Dizem que são bodas de estanho

by - 17:40


Creio que foi o sorriso, o sorriso foi quem abriu a porta, diria Eugénio de Andrade. Uns anos depois, um outro poema, que também falava de sorrisos, foi impresso num convite de casamento.

A cidade dos meus afectos estava festiva, iluminada, para as festas gualterianas, quando os convidados chegaram, de todos os pontos do país, para festejar connosco um dia muito feliz. Partíamos pouco depois para uma dulcíssima lua-de-mel, na terra dos faraós. E, num piscar de olhos, passaram-se dez anos!

Não eras um viajante, quando nos conhecemos. Fôramos a Sevilha apenas, num verão escaldante, quando os termómetros marcavam temperaturas estratosféricas, os bombeiros suavam as estopinhas para combaterem os incêndios, eu ainda usava mini saia e carregava um livro para onde quer fosse. A bela praça de Espanha estava em obras, mas a Giralda velava a cidade banhada pelo Guadalquivir.

Julgo que algo mudou no Egipto, porque é um país que não deixa ninguém indiferente ou simplesmente porque a felicidade que se nos impregnou na pele, no dia do casamento, ainda fazia a sua magia. "É um privilégio estar aqui", repetiste várias vezes, quando entraste numa pirâmide, quando enfrentaste a máscara de ouro do Tutankhamon, ou quando humedeceste, pequenino, perante o grande templo de Abu Simbel.




Já éramos três, quando abraçamos a grande aventura transatlântica. Foi com um misto de expectativa e ansiedade que chegamos, de armas e bagagens, ao Brasil, onde reaprendemos rotinas e o Pedrinho ganhou um sotaque delicioso. "Mamãe, cadê você?", procurava, enquanto eu reprimia o impulso de o corrigir. Mas o destino tinha outros planos para nós e a nossa vida no estado de S. Paulo acabou por ser um sopro.

Ao longo desta década crescemos, aprendemos um com o outro, e tu definiste-te como viajante. Se eu prefiro destinos históricos, tu és perdido por grandes metrópoles.

Eu vibrei com Roma e as suas belas chiesas, os museus a transbordarem de Michangelos e as piazzas cheias de arte, os anjos de Bernini e o majestoso Moisés. Assim como adorei a China mais tradicional. Já a ti, foi necessário arrastar-te de Londres, do Piccadilly Circus e do chá das cinco, dos concertos de rua e do Covent Garden. Nada que se compare ao que sentiste em Liverpool, apesar de tudo, quem sabe porque te arrastei para demasiados museus na terra dos Beatles.



O trabalho levou-te até outro continente. Uma terra que mal conheces, por excesso de trabalho, pela insegurança que sentes à tua volta mas também porque Angola não mexe com o teu sangue. Acredito que se nunca fôssemos passar o Natal aí, não visitarias o Museu da Escravatura, a ilha do Mussulo ou o Parque do Quiçama. Mas continuas a sonhar com Nova Iorque.

Entretanto criamos um menino maravilhoso, curioso, um pequeno explorador que absorve o mundo que o rodeia. Ainda não sabemos se vai gostar mais de países ultramodernos ou se partirá, de mochila às costas, para a selva amazónica. Por enquanto, quer conhecer tudo.

Destes dez anos maravilhosos apenas descrevo as deambulações, porque os sentimentos expressam-se em privado. Estás pronto para mais uma década?




::::::::

Nota: Ao passarem com o rato por cima das fotos, descobrem um link para a campanha de upgrade de lugares que a TAP está a realizar até ao fim do mês

You May Also Like

24 comentários

  1. 😊 vão ainda haver muitas mais aventuras a três.. fico à espera da história da próxima viagem 😊

    ResponderEliminar
  2. Parabéns Ruthia por estes 10 anos e felicidade igual por muitas mais décadas.
    Das viagens, dizia Agostinho da Silva, "O que interessa na vida não é prever os perigos das viagens; é tê-las feito."
    Beijinho querida.

    ResponderEliminar
  3. 10 anos já? Um dia tão bonito do qual tive o privilégio de fazer parte. Tenho uma afilhada linda!!! E sou uma madrinha tonta que nunca se lembra bem da data 😁
    Muitos mais anos virão, com muitas mais viagens e histórias para contar.
    Um beijo enorme cheio de saudades!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi. Fazemos outra festa quando chegarmos aos 20 ou aos 25 anos. O que achas?
      Beijinhos.

