De regresso à Grande Citânia dos Avus

by - 02:24





139 a.C. Os tempos têm sido pacíficos no Monte Sagrado. A Grande Citânia do Avus vive próspera, protegida pelas suas quatro muralhas. Mas nem tudo é pacífico nas terras da Ibéria…

O general Quinto Servílio Cipião desespera por entregar a Roma evoluções na Península, enquanto o herói Viriato envia embaixadores para promover alianças entre os povos locais. 

Enquanto isso, a Citânia enfrenta um problema político, quando o poder é, contra todos os costumes, pretendido por uma mulher: Celea, a filha do líder recém falecido. A tensão aumenta com a inusitada chegada de 
Minurus, um guerreiro lusitano.
Como acaba esta história? Viriato foi traído, os brácaros romanizados e o topo do monte sagrado enterrado, sob séculos de terra e história. Até que, há cerca de 130 anos, um visionário - de seu nome Martins Sarmento - comprou o monte e iniciou ali o primeiro grande projeto arqueológico em Portugal.
As escavações duraram nove anos e foram desenterrando ruas, calçadas, os alicerces das habitações, fossos e banhos... uma descoberta tão fantástica que alcançou uma excepcional repercussão internacional.






Hoje, as ruínas não só são visitáveis como recebem, uma vez por ano, uma recriação histórica que pretende dar a conhecer o Museu de Arte Castreja e o sítio arqueológico: Aurora, a história dos brácaros que vos apresentei lá em cima, foi encenada há dias, na 11ª edição da Citânia Viva.

Sob um céu estrelado e uma lua quase cheia, é impossível não regressar a casa de coração cheio, apesar de algumas falhas técnicas no espectáculo. De resto, sinto-me sempre transportada para as páginas de João Aguiar, em particular para A Voz dos Deuses, obra que adoro e à qual regresso sempre com prazer.

No próximo Verão, espero reencontrar este monte sagrado. Recordem a edição de 2015 aqui.




:::::::::
Sítio arqueológico da Citânia de Briteiros aqui
Citânia Viva: entrada livre


You May Also Like

13 comentários

  1. Tento entender por que é que tantas vezes líderes locais que se opunham aos romanos acabaram traídos. Foi assim na Germânia, na Gália, na Britânia; assim também na Península Ibérica. Talvez porque os próprios habitantes locais não acreditassem na possibilidade de uma resistência bem-sucedida e achassem mais seguro entrar em entendimento com os invasores. Quem sabe disputas internas pelo poder...
    Gostei demais desse post, das fotos também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só os irredutíveis gauleses da aldeia do Astérix conseguiram resistir aos romanos...
      Abraço, muito obrigada pela sua presença sempre tão querida

      Eliminar
    2. Os Romanos conheciam muito bem as debilidades humanas, Marta, e eram mestres a explorá-las.

      Eliminar
  2. Acho tão linda a preservação e a divulgação de locais históricos.
    Honras sejam dadas a Martins Sarmento, que iniciou o primeiro grande projeto arqueológico.
    Admiro seu trabalho, Ruthia, suas pesquisas e a generosidade em partilhar conosco a História de nossos antepassados.
    Gratidão, felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  3. Muito bom ler sobre a história com esta sua emoção e pesquisa.
    Refazer os caminhos e aprofundar na história é muito bom mesmo e deve ensejar todos esforços para realizar.
    Grato sempre amiga pela partilha.
    Meu terno abraço de paz e luz.
    Em tempo fiz breves comentários no blog sobre suas curiosidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, vou já lá conferir. Abraço amigo mineiro

      Eliminar
  4. Ruthia, com certeza este local estaremos visitando.... arrepiei só de ler o teu post!! Que maravilha histórica!!!
    Quantoas Olimpíadas a princípio os shows são: já têm presença confirmada na abertura das Olimpíadas são Anitta (cantorinha descoberta há pouco tempo, de estilo duvidoso e apelativo, mas que leva os jovens sem cultura ao delírio, até por que tem o corpo fabricado por plásticas), Caetano Veloso (este sim, dispensa comentários), Elza Soares (foi sucesso nos anos de ouro da MPB, inconfundível com sua voz rouca, canta do samba ao jazz... já está bem idosa, acredito que nem consiga se locomover co facilidade pelo que pude ver... mas é um nome interessante, pois foi casada como Garrincha, grande jogador da futebol nos anos 50, 60, 70, junto com Pelé), Ludmilla (outra funkeira, tal qual Anitta - porém nem tanto plastificada e mais autêntica - também leva jovens sem cultura ao delírio), Gilberto Gil (dispensa comentários) e Wesley Safadão (bom, este até o nome é desprezível... estilo duvidoso, cantor que diz cantar o amor...mas eu não paro para assistir... porém as meninas caem de amores pelo seu cabelo longo - nordestino, creio que tal qual Anitta e Ludmila, deverá ser sucesso passageiro, jamais chegarão aos pés de Caetano Veloso e Gilberto Gil ou outros nomes de peso que a nossa música já teve... os atuais são todos descartáveis) bjs desejando ótima quarta!!! Ah! Hoje aqui no Brasil comemoramos o dia di amigo - então FELIZ DIA DO AMIGO queria amiga!! bjssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei super elucidada, Dri. Só tinha ouvido falar dessa Anitta e achei um pouco estranha a escolha para um evento tão importante.
      Feliz Dia do Amigo, minha querida!
      Beijinho

      Eliminar
  5. Amigo Verdadeiro é muito raro,
    É como ter dois anjos da guarda.
    Um enviado dos céus, e um enviado da vida,
    Ambos criados por Deus!
    Por você ser tão especial
    é que estou aqui , embora atrasada
    para desejar um feliz dia do amigo.
    Sinto no coração....
    Saudades.
    Tristezas.
    Por estar longe de você.
    Tudo fiz para estar aqui
    na sua casa virtual onde sempre
    encontro as portas abertas para
    eu entrar.
    um abraço carinhoso.
    Estou a viajar pelo espaço infinito.
    Semeando Amor.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  6. Que encanto de post e que fotografia tão bonita!!! Dá mesmo vontade de ir lá!
    Beijinhos, bom fim de Julho! Por cá ficou agora nublado, fui eu que pedi chuva...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu tirei o dia de folga e apanhei um dia maravilhoso de praia, talvez por não estar tão quente.
      Beijinho

      Eliminar
  7. Gostei da escrita, reveladora dum envolvimento num cenário do qual se possui muita informação, aspecto básico quando pretendemos mergulhar no passado. Só assim as pedras ganham forma, respirando lendas e estórias, na construção da história. Muito bem, Ruthia!
    (Voltando atrás, creio que a sua visita a Castelo Novo falhou por falta de quem lhe fornecesse informação. E há tanta...!)

    Um beijinho, Ruthia :)

    ResponderEliminar
  8. Como é bom vir em teu blog e ler tuas palavras, Ruthia! É sempre uma leitura deliciosa! E que experiência fabulosa! Portugal é mesmo cheia de histórias escondidas!
    Beijinho,
    Ana Christ

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!