O Outono vem tarde



Tinha toda a intenção de dar as boas vindas ao Outono com a tradicional visita ao Festival Internacional de Jardins que, há já 12 anos, embeleza a margem direita do rio na vila mais antiga do país - Ponte de Lima.

O tema de 2017, Jardim das Descobertas, inspirou 11 novos jardins temporários, idealizados por equipas de oito países e três continentes. São 2,5 hectares inspirados na descoberta que vai desde a alusão mais óbvia, ligada à aventura marítima que “deu novos mundos ao mundo” (Novaterra, Descobrindo um Novo Mundo, Espanha), mas tomando também outras inspirações, de descoberta científica (Portugal), de descoberta dos sentidos (Brasil), entre outras propostas.

Jardins da 13ª edição do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima:
· A Globalização das Plantas - Portugal
· A Viagem das Descobertas (Portugal)
· Um Jardim para Descobrir (Espanha)
· Novaterra (Espanha)
· El Secreto (Espanha / Argentina)
· Inventionem Arcus –The Discovery of the Rainbow (Alemanha)
· A Descoberta dos Sentidos (Brasil)
· Jardim dos Sete Continentes (Áustria)
· Descobre a Descoberta – (Itália)
· Intersezione Ponte de Lima (Holanda)
· El Jardin del Circulo (Japão)


A estes 11 espaços junta-se 96 Por Cento, o jardim mais votado pelos visitantes na edição do ano passado, idealizado por uma equipa inglesa, que destaquei na altura porque me intrigou imenso (aqui).

Distinguido com alguns prémios internacionais, como o Europe for Festivals, Festivals for Europe (2017-2018), ou o prémio Garden Tourism Awards (2013), o evento merece uma visita até o final do mês.

Mas um susto, no regresso a casa, ditou que o belíssimo festival de Ponte de Lima se tornasse uma nota de rodapé num fim-de-semana trágico em Portugal. 

Estive retida cerca de uma hora e meia dentro do carro por causa de um incêndio que cortou a auto-estrada. Ao telefone, a polícia de Braga confessou-me que não tinha meios para nos valer, pelo menos no imediato… Não se via um único bombeiro. Este foi um dos muitos fogos que, soube mais tarde, já na segurança do meu sofá, assolou o país no dia 15 de outubro (notícia aqui). 

Mais de 300 fogos florestais transformaram aquele domingo no pior dia do ano em matéria de incêndios, resultando em 44 mortos, dezenas de famílias desalojadas, casas e fábricas destruídas, milhares de cabeças de gado famintas e a cabeça da Ministra da Administração Interna, que se demitiu na sequência da incompetência revelada pela protecção civil, apenas uns meses após o país ser notícia em toda a Europa por razões idênticas (aqui).

Portanto hoje, a contrastar com a colorida foto acima, deixo uma imagem que se tornou viral, onde um gigante e negro Adamastor parece pronto a engolir o pinhal de Leiria (sim, esse, mandado plantar pelo rei no século XIII), tirada por um bombeiro. 

Possa este país reerguer-se das cinzas.


A imagem foi captada por Hélio Madeira, bombeiro da unidade especial dos Canarinhos, em Vieira de Leiria.







Festival de Jardins aqui | Até 31 outubro, diariamente 10h-18h, excepto segunda-feira (encerra de manhã) | Bilhete: 1€ adulto

You May Also Like

34 comentários

  1. Foi uma tragédia o que aconteceu com os incêndios.
    Nunca fui ao Festival de Jardins em Ponte de Lima a ver se no próximo ano vou lá.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Visite o festival e a amorosa vila de Ponte de Lima. Verá que não se arrepende

      Eliminar
  2. Desconhecia por completa a existência desse Festival Internacional de Jardins.
    Deve ser uma beleza!
    Eu, que adoro flores, plantas, jardins... enfim, a Natureza, imagino que adoraria lá estar.

    O outro assunto, o dos fogos, é por demais triste e lamentável.
    Tantas vidas perdidas, para além dos enormes prejuízos materiais!
    Será que agora se vão tomar medidas a sério, de modo a que, nos próximos anos, não venhamos a sofrer estes horrores?
    Imagino o susto que apanhaste naquela situação - retida numa estrada sem ter apoio algum, na incerteza do que viria a acontecer...
    Que melhores dias venham, e este calor que vivemos e se espera que perdure ainda alguns dias, não nos traga mais desgostos.

