Milão 3: A casa de Leonardo

by - 17:48




Leonardo Da Vinci, um dos maiores génios do Renascimento e da história viveu em Milão parte da sua vida e aqui deixou uma das suas mais belas obras: il Cenacolo.
Um dos motivos pelos quais escolhi a capital da Lombardia como destino reside no sombrio refeitório da Igreja de Santa Maria della Grazie, na Via Corso Magenta. Os irmãos dominicanos que comiam perante esta obra prima deviam dar graças por isso diariamente.
Com 9 metros de largura e 4 e altura, A Última Ceia ocupa toda uma parede e é tão bela que nem reparei no ambiente frio que a envolve, numa tentativa de a preservar. Até esqueci a corrida louca para chegar a horas da visita. As reservas abrem com três meses de antecedência e são tão concorridas que só consegui vaga para o dia da chegada, pelo que voamos do aeroporto para a cidade, da estação central para o apartamento e, largadas as malas, voltamos a correr para o metro e daí para a igreja, como se tivéssemos asas nos pés
Já não tenho idade para isto, mas a alternativa seria perder o privilégio de ver il Cenacolo. E ele pode não durar para sempre. Porquê? 

Uma perspectiva diferente da Igreja de Santa Maria della Grazie,
a partir do Claustro dos Sapos.


O espírito experimental de Leonardo não teve um resultado muito feliz aqui. A técnica de têmpera (tinta preparada com óleo de linhaça e ovos, aplicada sobre uma camada de gesso) foi desastrosa. Pouco depois, apareciam as primeiras fissuras.
Na época de Napoleão, o refeitório foi usado como estábulo e, na II Guerra Mundial, o edifício foi bombardeado. Embora a parede em causa permanecesse miraculosamente de pé, ficou sob o sol, a chuva, o vento e a poluição até a cidade e os seus monumentos serem reconstruídos. Foi necessário um grande restauro (1979-1999) para preservar aquilo que hoje vemos.
Eis pois a perspetiva perfeita da última ceia, que amplia a sala. Eis o ar resignado de Jesus que contrasta com as emoções de cada um dos apóstolos, que reagem à notícia da traição. A cena é tão viva que parece uma fotografia. Eis o belo João, que causou tanta polémica. A guia afirma que, ao contrário do que o Dan Brown efabulou, este é mesmo o apóstolo mais novo, atribuindo as feições delicadas à sua juventude. "Na época, era habitual retratar os homens jovens e bonitos com traços efeminados".

Leonardo com os seus pequenos ajudantes, durante as férias escolares,
no Castelo Sforzesco.

Os 15 minutos da visita esfumaram-se tão depressa! Mas ainda temos a igreja por descobrir, após um gelado. Construída no colorido tijolo lombardo, a igreja de Santa Maria della Grazie foi modificada e embelezada por Ludovico il Moro, o patrono do génio toscano. De resto, a casa do duque (o Castelo Sforzesco) foi também a cada de Leonardo Da Vinci durante 17 anos. Vamos até lá?
Trata-se de um edifício monumental que acolhe uma série de museus e que se prolonga num vasto parque, onde os duques levavam os seus hóspedes a caçar na Idade Média. Hoje, os milaneses usam-no para correr, fazer piqueniques, namorar e descansar.
Sentada na relva do Parque Sempione, com o belo Arco della Pace ao fundo (mandado construir por Napoleão para a sua entrada triunfal na cidade), imagino o grande Leonardo naquele castelo, ocupado com um dos seus inúmeros projectos. Aqui escreveu muitos dos seus famosos códigos, pintou uma das salas do duque, projectou o sistema de comportas dos canais de Milão... será que foi feliz?





:::::::::::::::::::::::
Última Ceia: reservas aqui 

Bilheteira e visitas: de terça a domingo das 8.15 às 18.45
Preço: 11,5€ (adulto, com visita guiada) e 3,5€ (criança)

Igreja de Santa Maria della Grazie: entrada gratuita
Castelo Sforzesco: entrada museus 5€ (adulto) e 3€ (criança)




You May Also Like

13 comentários

  1. Cara Ruthia

    Eis um passeio que apreciei sobremaneira, não só porque evoca o grande Leonardo e uma das suas maiores obras como pela forma apaixonada como nos descreve essa visita.
    Muito obrigada também pelas dicas quanto aos preços das entradas e horários.

    Bom fim de semana.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Eu tenho conhecido muitos lugares, como esses, por leitura, mas é bem diferente quando esses lugares nos são mostrados com tanto entusiasmo por alguém tão "íntimo" de Leonardo!Uma guia igual você, Ruthia, está pra nascer. Bom, é que depois da correria (você passa a ansiedade) vê-se a dupla dinâmica bem relaxada na relva do Parque Sempione. Valeu, turista! Beijo!

    ResponderEliminar
  3. Pode ser um comentário infeliz, mas acho que os dominicanos que tinham a bem-aventurança de cear diante desse afresco nem davam muita importância para ele (não fazemos a mesma coisa com o céu estrelado a cada noite?). DE qualquer modo, um afresco só é um afresco por causa da técnica usada, ainda que um tanto efêmera. Já imaginou a Última Ceia nas cores berrantes de uma foto digital HDR? rsrsrssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem possível que os dominicanos nem levantassem os olhos do prato.
      A minha comparação à foto é que capta um momento fugaz, em vez dos semblantes estáticos habituais nas obras do género. Já vi tantas versões da Última Ceia, muitas de bradar aos céus :)
      Beijinho

      Eliminar
  4. Mais uma excelente reportagem de um sítio que eu não conheço. Quanto à pergunta sinceramente penso que se ele não fosse feliz tinha ido embora. Afinal o seu talento teria lugar em qualquer parte do mundo.
    E a última foto está linda. Se a felicidade fosse uma fotografia, já aí a tinhamos.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  5. Viajar com você, é estar no local apreciando detalhes que poucos têm sensibilidade para notar. Acredito, sim que Leonardo foi feliz aí, senão não teria passado 17 anos, criando e escrevendo.
    Você está linda, Ruthia, seu pequeno também!
    Agradeço pela partilha, feliz semana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  6. <Boa tarde, trazer Leonardo Da Vinci foi uma boa escolha, toda a informação acompanhada de boas fotos é interessante.
    AG

    ResponderEliminar
  7. meu Deus, que coisa mais linda Ruthia!!! Como sempre, consegues dar o arda poesia e nos cativa na leitura.... amo ler os teus posts e passear contigo, se bem que Milão está nos meus planos.... quem sabe piso em terras milanesas antes mesmo de retornar as portuguesas??? Faço suspense por enquanto! beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás a conspirar uma aventura... Adoro!

      Eliminar
  8. Leonardo me fascina. Admiro muito seu gênio criativo,especialmente, a pintura.Que esplendor deve nos arrebatar diante desta obra, em especial.
    A cada viagem, vc nos surpreende mais, Ruthia.

    Lindos sorrisos.
    Bjos,
    Calu

    ResponderEliminar
  9. Estás a ver? O frio conserva :)
    Gostava muito de ir lá, parece-me uma visita algo emocionante!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, emocionante é a palavra certa. Acho que a correria que precedeu a visita não me permitiu desfrutar como devia! Sempre é uma desculpa para lá voltar um dia.
      Beijinhos

      P.S. Ainda que envelheça mais depressa, prefiro o calor

      Eliminar
  10. Publicação tão maravilhosa quanto envolvente.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!