Cíes: as ilhas dos deuses

A gaivota-de-pata-amarela reina sobre estas ilhas que encantaram Júlio César e foram atacadas pelo pirata Francis Drake. Mas foi o prestigiado The Guardian que revolucionou a vida das Cíes, desde que marcou uma das suas praias com o carimbo de “paraíso” 


© Mar de Ons


Uma misteriosa bruma envolve as ilhas Cíes, no Parque Nacional Ilhas Atlânticas (Galiza), desvendando-as apenas a alguns metros da praia. Chegamos a um santuário natural protegido, zona especial de protecção de aves e território da Rede Natura, lar de extraordinárias aves marinhas, nomeadamente a maior população mundial de gaivotas-de-pata-amarela, para além de corvos-marinhos e airos, essas aves singulares que parecem pinguins.

O ferry despeja dezenas de visitantes no cais. A maioria, como nós, veio apenas passar o dia. Mas o sol não nos abençoou nesta escolha. Um nevoeiro palpável emoldura a Praia de Rodas, ainda deserta a esta hora matutina, a tal que o jornal britânico premiou como “melhor do mundo” em 2007 (notícia aqui).

Com 1,3 km, esta é a maior praia do arquipélago. A areia fina, branca e imaculada, e as águas cristalinas fazem-nos entender os argumentos do The Guardian, que a colocou à frente de outras das Caraíbas, apesar da temperatura da água não ser comparável. Seguimos a língua de areia que liga duas ilhas, Monteagudo e Farol, e que alguém descreveu como “um rasgo de branco brilhante numa imensidão de azul”.

Não sendo possível fazer praia, optamos pela segunda melhor opção: caminhadas. Existem quatro trilhos sinalizados, dois para cada lado do posto de informação, com algumas variantes.

Escolhemos o trilho verde, em direcção ao Farol da Porta (5,2 km), porque nos pareceu inútil escalar até ao topo do Monte Farol (trilho amarelo com 7,4 km) num dia de nevoeiro, apesar de termos feito parte do percurso para conhecer a Pedra de Campá, que parece ter sido esculpida por um artista mas que, na verdade, é obra do vento.


A praia de Rodas, famosa desde que o diário The Guardian lhe dedicou alguma atenção.




Ultrapassado o parque de campismo e o centro de interpretação, apenas o silêncio e o grito das gaivotas acompanham os nossos passos. As aves ocupam as falésias inacessíveis, presenteando-nos com voos rasantes, como que a avisar que adentramos no seu território.

Entre as árvores vislumbramos uma pequena enseada, a praia de Nossa Senhora, com água ora azul ora verde, onde baloiçam docemente pequenos veleiros e iates privados. As dunas estão belamente enfeitadas com camarinas de pequenos frutos brancos e a erva de namorar (armeria pungens), ingrediente que no imaginário galaico servia para curar males de amor e, por isso, era usada em poções mágicas.

O ambiente é tranquilo, a ondulação leve, o tempo espraia-se. Este é um recanto digno de um livro. Pelo menos até novos barcos chegarem com mais turistas… 

Depois de um almoço disputado com as gaivotas atrevidas tomamos o caminho oposto, para norte, paralelo à praia das Figueiras: trilhos vermelho e azul. No extremo do areal da praia dos alemães, como é mais conhecida, existe um pequeno trilho semi-escondido, que dá acesso à pequena enseada das Margaridas. Nesta praia há tudo menos roupa (é naturista) e confusão.


Perder a fé na humanidade
Normalmente sou uma people person, sabem!? Sim, acredito na humanidade. Mas numa ilha apinhada de turistas barulhentos é fácil perder a fé. Nas Cíes, senti-me tentada a distribuir meia dúzia de bofetadas! 

As limitações a este paraíso, que se quer semi-selvagem, começam pela temporada de visitas, que se restringe aos meses de Verão, e pelo número de visitantes diários (2.200 pessoas). Os avisos começam logo no barco. A fauna não deve ser incomodada e, por isso, nada de animais de companhia, exceto cães-guia. Por favor, não alimentem os animais! 

Não há caixotes do lixo, a não ser nos restaurantes e no parque de campismo. Guardem o vosso lixo na mochila! É proibido apanhar conchas, arrancar flores ou vegetação, assim como é proibido fazer fogo. Bicicletas e carros estão proibidíssimos. Caminhem ou corram!