    Votos de uma boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Mariazita. Fiquei tão contente com a chuva da semana passada. E eis que novamente as temperaturas sobem ao nível do Verão. Vamos torcer para que não nos esperem mais dias negros como o 15 de outubro

      Eliminar
  3. Este tipo de tragédia não é duvidoso privilégio de Portugal. Além das chamas que devastaram a Califórnia, digo que o Brasil Central vive também um momento difícil: a informação de ontem à noite era de que pelo menos 15% do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros se convertera já em cinzas. Bombeiros da área, com auxílio dos que chegam de alguma distância, estão trabalhando dia e noite para conter o fogo, enfrentando o agravante dos vários meses sem chuva, que tornam a vegetação ainda mais seca. Acho que nosso planeta está quase em ponto de fusão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É difícil não ver estas tragédias como resultado directo das mudanças climáticas, Marta. O nosso planeta está a mostrar que tem limites para o que aguenta. Que os céus nos valham.

      Eliminar
  4. triste a tragédia incendiária que se abateu em terras lusas, pela segunda vez neste ano! O fogo é cruel, mata e fere, e apaga a história para criar sua própria história infeliz e desgracenta...Espero que se recuperem, que não aconteça novamente e oro pelas famílias que foram atingidas, perdendo seus entes e bens.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ruthia, aqui tb... eu não tenho e não me apetece uma máquina dessas, prefiro mil vezes o café coado em coador (até de tecido) ou prensado a la francesa, do que o das máquinas (o sabor não me parece ser o mesmo do tradicional café, que bebo há mais de 50 anos)... Mas aqui no Brasil é 90% (acredito eu) da população que bebe café, já tem uma máquina de cápsula... (arg)... Agora me diz, tem coisa melhor que o aroma a se espalhar pela casa/cozinha ? ainda mais nos dias frios?? bjs!!

      Eliminar
  5. Não conheci nada de Festival Internacional de Jardins, no outono os parques ficam com outra charme. Uma tristeza mesmo o que aconteceu em Portugal e outras países com esses incêndios, ainda mas que alguns de incêndios foram provocados pelo homem.

    ResponderEliminar
  6. Esse festival debe ser a coisa mais linda! Uma tristeza essas tragédias que aconteceram em Portugal. Um pena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que percebi, o Brasil também está com uma situação preocupante com incêndios na Chapada dos Veadeiros. É assim?

      Eliminar
  7. Amo o Outono, minha estação favorita do ano. Não conhecia esse festival. Uma pena todas tragédias que tem acontecido no mundo, né? Aqui a Chapada dos Veadeiros também está sofrendo.

    ResponderEliminar
  8. OI RUTHIA!
    ESTE FESTIVAL DEVE SER MARAVILHOSO POIS AONDE HÁ FLORES SÓ PODE REINAR BELEZA.
    QUANTO AO INCÊNDIO EM PORTUGAL, ENTRISTECEU O MUNDO TODO, UMA TRAGÉDIA.
    SIM, POR AQUI TAMBÉM UM GRANDE INCÊNDIO, EU SOU DO SUL, MAS, ACOMPANHAMOS PELA TV TODA ESTA TRISTEZA
    ABRÇS AMIGA
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A dimensão do Brasil colocam os eventos noutra perspectiva. Agora imagina Portugal, tão pequenino que é, perder milhares e milhares de hectares de floresta todos os anos. Não há esforço de reflorestação que resulte

      Eliminar
  9. Nossa que bacana a dica do Festival, não conhecia! Essa tragédia em Portugal e no nosso cerrado são uma grande tristeza! Vamos rezar para que isso passe logo...

    ResponderEliminar
  10. Uma tragédia a não esquecer. Para que se não repita.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. Puxa, estive em Portugal ano passado mais ou menos nessa época. Se soubesse do Festival Internacional de Jardins em Nova Lima com certeza teria ido. Fica pra uma próxima.

    Sobre a tragédia, muito triste mesmo... =(

    ResponderEliminar
  12. nossa q tristeza! varios fogos estao destruindo as matas ao redor do mundo...espero q as familias, flora e fauna se recuperem..

    ResponderEliminar
  13. Maravilhoso, Ruthia! Adorei saber mais sobre o Festival Internacional de Jardins em Nova Lima. Estou cada dia mais tentada a conhecer seu lindo país! Infelizmente estamos vivendo em um tempo que a natureza devolve o que fizemos/fazemos com ela, né?! Ótimo artigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo, Alessandra. A humanidade atenta contra os limites do planeta há décadas ou séculos. A retribuição não vai ser bonita de se ver

      Eliminar
  14. Não sabia desse festival. Que legal! Eu sou apaixonada por flores, jardins, tudo.. Sobre o incêndio em Portugal, foi uma tragédia que comoveu a todos.

