Diários da China: finalmente Cantão





O meu primeiro contacto com a China foi muito atípico, é comum entrar-se no país através de Pequim. Por isso, tinha grandes expectativas em relação a Cantão ou Guangzhou (广州; Guǎngzhōu), a capital de província. Não dizem que viagens longas e expectativas gigantes andam de mãos dadas?
Por muito bonitos que sejam os templos e as casinhas típicas chinesas, não se conhece o país sem visitar uma grande cidade [Claro que também visitei Hong Kong, mas esta big city é um caso particular, não só por causa do legado dos britânicos, mas também por se tratar de uma zona administrativa especial, para a qual nem preciso de visto].
Cantão é a terceira maior da China continental, a mega-metrópole do sul, com mais de 12 milhões de habitantes, um dos maiores centros industriais, administrativos e financeiros do país, que acolhe uma das maiores feiras do mundo (notícia sobre a Canton Fair aqui).
Daqui irradiou ainda o cantonês, a segunda língua mais falada na China, tão importante que a capital do país é mais conhecida no estrangeiro pelo seu nome cantonês (Pequim) do que pelo seu nome em mandarim (Beijing). 

A entrada no museu de Guangdong é gratuita, mediante a apresentação
de um documento de identificação com fotografia.
O Museu de Guangdong surpreendeu-me pela positiva. São 4 pisos repletos de
bom gosto, com destaque para a história e cultura desta província do sul da China.




A cozinha regional também é uma das mais conhecidas: dim sums, leitão assado, carnes agridoces ou dragão em jade branco (lagosta cozida ao vapor, com abóbora, que infelizmente não provei)... os cantoneses, como de resto todos os chineses, gostam muito de comer. Acontece que em Cantão se come, literalmente, de tudo. Diz o ditado que aqui se "come tudo o que tem pernas, excepto mesas, e tudo o que voa excepto aviões".
Cantão é uma cidade do século XXI que cresce na vertical, com museus de primeiro mundo, arranha-céus e edifícios espelhados, lojas de rua que vendem anúncios em neón como quem vende latas de coca-cola. 
O reverso da medalha? A poluição, que forma uma névoa permanente. Este é um problema de não somenos importância, o país é o maior emissor de dióxido de carbono do mundo, daí tantas pessoas usarem máscaras diariamente.
Fotografias bonitas só depois de uma boa chuvada e com um pouco de photoshop. Ora vejam a magnífica Torre de Cantão que, do alto dos seus 600 metros, foi a mais alta estrutura da China até ser suplantada por uma em Shangai em 2013. Construído por altura dos 16º Jogos Asiáticos, este cartão postal da cidade é muito difícil de fotografar. Não pela sua altura, mas porque a névoa de poluição constante lhe retira muita beleza. O ideal é fotografar à noite.






A cidade tem, no entanto, alguns pontos verdes que merecem uma visita, nomeadamente o Parque Yuexiu com os seus lagos artificiais, onde restam alguns vestígios da velha muralha e fica a famosa estátua das cabras. Esta peça é muito interessante, pois encerra uma lenda genesíaca.

Diz-se que a região era, na Antiguidade, muito pouco fértil. O povo sofria com a fome e tinha que trabalhar duramente para colher o magro fruto da terra. Eis que cinco imortais os visitam, trazendo consigo cinco cabras que, por sua vez, carregavam sementes de arroz nas suas bocas. A bênção das divindades e a nova sementeira de arroz trouxeram prosperidade à região que hoje é Cantão, razão pela qual esta é também conhecida como a "cidade das cinco cabras".
Esta história ficará eternamente guardada na pasta Cantão da minha memória, já para não falar do guia turístico que nos explicou tudo em mandarim, terminando a sua longa arengada com uma canção melosa em inglês, como forma de pedir desculpa pela sua fraca capacidade linguística. 

"Think about me everyday in your life. We don't say goodbye. Now, we are friends", rematou. Desde então, não tenho feito outra coisa senão pensar no Mr. Green...





Site do Museu de Guangdong aqui.





As imagens de Cantão e Foshan (post anterior) já estão na página do Facebook (aqui).

You May Also Like

20 comentários

  1. Gostei da lenda das cinco cabras, mas estou rindo até agora pelo "tudo o que tem pernas e tudo que voa"... kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hahaha, também me ri muito quando me ensinaram esse ditado. Mas é literal. É das poucas províncias onde ainda se come cão (em ocasiões especiais e em locais muito específicos). Idiossincracias...

      Eliminar
  2. Mais uma excelente reportagem que nos deixa a sonhar. Obrigada por partilhar connosco a viagem e as suas descobertas
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Que bela postagem na partilha de mais esta viagem ao mundo encantado da China com sua tradição/evolução e cultura. Interessante esta lenda das cabras.
    Mas a questão gastronomia até arrepio,kkk
    Muito bom Ruthia.
    Um belo fim de semana a você.
    Não falou do pequeno descobridor.
    Carinhoso abraço amiga.
    Beijo de paz.