Eu sei que é complicado manter as regras, com centenas de pessoas, restaurantes a rebentarem pelas costuras, filas para tudo... Mas, bolas, estamos num ecossistema protegido.

Começo por ver um garoto a lançar batatas fritas aos peixes, perante o ar impávido e sereno dos pais, que não o repreendem. Ei! - lançamos nós, apontando para o aviso debaixo dos seus narizes. Pouco depois, turistas fazem fila para treparem à Pedra de Campá em busca da foto perfeita, ignorando a proibição em espanhol, galego e inglês. Para além de perigoso, podem danificar a linda formação geológica!

Já quase no regresso, na fila para o ferry, um senhor termina de fumar o seu cigarro e lança a beata para o chão. Não é preciso ser um génio para perceber que as beatas são tóxicas (aqui), mas fazê-lo num parque natural, com avisos por todo o lado, raia o cúmulo da estupidez! Desculpem, mas voltei indignada.

As Cíes continuam a ser as ilhas dos deuses, como os romanos as baptizarem, nós mortais é que não as sabemos respeitar.







Quando ir
As visitas às ilhas Cíes são permitidas entre Junho e Setembro, nos fins-de-semana de Maio, nos dois primeiros fins-de-semana de Outubro e na Semana Santa.

Como chegar
A única maneira de chegar às Cíes é por mar. O ferry que faz a ligação parte de Vigo (de onde partimos, porque há mais opções de horário), Baiona ou Cangas. São cerca de 45 minutos de viagem mas, uma vez que as  visitas estão limitadas, é melhor reservar os lugares com antecedência. À terceira ilha, San Martiñ, pode-se chegar apenas de barco privado (obrigatório solicitar uma autorização de ancoragem).

Ferry boat: Mar de Ons aqui | Piratas de Nabia aqui | (Bilhete ida e volta 18,50€, em época alta, Verão 2017).

Onde comer
Existem apenas três restaurantes na ilha, ou seja, a oferta é pouca e cara.
O maior restaurante fica logo no cais e, tal como o restaurante do parque de campismo, funciona em regime self-service. Pelo que li, o polvo é uma escolha segura. Depois existe o restaurante Serafin, ligeiramente mais caro, com serviço à mesa e uma esplanada mais tranquila. Nós optamos por fazer um piquenique (para quem não quer carregar comida, pode usar o supermercado do parque de campismo.

Onde dormir
O único local disponível é o parque de campismo, em tenda do parque (com camas) ou tenda própria, mas sempre com reserva prévia. Parque de campismo: aqui

Dica: o segredo para desfrutar das ilhas é mesmo evitar a praia mais famosa. Um ou dois quilómetros de caminhada desde a praia de Rodas bastam para encontrar paisagens azul-turquesa dignas de um postal.

You May Also Like

43 comentários

  1. Estou mais uma vez maravilhada com tal brinde trazido por você, Ruthia. Confesso minha ignorância absoluta sobre esse mágico paraíso atlântico.Geografia e história se entrelaçam apaixonadamente. Praias desenhadas à mão, ecossistema precioso...sei bem como se sentiu diante do desrespeito de alguns turistas. É de tirar-nos do sério.Aqui não é diferente. Infelizmente!

    Amei mais este passeio incomparável.

    Boa semana. Bjo no pequeno explorador.
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As islas Cíes eram uma belas desconhecidas até a tal reportagem do The Guardian, Calu. E, imagine, ficam a menos de 2 horas de carro desde o Porto. Espero que a pressão turística não arruine aquele lugar maravilhoso

      Eliminar
  2. Devo confessas minha ignorância: não conhecia nada sobre essa ilha, nem de nome. Adorei ver as fotos todas e aprender com vocês! beijos, tudo de bom,lindo domingo,chica

    ResponderEliminar
  3. E eu achava que tanto descaso com regras de preservação ambiental era coisa quase exclusiva de certos paraísos tropicais no Hemisfério Sul...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não Marta. Há gente sem noção em todos os quadrantes e hemisférios.

