017
    bjs
    tititi d dri

    ResponderEliminar
  6. Já fui três vezes ao Porto depois disso, mas ainda não fui lá vez nenhuma.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Ruthia,

    Gosto do som do violoncelo, acho que existem poucas mulheres tocando.
    Os paineis são lindissimos, adoraria ver de perto aqueles azulejos.
    O edifício deve ser uma notavel construção.
    Reparei a armação dos oculos do pequeno explorador. Gostei!
    Quanto a incrivel musicista,

    ResponderEliminar
  8. Olá Ruthia, que linda sala de música!
    Certamente quando for ao Porto no próximo ano farei questão de conhecer! Adoro instrumentos de corda, e o violoncelo tem uma acústica maravilhosa!!!
    Beijinho

    Bia <°))))<

    ResponderEliminar
  9. O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem.
    Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.(Fernando Sabino)
    Um lindo e abençoado final de semana!!!
    Abraços Marie.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Ruthia!

    Como vão? E o seu amado explorador? está lindo, o garoto! Qdo chegar à sua idade, conhece quase o mundo inteiro. Que inteligente investimento cultural está a fazer com ele! Ele tem acompanhado a escola com assiduidade e aprendido a matéria?

    Conheço, razoavelmente, a história de Guilhermina Suggia, k tem, aliás, uma rua em Lisboa. Brilhante e revolucionária. É uma mulher do norte, "carago"!
    Qto à Casa da Música, k fez uma justíssima homenagem à violoncelista, dando o nome dela, à sala principal, k é de visitar, logo k possível.
    As fotos e a sua descrição estão muito realistas.
    O som do vídeo não é dos melhores, mas dá para ver o talento e o engenho.
    Divirtam-se!

    Beijos, com estima.

    ResponderEliminar
  11. Passando pra ver as novidades :)
    Muito legal! amei os painéis de azulejos, lindos de viver.

    beijinhos ;*
    http://noostillo.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  12. Olá, Ruthia!

    Como estão?
    Agradeço o seu comentário, inteligente, feminino e sensível.
    Qto à música k alguém me pediu k colocasse no meu blogue, não combina, EM NADA, com o poema que escrevi, embora eu ache o vídeo até sedutor e provocante, mas não quis desagradar a pessoa, fundamentalmente, foi isso.
    Fiquei contente pelo k me disse sobre o seu filho. A curiosidade e o interesse são excelentes para uma sólida aprendizagem.
    Vou deixar umas palavrinhas no meu blogue, em resposta às suas.

    Beijinhos e bom domingo!

    ResponderEliminar
  13. Olá, Ruthia!

    Como vão?
    Se passar pelo meu blogue, se tiver tempo, se lhe apetecer, verá k tenho novos "sons".

    Fiquem bem, e resto de bom domingo.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  14. Ruthia
    na minha visita, tao rápida, à região, apenas passei em frente á Casa da Música e não tive tempo de visitá-la. Ainda volto para conhecer este lugar. Ótimo post.
    Beijos do Rio!

    ResponderEliminar
  15. Dito por vc, acredito. Para quem foi umas quinhentas mil vezes a Paris porque adora a cidade, se gostou do Porto vai voltar com certeza. Quem sabe posso acompanhar-te noutro passeio?
    Abraço

    ResponderEliminar
  16. Fez muito bem D. Amélia!!!
    Quando vindes novamente ao Porto? :)
    Beijinhos, boa semana!

    ResponderEliminar
  17. E assim se prova que, no Porto, um qualquer Armindo poderá fazer companhia a uma bela Suggia. :)
    Bela crónica, Ruthia!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!