    ResponderEliminar
  4. Olá Ruthia, agradeço por partilhar a sua visão de um mundo, que por mais que se conte, ainda é envolto em muitos mistérios. Tradições que se mantém, apesar da abertura e das diferenças de castas, existentes entre eles.
    O que mais impressiona é que mantém intactos e preservados seus monumentos históricos, grandes referências culturais, como também a marca da evolução desse país tão antigo.
    Gosto muito do que nos passa, agradeço, desejo um excelente final de semana.
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  5. Incrivel viagem! Ruthia, eu tenho uma ex-vizinha que foi muitas vezes a India, China, Tailandia. Ela adorava, amava a cultura. Sobre "come tudo o que tem pernas" aiiiiii minha cabeça voou com esta frase. rsss...

    Bom passeio.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Ruthia,
    Deduzo que, do muito que viu, muito mais ficou por ver. Talvez, numa próxima, fique mesmo com os olhos em bico. :)
    Com tantas andanças, qual será a sua próxima viagem? :)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso adiantar que o próximo post é sobre... rufam os tambores... MACAU

      Eliminar
  7. Ruthia,
    estou fascinada com tua viagem, com toda riqueza de detalhes que nos brinda.Não pude ler toda a série, mas o farei, com certeza.Descobrir culturas diferentes nos capacita a vermos pluralidades com mais profundidade.

    Belíssima reportagem, como de costume.
    Um abraço fraterno,
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minhaa querida Calu, que felicidade ver que está de volta ao nosso convívio. Muito obrigada pelas amáveis palavras. Somos mais quanto mais aceitamos o "outro", mas para o aceitarmos temos que conhecer primeiro
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Minhaa querida Calu, que felicidade ver que está de volta ao nosso convívio. Muito obrigada pelas amáveis palavras. Somos mais quanto mais aceitamos o "outro", mas para o aceitarmos temos que conhecer primeiro
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Como sempre, é muito bom viajar consigo! :) Acho a cultura oriental muito rica e interessante, por isso gostaria também de visitar um dia! Até lá, tenho as suas crónicas! :)

    um abraço

    ResponderEliminar
  9. como sempre pego carona na tua viagem e fico aqui a imaginar cheiros, sons e sabores.... é tão linda a maneira que descreves tua viagem que me deixas com vontade de embarcar no primeiro avião.... e ai fico feliz em pensar que 2017 está a cada dia mais perto... agora é um ano e alguns meses até voarmos para Lisboa novamente...já penso em uma viagem de 18/20 dias, uma vez que Ali quer ir até Madri.... vamos ver.... bjs desejando excelente final de semana.. aqui, muita chuva e umidade, enchentes com desabrigados... já nos sentimos um pouco como sapos
    bjs

    ResponderEliminar
  10. Amiga, passei só para lhe dizer que a história das botas terminou aqui http://6feira.blogspot.pt/2015/09/a-historia-de-um-par-de-botas-do-estado_20.html
    Ultimo capítulo publicado no dia 20 deste mês. Como o feed do Sexta esteve alguns dias sem fazer actualizações, a amiga não deve ter dado por isso.
    Obrigado pela visita, e continuação de boa estadia por aí.
    Um abraço e bom domingo.

    ResponderEliminar
  11. Publicação muito interessante. Mas não tenho tanta vontade de conhecer a China.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada um deve fazer apenas aquilo que lhe traz felicidade. Bem vindo aO Berço

      Eliminar
  12. Ai, now, we are friends! Olha o homem, até eu fiquei a pensar nele agora e nem o ouvi cantar!
    Obrigada pelas informações, já aprendi informação útil!
    Beijinhos e boa semana!
    (Queres calor e sol? Ora toma, que eu deixo!)

    ResponderEliminar
  13. Linda semana para voces amiga.
    Paz e alegria.
    Bju

    ResponderEliminar
  14. Ouvi de um amigo brasileiro que mora no Japão que não entende porque nós brasileiros nos espantamos com a alimentação oriental. Eles comem mesmo e é a cultura do país, assim como nós temos hábitos esquisitos. Não sei na China, mas no Japão não tem tanto espaço, como no Brasil, em plantar e criar animais para o abate, por isso a necessidade deles comerem coisas exóticas. Eu admiro muito os orientais. As fotos estão lindíssimas e é muito bom conhecer a China através de suas lentes e seus olhos, e, claro, seu texto perfeito.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  15. Belo Catão, com a sua modernidade, gastronomia, lendas, espetáculos, poluição (pena!)...: relato perfeito, de uma deliciosa viagem! Obrigada, pela partilha, Ruthia querida. Beijos!

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!