      Eliminar
  4. Li quase num fôlego, e só de ler fiquei extasiada!
    Pela tua descrição essas ilhas devem ser uma maravilha.
    Dos deuses... sim, até que o Homem lá ponha o pé.
    Eu fico doente quando assisto a coisas do género que relatas, pessoas que não respeitam nada, por mais que sejam os avisos para não danificarem esses locais privilegiados.
    Por isso o Planeta está neste lindo estado!!!
    Mas fiquei com uma vontade enorme de lá ir. Preciso convencer os meus "companheiros" habituais... :)))
    Adorei esta postagem.

    Votos de um Domingo feliz
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por este ano, a temporada de visitas terminou Mariazita. Tem que esperar pela semana santa e depois pelo mês de Maio.
      Beijinho

      Eliminar
  5. concordo contigo em ficar brava com a falta de civilidade das pessoas, que andam a cada dia mais egoístas, sempre com o seu eu em primeiro lugar. Ora, até fumar deveria ser proibido no local, pois a fumaça é venenosa (vivas para mim, que já estou há quase 3 anos sem colocar aquela porcaria na boca e me poluir).
    Ando sem estímulo para blogar, são tão poucas as visitas... e ficar pedindo pelo amor de Deus, em grupos de Facebook, para ter comentários, considero pior ainda... São poucos (sei que fieis como tu) os meus leitores, ando realmente sem estímulo, e também sim, novo projeto, denominado Sistema de Consumo Inteligente - uma cooperativa aqui no Brasil, para a qual tb trabalho (além do jornal) cujo objetivo é alimentar o povo brasileiro a custo zero e ainda prover renda (este mês recebo o meu primeiro kit a custo zero e estou a poucos passos de obter a renda mensal)... tudo para ter maior segurança financeira e poder, sim, voltar a viajar pelo mundo, sendo min ha primeira parada em Portugal, com certeza! bjs cheios de saudades

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parabéns por teres deixado de fumar. Fico a torcer para que tudo dê certo e venhas a Portugal em breve, querida Dri. Beijinho

      Eliminar
  6. Também sou o tipo de pessoa que acredito na humanidade, mas concordo que tem muitas pessoas sem noção. Uma pena né? Um lugar tão lindo e protegido, as pessoas esquecem qualquer regra para a foto perfeita, para ver o peixinho alimentado, etc. Mas parabéns pelo post, você escreve muito bem sabia? Parece que estou lendo um livro, cheio de emoções e detalhes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obriga pelo seu amável comentário Angela. Seja bem vinda aO Berço, espero que se sinta em casa

      Eliminar
  7. Poxa, lançar batatas fritas aos peixes foi demais! :( que tipo de adulto essa criança será se os pais não o repreendem... Vejo muito isso no Brasil também, depois não temos o que reclamar que paraísos foram fechados à visitação.
    parabens pelo post e pela indignação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Rebeca. Se os pais não aproveitam a oportunidade para dar uma lição de civismo e respeito pela natureza, o que podemos esperar das crianças? Triste

      Eliminar
  8. Este lugar me parece maravilhoso após ler o teu relato. Pena estes visitantes não obedecerem às regras que nem deviam estar escritar, né? Ótimo post.

    ResponderEliminar
  9. Que lugar lindíssimo!!Adoraria acampar por e esperar o nascer do sol... Torço para que as pessoas se conscientizem sobre a necessidade da preservação porque um paraíso desses tem que permanecer conservado! Post inspirador! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um nascer ou pôr-do-sol dali deve ser qualquer coisa de mágico. Quem sabe um dia fico por lá para isso? Até porque organizam observação das estrelas na ilha, já que não tem poluição luminosa

      Eliminar
  10. Parabéns pelo post, foi um prazer lê-lo!
    Tenho tido cada vez menos tolerância em lugares apinhados de turistas e o turismo só cresce, está ficando difícil ter algumas horas de paz... Também surto com a falta de consciência das pessoas, inacreditável, né?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um misto de tristeza e indignação, na verdade. Às vezes apetece-me não divulgar um destino para o tentar preservar... já sentiu isso?

      Eliminar
  11. Que lugar lindo! Vou ser sincero, nunca tinha ouvido falar. Pena que algumas pessoas por aí ainda não tenham aprendido a respeitar e preservar a natureza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é um lugar muito conhecido, pelo que é normal desconhecer. Aliás, cada país pode ter várias pequenas ilhas. Com certeza desconheço a maioria das ilhotas que pontuam a costa do Brasil. Abraço

      Eliminar
  12. Maravilhoso lugar!
    Agora só para o ano será possível!
    Uma excelente dica!
    Grato pela partilha!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A partir de Maio, ou na Semana Santa. Mas acho que o melhor é esperar por uns dias mais quentinhos...

