Lisboa 3: Do Carmo à Baixa

by - 11:10



Vencemos uma das colinas que caracterizam Lisboa, para chegar às mais comoventes ruínas da capital: eis-nos no Largo do Carmo, palco da Revolução dos Cravos.
Temos o mapa 9 do Explorar Lisboa na mão, porque eu queria muito, muito, mas muito conhecer a Igreja e Convento do Carmo. Na verdade, conhecer as ruínas, pois o templo gótico foi devastado pelo terremoto (1755) que ia varrendo a cidade do mapa.
O abalo foi tão grande que foi sentido em Espanha (recordem os estragos causados na catedral de Salamanca aqui), e a ele seguiu-se um maremoto e muitos incêndios porque, em Dia de Todos os Santos, milhares de velas ardiam nas igrejas. Daí nasceu o ditado "cair o Carmo e a Trindade"**, para aludir a uma grande desgraça.



A belíssima igreja nunca chegou a ser reconstruída, pelo que as ruínas permanecem como memória pungente da tragédia. Os gigantes arcos em ogiva conduzem o olhar para as alturas, mas é o céu que serve de tecto às pedras, resultando em fotografias com uma pátina melancólica, mas definitivamente interessantes. 
Entretanto, duas partes da construção foram reaproveitadas. A primeira acolhe um Museu Arqueológico, onde repousa o túmulo do rei D. Fernando I e um espólio arqueológico interessante que inclui duas múmias do Peru (juro! foram as primeiras múmias que o Pedrinho viu, mas não se mostrou nada incomodado. A imagem já está no Instagram). 
A outra parte habitável do edifício foi convertida em quartel. Marcelo Caetano refugiou-se ali dos militares revoltosos durante o 25 de Abril e o capitão Salgueiro Maia dirigiu o cerco, como recorda a placa comemorativa no largo. 



Na porta conta-se a estória de Matheus (feio, magro e tísico) e do seu anafado irmão, que gozaria de uma esplêndida saúde por beber 6 copos de ginjinha por dia!


Descemos para a baixa lisboeta, parando para comprar um chocolate a um vendedor indiano que só falava inglês e para conhecer a emblemática estação de comboios, com os seus painéis de azulejos e a linda fachada manuelina, onde há pouco tempo um doido por selfies espatifou a estátua do rei D. Sebastião (notícia aqui)
O Pedrinho respondeu com prontidão à questão acerca do mito que envolve o monarca desaparecido em Marrocos: "ele vai voltar num dia de nevoeiro".
O mapa levou-nos ainda ao Teatro D. Maria II e à Ginjinha inventada pelo galego Espinheira, ao hospital das bonecas e ao turístico café Nicola. Tenho a dizer que o pequeno explorador soltou deliciosas gargalhadas perante a quadra do Bocage e ainda hoje a recita de cor, a quem o quiser ouvir...
Certo dia, um polícia perguntou ao Bocage quem era, de onde vinha e para onde ia. A célebre resposta:
Eu sou o Bocage
Venho do Nicola
Vou p'ro outro mundo
Se dispara a pistola

::::::::::::


Ainda vão a tempo de participarem no passatempo do Dia da Criança. O Berço e a editora I Play My City vão oferecer um jogo Explorar Lisboa. Saibam como participar na página de Facebook.

Site do Museu Arqueológico do Carmo aqui
Bilhete: 3,5€ (adulto)



** O ditado faz referência a duas igrejas muito próximas uma da outra

You May Also Like

25 comentários

  1. Maravilhosas, as duas fotos B&W. O post também.

    ResponderEliminar
  2. Ruthia, vi a triste notícia do "adorador de selfie" que destruiu a estátua de Dom Sebastião. Que tristeza, não?
    Falando em Dom Sebastião, temos aqui no Brasil uma lenda segundo a qual ele não desaparece. Ele foi, isso sim, morar nas dunas de uma longínqua ilha no Maranhão, chamada Ilha de Lençóis e aparece até nas dunas, durante as noites de lua cheia. Uma rica produção cultural maranhense foi produzida a partir dessa lenda e até hoje os moradores de Lençóis acreditam mesmo nisso (se disser que é lenda, eles ficam bravos! rsrs)! Compartilho com você um CD só com músicas inspiradas nessa estória (ou história? rs)! Eu me emociono toda vez que ouço: https://www.youtube.com/watch?v=nmkT9XsB5Fc

    Beijos,
    Ana Christ
    do blog Nativos do Mundo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que pequena maravilha, Ana. Obrigada por partilhar connosco essa estória. S. Sebastião a mover multidões, tantos séculos depois.