    ResponderEliminar
  15. Os incêndios florestais são fenômenos impressionantes e extremamente perigosos. Infelizmente as mudanças climáticas tem exacerbado a frequências e intensidade dos mesmos. Muito interessante a proposta desse festival de jardinagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As mudanças climáticas e a má gestão do território. Tem-se apostado num tipo de floresta muito inflamável o que, aliado à falta de limpeza das matas, aumenta muito o grau de perigosidade de um incêndio

      Eliminar
  16. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  17. Vale mesmo a pena ir a Ponte de Lima. Pelos jardins e não só.
    Os incêndios têm sido uma tragédia nacional e são o resultado de um antigo desordenamento do território (florestas, habitações, etc., etc.), de hábitos ilegais sem controlo (queimadas) e de mão criminosa. E com 500 incêndios num só dia não há esquema de combate que funcione em qualquer parte do mundo.
    Bom fim de semana, amiga Ruthia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi realmente demasiadas frentes para as equipas de combate aos incêndios. Esperemos que as novas medidas anunciadas surtam efeito a curto prazo

      Eliminar
  18. Poxa, muito triste. Essa última imagem é pesada, né? Triste. Por aquim na Chapada, também estamos sofrendo. Fui para Chapada ano passado e sem dúvidas foi o lugar com a melhor energia que já visitei na vida. Tomara que consigamos recuperar :(
    Beijos, Tati Sisti

    ResponderEliminar
  19. Aí que tristeza! Momento muito difícil realmente! Um grande dando ambiental :( Aqui no Brasil também estamos passando por uma situação horrível como esta, mas aqui o que nos deia mais tristes é que foi um incêndio criminal causado por fazendeiros da região em protesto a um parque (Chapada dos Veadeiros)... Muito triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que triste. Por aqui, pensasse que muitos tenham mão criminosa. Que prazer pode haver em causar tanto estrago e tanto sofrimento ao próximo?

      Eliminar
  20. Que triste. Ficamos muito chateados daqui ouvindo as notícias deste incêndio, muito mesmo. Muitas perdas, muito susto e o meio ambiente sendo degradado. E o pior é que vem sendo recorrente por aí, pelos EUA, no Brasil. Uma pena.

    ResponderEliminar
  21. Uma pessoa até se arrepia ao olhar para essa imagem! Inacreditável, muito triste e os responsáveis (incendiários ou seus mandantes) continuam provavelmente à solta!
    Beijinhos, feliz Outono!

    ResponderEliminar
  22. Pois é Ruthia, que triste a situação por aí como aqui também pelas terras de Minas e Centro Oeste com estes incêndios e que ainda suspeitam sejam criminosos.Em Minas serras famosas com nascentes impostantes sofrem com estes incêndios.
    O Outono com fogo de verão muito triste saber.
    Um abração amiga.

    ResponderEliminar
  23. Oi Ruthia,
    Fazia tempo que não comento por aqui, e peço perdão pela ausência na sua caixinha de comentários. Mas tenha certeza que continuo lendo e apreciando seus belos textos.
    Lamento tanto ler esse relato, que coincide em tristeza com o incêndio de um dos lugares que mais me encanta no Brasil central, na Chapada dos Veadeiros - sob a suspeita de incêndio criminoso.
    Ainda me preocupa muito como estamos lidando com os recursos do mundo - o tanto que tiramos e o pouco que devolvemos. Espero que Portugal se recupere, assim como as outras regiões que sofreram deste mal mundo afora.
    Por outro lado, não conhecia o Festival Internacional de Jardins, e mais uma vez Portugal instiga minhas vontades de conhece-lo de imediato, por suas belezas e seu povo :)
    Beijos, prometo comentar mais por aqui de agora em diante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acompanhei nas notícias os dias aflitivos na Chapada dos Veadeiros. Custa muito mais quando sabemos que pode ter sido proposital e não acidental. Agora imagine o que sentimos todos os santos verões, pois os incêndios voltam sempre em força. Um desânimo que não se consegue colocar em palavras...
      Beijinho querida Klécia. É uma alegria "vê-la" por aqui

      Eliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!