      Eliminar
  13. Esse realmente é um lugar que eu gostaria de conhecer. Adoro praias e essas parecem encantadoras, obrigada por compartilhar. Dica anotada

    ResponderEliminar
  14. Moro na Espanha em Barcelona é nunca tinha ouvido falar nessa ilha linda, que Ilha diferente das outras Ilhas Espanholas, como tem lugar no mundo para conhecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito diferente das restantes ilhas espanholas, podemos dizer. Felizmente, caso contrário já não seria uma ilha dos deuses por esta altura.
      Abraço

      Eliminar
  15. adorei a frase "Nas Cíes, senti-me tentada a distribuir meia dúzia de bofetadas! " aheuaheu imaginei que seriam os turistas imprudentes que não tem noção de preservação...uma pena q não há fiscais ou multas

    ResponderEliminar
  16. É realmente cada vez mais complicado fazer um turismo sustentável com essas pessoas que, ou não respeitam, ou não tem conhecimento mesmo sobre boas práticas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acredito nesse argumento de falta de conhecimento, Ana. Nos dias de hoje, ninguém tem falta de informação. Há excesso de informação. Quem tem este comportamento, simplesmente não quer saber. É falta de educação e bom senso mesmo

      Eliminar
  17. Oi Ruthia, você escreve muito bem, é gostoso ler os seus relatos. Como comentou a Angela Castanhel mais acima "Parece que estou lendo um livro, cheio de emoções e detalhes." É verdade! Vc é escritora? Abraços, Dilma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Dilma, não sou escritora, o único livro que publiquei é técnico (link na lateral) sobre o programa comunitários das Capitais Europeias da Cultura. Mas tenho formação em jornalismo...
      Abraço

      Eliminar
  18. Adorando a série sobre Cíes, Ruthia! Cada paisagem, com a natureza mostrando todo seu esplendor! A praia de Rodas é linda, a areia tem aquele desenho de manual... rsrs... Parabéns pelo relato!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma ilha dos deuses mesmo, mas a água tem um grande defeito... é muito fresquinha!

      Eliminar
  19. Já estive muito perto das ilhas Cies, numa road trip que fiz desde Caminha, Nigran, Baiona (onde acampei) e Vigo. Na altura consegui olhar para elas de frente, através de um miradouro. É uma falha muito grande da minha parte ainda não ter feito essa viagem, até porque de Braga até lá são relativamente poucos km. Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, é um pulinho. Mas ainda lá estarão em Maio do ano que vem.

      Eliminar
  20. Você sempre posta uns lugares que eu não conhecia! Essa ilhas é uma delas. Adorei o post e fiquei com vontade de conhecer as ilhas.

    ResponderEliminar
  21. Um dia, já lá vão uns anitos, estive quase, quase, a apanhar o barco para lá, mas a opção foi outra. A vida é mesmo assim: quando se opta, ganham-se umas coisas e perdem-se outras.
    Obrigado pela viagem, Ruthia.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, AC. Cada escolha traz consequências, às vezes inesperadas. E destinos também

      Eliminar
  22. É muito bom saber que existem paraísos como esse que estão preservados. Pena que nem todos respeitam. Você está certa quando perde a paciência, os turistas às vezes são mesmo inconvenientes, mas fazer o quê né?!

    ResponderEliminar
  23. Olá, um tempo atrás li sobre as islas Cíe e fieui encantado, as belas imagens partilhadas das mesmas, são imperdíveis de visitar a bela natureza, é um encanto.
    Feliz semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não ficam longe, AG. E são realmente maravilhosas, mas a água é fria, para quem está habituado às temperaturas do Algarve como o meu amigo.
      Abraço

      Eliminar
  24. Mais uma vez, encanada por conhecer esta ilha, que nunca ouvi falar. Magnífica!

    ResponderEliminar
  25. Estas são mesmo, literalmente, as ilhas dos deuses... Não podia estar mais de acordo... Fui aí por duas vezes, em ocasiões diferentes, e vim completamente apaixonada. Pena é que tenha demasiada procura turística... Adorei as fotos :)

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!