Jardins do Conhecimento

by - 08:44




A prova de que os romanos se equivocaram quando confundiram estas águas com o Lethes** é que eu não me esqueço de voltar todos os anos, para conhecer  as propostas do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima, evento já distinguido com um Garden Tourism Award (edições anteriores aqui e aqui).

A 12ª edição inspirou-se no conhecimento, com propostas surpreendentes e exuberantes de várias nações. Da Suíça, chegaram três Pirâmides do Conhecimento, formas arquetípicas inspiradas na caverna de Platão, na racionalidade de Descartes e na edénica árvore da vida.

A equipa inglesa (96 por cento) partiu do questionamento iluminista: Quanto é que sabemos verdadeiramente? "Os cientistas acreditam que tudo o que sabemos sobre nós próprios, o nosso planeta e o universo não passa de 4% do que deve existir. Os outros 96% são desconhecidos!" A cena é definida por um grande ponto de interrogação à entrada do jardim, que se abre para um largo com colunas de ferro enferrujado de onde jorram três fontes, correspondentes aos pilares do conhecimento: Verdade, Crença e Justificação. 

O mais perfumado é, sem dúvida, Mundo Claustrum (Portugal), que evoca os mosteiros medievais, lugares de contemplação, conhecimento e cura, com os seus canteiros de plantas medicinais e as suas boticas. O meu olfacto despertou assim que entrei neste espaço semi-recolhido onde reina a calêndula, a menta, a cidreira, a romãzeira ou o tomilho-limão.


O rio que enfeitiçou os soldados de Décio Júnio Bruto.

© Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima


Na minha modesta opinião, equipas como a de Espanha (Conhecimento Interligado) ou da Áustria (Em direção à luz) não conseguiram fazer brilhar o conceito base dos seus jardins. Mas o único desastre completo chama-se Nucis: trata-se de uma espécie de noz gigante e esponjosa, apresenta-se como uma metáfora para o cérebro, mas não merece o espaço que ocupa...

Felizmente, outros recantos compensam aquele atentado ao paisagismo, nomeadamente Conhecimento Exportado, onde um esqueleto de avião reflete  criticamente sobre a emigração massiva dos jovens, que partem com uma bagagem repleta de conhecimento à procura de um futuro. Conheci os dois estudantes portugueses que conceberam este jardim e tive o prazer de lhes dar os parabéns.

Outra ideia vencedora chegou da República Checa (ADN - Biblioteca do Conhecimento) e apresenta o ADN como uma biblioteca portátil. Com a sua quantidade interminável de variações, basta algo mudar no ADN para tudo ser diferente, assim como um único movimento pode mudar uma partida de xadrez. Daí o tabuleiro gigante, onde o pequeno explorador passou um tempo delicioso com um adversário improvisado.






Termino com a minha proposta preferida - Homenagem às Árvores (Brasil) enquanto metáforas de sabedoria e da organização do conhecimento nas mais diversas áreas da vida humana e natural - e um convite para não perderem o Festival Internacional de Jardins, na vila mais antiga de Portugal. Termina já no final de Outubro.




:::::::::::::::
** Conta a lenda que, certo dia, as legiões da Roma imperial chegaram às margens do rio Lima e estacaram, maravilhadas com a paisagem. Pensaram tratar-se do Lethes, o rio do Esquecimento, do qual se dizia que quem ousasse atravessar, enfeitiçado pela sua beleza, esqueceria a sua pátria, família, até o próprio nome.
Tomadas de pavor, as tropas recusaram-se a avançar. Foi preciso que o comandante supremo, Décio Júnio Bruto, atravessasse  as águas encantadas e, da margem direita, chamasse cada soldado pelo seu nome para os convencer.


Site: aqui
Entrada: 1€ adulto / grátis para crianças até aos 12 anos

You May Also Like

12 comentários

  1. Já projetei várias vezes fazer um jardim com as características de um herbanário medieval - mas ficou só no projeto. Algum dia, quem sabe...
    Belo post. As fotos, como sempre, estão lindas, em especial a do rio e a do xadrez gigante.

    ResponderEliminar
  2. Muito interessante. Lembro-me que o ano passado esteve lá. E que gostei bastante do seu post dessa altura.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  3. Acho que só fui uma vez, não me recordo do tema, mas foi há 3 ou 4 anos. Havia limões caídos no chão...
    Muito bonito, gosto muito de passear por Ponte de Lima!
    Beijinhos ainda de manga curta, mas já com frio :)

    ResponderEliminar
  4. Muito interessante esta postagem, adoro jardins e ainda não fui ao festival de jardins.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
  5. a lisonja veio e ficou a me deixar com sorriso nos lábios!! Obrigada por elogiares de tal maneira o Brasil (que anda cambisbaixo com todos os ocorridos políticos vergonhosos)... Ah! como gostaria de passar um dia inteiro a explorar tal lugar.. deve ser lindo.. e fiquei a imaginar o festival de aromas do espaço de Portugal (a maneira que escrevestes atiçou o meu sentido olfativo).
    Quem sabe um dia??
    com relação ao horário de verão, Ruthia querida, sabes que este foi o primeiro ano que 'me passei' no horário? Normalmente não sinto a diferença, mas ontem e hoje dormi um pouco mais pela manhã (será a idade batendo à porta???)
    Espero que seja preguiça mesmo (até porque chove bastante por aqui então a cama nos segura pela manhã)
    bjs desejando excelente semana!

    ResponderEliminar
  6. A iniciativa é excelente e fora do comum. Nunca lá fui, mas este ano talvez consiga ir.
    A propósito do Lethes e do rio do esquecimento, esta lenda existe em muitos rios da Europa. Mas na Pousada de Santa Luzia (em Viana do Castelo) existe uma enorme tapeçaria onde é contada a lenda.
    Ruthia, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela dica, amigo Jaime. Acho Viana uma cidade linda, mas já não vou lá há mais de uma década. Tenho que remediar isso.
      Abraço

      Eliminar
  7. Boa tarde, Ruthia, és mesmo uma linda caminhante, sempre a descobrir e a nos oferecer belas sugestões para alargarmos nossos conhecimentos.
    Portugal é mesmo o país dos aromas deliciosos em sua culinária, aprendi que na arte da cura também, maravilhoso...
    No Brasil, a exploração e a ignorância humana, estão destruindo nossas matas, grande potencial e conhecimento que se esvai, poucos conseguem preservar essa riqueza!
    Gratidão pela partilha, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  8. Vim agradecer a sua visita ao meu cantinho e fiquei encantada com o seu blogue, meus sinceros Parabéns.
    Irei começar a divagar por aqui.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seja muito bem vinda, Maria. Espero que se sinta em casa, neste berço.
      Abraço

      Eliminar
  9. Percebe-se, perfeitamente, algum empolgamento na crónica, sinal de que a Ruthia se sente muito bem nestes Jardins. Gosto disso.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!