      Eliminar
    2. Com festa concordo sempre. Acho uma óptima ideia 😊

      Eliminar
  4. Olá querida amiga.
    Curioso que só já havia clicado nas imagens kkkk.
    Vai dar certo sim.
    Linda muito linda a trajetória de voces e Deus os abençoe e ilumine nesta longa jornada da vida.
    Viajar é tudo de bom e se assim construímos histórias fica mais lindo ainda.
    Meu terno abraço.
    Bju de paz amiga.
    Bju no pequeno explorador.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns. Rithia!...que venham mais bodas!...adorei a postagem!

    ResponderEliminar
  6. Parabéns e muitos anos de amor e aventuras pelo mundo! Seus textos sempre encantam.
    Também cliquei nas fotos com a esperança de acompanhar mais um relato de aventuras por este mundo afora.
    Beijos e felicidades!

    P.S.: Pedrinho já deve ter perdido o sotaque brasileiro :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cerca de um mês após o nosso regresso a Portugal, já não falava "brasileiro". As crianças são assim, pequenas esponjas. Tão bom "vê-la" por aqui, Juliana
      Beijinho

      Eliminar
  7. 10 anos e um pequeno explorador. Que Deus abençoe vocês, Ruthia, e muito obrigada por nos mostrar lugares maravilhosos com uma peculiaridade que só vc tem, que nos encanta e nos faz viajar.
    Que venham outros 10!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Claríssima. O nosso caminho comum é a procura da felicidade. Sou muito abençoada, mesmo.

      Eliminar
  8. Querida Ruthia!
    Acredito que após uma "cartinha" feita de emoção e razão ao amado por esta década bem vivida, sim, ele estará de braços abertos para mais 10 anos e nós aqui, pela telinha, lendo seus relatos muito bem escritos, muito bem acompanhada, hoje em dia um trio muito querido pelos amigos leitores.

    Bjs e Felicidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ownn, muito obrigada pelo carinho, fadinha. O Miguel vai ficar surpreendido por saber que existe um grupo de amigos leitores que o "adoptou", haha.
      Mil beijos

      Eliminar
  9. me emocionaste com o teu relato destes 10 anos! lindo, poético e com o teu jeito todo especial de escrever, que cativa a leitura de cada palavra com o intuito de absorver não só o significado, mas o que tu relata, de tal maneira, que me faz querer colocar a mochila nas costas e sair...
    Amiga querida, as fotos ainda não abrem (ao menos neste meu computador) para mim.. vou tentar em outros computadores (talvez este meu seja arcaico para tal modernidade).. bjs

    ResponderEliminar
  10. Amor, estou pronto para todos as décadas da minha vida. A primeira passou muito rápido. Tenho saudades das tuas mini sais.

    ResponderEliminar
  11. O tempo corre quando somos felizes. Mas olhando para o nosso pequenito, diria que foi uma década muito bem aproveitada

    ResponderEliminar
  12. Parabéns, Ruthia, Miguel e Pedrinho pela linda família.
    Muito linda sua viagem pelo tempo, que só lhes trouxe felicidade durante esta década, mas que estruturada no amor está bem solidificada, para mais décadas.
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  13. Paulo de Carvalho cantava, a propósito das canções, que "dez anos é muito tempo", mas na aventura da vida é apenas uma partícula.
    Que a aventura se redobre imparavelmente, Ruthia!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  14. Olá, Ruthia

    Uma década de companheirismo e cumplicidade. Muito obrigada por nos permitir fazer parte desses momentos vividos, como viajantes do mundo.

    Votos de muuitas Felicidades e grandes viagens.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  15. Ui, bodas de estanho é 10 anos? Então já fiz e nem sabia!
    Parabéns e continuação do vosso amor sempre feliz :)))
    Beijinhos e bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  16. Parabéns, Ruthia pelos 10 anos de casamento. Quantas coisas bonitas vocês construíram ao longo desses anos. Desejo que sempre seja assim uma vida com muitas viagens,descobertas sempre acompanhadas pelo Pedrinho.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!