      Eliminar
  3. De Lisboa, eu gosto de tudo. Postagem, como sempre impecável! Ah ! a Ginginha, gosto com elas e sem elas...(até trouxe, pro Ceará). Beijo, Ruthia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto mais do vinho do Porto. Mas naquele dia, a bebida caiu-me que "nem ginjas"

      Eliminar
  4. OI RUTHIA!
    LINDAS TUAS FOTOS, ACHEI DEMAIS O HOSPITAL DAS BONECAS E FUI NO TEU INSTAGRAM
    E FIQUEI IMPRESSIONADA COM A MÚMIA, AINDA BEM QUE O PEDRINHO NÃO SE ABALOU COM A VISÃO, KKK
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Impressionante como a senhora está bem conservada para a idade, não é?
      Abraço

      Eliminar
  5. Beleza de viagem contido e o explorador, que tudo sabe e lembra ... Adorei ver o hospital de bonecas... Lindo post! bjs, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O hospital das bonecas é realmente adorável. Eu também não conhecia. Este jogo fez-me descobrir "segredos" fantásticos.

      Eliminar
  6. ai amiga, mais um lugar para conhecer/visitar em Portugal.... já começo a contar os meses para estar por ai!!! bjs com saudades

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A lista continua a aumentar, Dri. Um mês não vai chegar, haha
      Beijinho, querida

      Eliminar
  7. Olá Ruthia, como é bom andar por esta bela cidade sendo uma autêntica portuguesa! Pois só assim consegue-se ver detalhes que nós, pobres mortais, não vemos, por pura falta de conhecimento! Agora já sei onde ir da próxima vez que for a Lisboa, ADOREI os lugares por onde passou e vou anotar tudo!!!

    Beijinhos!

    Bia <°(((<

    ResponderEliminar
  8. Ruthia,
    Quase duzentos anos antes de 1755 Portugal já havia sofrido um enorme terremoto e mesmo assim, com toda dificuldade da epoca, guardaram para o futuro vestígios de historia. Sobre a estátua do rei D. Sebastião, eu assisti um noticiário que falou a respeito. Tem coisas que são inacreditáveis.

    Vc e sua familia sabem unir a beleza e a historia para ensinar ao filho e aos amigos leitores tambem.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade, Lisboa fica num sítio de risco, por causa das placas tectónicas que ficam por perto. Lisboa sofreu outros sismos (60-63 aC, 1033, 1356, 1755 e 1969, por exemplo) mas o de 1755 foi o mais destruidor.
      E é considerado um dos mais fortes a nível mundial, com magnitude estimada entre 8,75 e 9,5.
      Foi muito triste a notícia sobre a estátua de D. Sebastião. O que se faz por uma foto.
      Abraço

      Eliminar
  9. Ainda voltará D. Sebastião? Estou a imaginá-lo a voltar e a actualizar-se, acedendo à internet num smartphone :)
    Belo passeio! Experimentaste a ginjinha? "Diz" que dá saúde!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Experimentei, sim senhora. Antes do almoço. Foi o suficiente para ficar com a cabeça azoada.
      Beijinho

      Eliminar
  10. Mais um belo passeio, este por um sítio que conheço mais ou menos bem.
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Muito bom estar a ler e aprender mais e mais desta bela terra.
    O que se preserva conta historia minha amiga.
    Bela partilha.
    Meu carinhoso abraço no bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela sua presença sempre tão delicada.
      Bom fim-de-semana, amigo mineiro

      Eliminar
  12. Que belíssimo! Com certeza iria adorar o passeio... então, desfruta-lo!

    abraço.

    ResponderEliminar
  13. Nossa que lugar lindo, adoraria conhecer!
    Bjcas e um ótimo fim de semana!
    www.estou-crescendo.com

    ResponderEliminar
  14. Cara Ruthia
    Mais uma crónica muito bela sobre Lisboa. Obrigado.
    Pesquisei um pouco sobre a Ruthia e fiquei impressionado pela s suas incursões pela escrita.
    A Ruthia escreve divinamente, acredite. Parabéns!
    Abraço do Carlos da Gama

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pela visita e pelo comentário tão simpático.
      Um abraço

      Eliminar
  15. "Bom é esperar por D. Sebastião,
    quer venha, ou não"
    Por ele esperarei sempre em manhãs de bruma, Pedrinho, enquanto houver mundo e poesia, mesmo que loucos destruam monumentos e me deixem com raiva :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse esperar por algo que pode não vir, tem um quê de trágico, Jussara.
      Mas é como a esperança, que tantas vezes não tem razão de ser e persiste...

      Eliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!