Pontevedra dá de beber a quem passa

A Virgem Peregrina, na sua curiosa igreja em forma de concha, espelha a tradição de hospitalidade da cidade, eternizada naquele ditado galego. Continuamos a explorar os tesouros do caminho português de Santiago




As ruas ainda fervilham dois dias após a Festa da Peregrina, a romaria em honra da padroeira da cidade que, com o seu chapéu e cajado de peregrina, representa também o caminho jacobeu português. Trazida por fiéis franceses, a imagem mora num templo barroco (séc. XVIII) em forma de vieira, a concha que se tornou o símbolo do caminho.

Mas esta aventura pelo casco vello de Pontevedra começa na Praça de Santa Maria, pela mão de Valentín Vereas, um dos mais notáveis guias que já tivemos o prazer de acompanhar até hoje. O apaixonado galego conduz-nos logo à Basílica de Santa Maria (séc. XV), onde a imagem principal – um Cristo da Boa Viagem – passa a noite ao relento. Isto tem uma explicação muito simples: o templo foi financiado por marinheiros e, já se sabe, eles queriam rezar antes de enfrentarem a incerteza do mar a cada madrugada.

As curiosidades da igreja não se ficam por aqui. Na fachada existe um busto de Cristóvão Colombo que, somado ao seu sobrenome num dos altares, serve para sustentar a controversa teoria de que o navegador nasceu aqui. Aliás, a caravela Santa Maria, uma das três da sua primeira viagem à América, foi construída na cidade (recordem outra das caravelas da expedição aqui).

Continuando por estas calles de pedra, a maioria pedonal (alegria!!), descobrimos outras jóias, em ouro (vale a pena conhecer a colecção de ourivesaria do Museu de Pontevedra), históricas e arquitectónicas, como as ruínas de Santo Domingo ou a Igreja de S. Bartolomeu com a sua virgem grávida.


O município organiza visitas guiadas pela cidade ao longo de todo o Verão. 


A estátua colocada na Praça Méndez Núñez recorda a passagem do romancista, poeta, actor e dramaturgo espanhol Ramón María del Valle-Inclán na cidade, em finais do século XIX.


As ruas abrem-se em múltiplas e pequenas praças, muitas delas mantendo o nome tradicional. Ao contrário de outras cidades espanholas, Pontevedra não tem um grande terreiro para onde todas as vias parecem convergir, mas sim várias praças pequenas, um sem-número de praças que convidam os habitantes a adoptarem uma.

O ambiente favorece o convívio na Praça da Ferraría ou na Praça de Méndez Núñez, popularmente conhecida como Praza das Galiñas, por se fazer ali o mercado em tempos medievais, na Praça da Leña com as suas esplanadas ou na Praça da Verdura.

Acrescente-se à lista a Praza del Teucro, com as suas laranjeiras e casas brasonadas oitocentistas, que alude à origem mitológica da cidade. Reza a lenda que Pontevedra foi fundada por Teucro, grego que viajou para Ocidente depois da Guerra de Troia.

Segundo Homero, na sua eterna Ilíada, Teucro foi um dos melhores arqueiros do exército grego. Na guerra de Troia, disparava as setas atrás do grande escudo do seu meio-irmão Ajax. Quando regressou a casa no fim da guerra, o seu pai desterrou-o por não ter vingado a morte do meio-irmão (que se suicidou), pelo que viajou em busca de um novo lar.







Pontevedra é mais do que uma paragem no caminho para Santiago de Compostela. Pontevedra é este usufruir das ruas, é as praças cheias de gente nas inúmeras festas ao longo do ano: a incontornável Festa da Peregrina, a Festa dos Maios, a Feira Franca na primeira semana de Setembro, ou o Festival de Jazz e Blues, durante o mês de Julho, com concertos gratuitos ao ar livre. 

A cidade galega com mais ruas pedestres e espaços verdes por habitante recebeu, em 2014, o prémio ONU-Habitat, no Dubai,  pela qualidade da vida e políticas de mobilidade urbana. No ano seguinte, foi distinguida com o prémio de excelência em Nova Iorque pelo Center for Active Design e, em Hong Kong, com o prémio Cidade de Mobilidade Inteligente Euro-China.







LocalizaçãoPontevedra, capital da província e das Rias Baixas, usufrui de uma boa rede de infraestruturas que a liga aos principais centros urbanos vizinhos, nomeadamente a Autopista del Atlántico AP9 que atravessa a Galiza costeira. A partir de Madrid ou Barcelona, existe uma ligação diária de comboio. O aeroporto de Vigo fica a 30 km.
De Portugal, chega-se à AP9 a partir da A3. A cidade fica a 172 km do Porto.


Visitas guiadas em Pontevedra (até 30 de Setembro): aqui | Seg-Sáb 11h30 e 18h30, dom. 11h30| Preço: 5€ (adulto), grátis (até 12 anos)

You May Also Like

29 comentários

  1. Uma excelente reportagem que nos cria o desejo, de ir atá lá. De ver ao vivo.
    Adorei. E pensar que já fui duas vezes a Santiago e não vi nada mais do que aquilo que a vista alcançava da estrada que segui.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Tuas incríveis postagens, estão a me formar em grande ( pretensa) conhecedora das maravilhosas paragens lusitanas e galegas, Ruthia.
    A cada página ricamente ilustrada me sinto mais familiarizada com os locais visitados por ti e, através de tua narrativa me ponho a sonhar em percorrê-los pessoalmente.
    Sou apaixonada por lendas não decifradas, curiosidades sem carimbo de autênticas e sítios sabidamente verídicos em sua origem histórica.

    Se fôssemos vizinhas de chão, fatalmente te acompanharia sempre que fosse possível.
    Abraços e uma boa semana.
    Bjo ao pequeno aventureiro.
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois se fosse minha vizinha de chão era eu que "requisitava" a sua presença, querida. Por vezes faz falta outro adulto para partilhar certos detalhes dos lugares que visito

      Eliminar
  3. Olá Ruthia!
    Meu avô era da Galícia e sua família toda veio para o Brasil em 1910, quando ele era bebê. Sou louca para conhecer a terra galega de tantas coisas belas como as que você mostra aqui! Mas tenho que me organizar melhor por aqui para ir com o maridão por um período maior, pois quero ir com calma...

    Beijinhos mil!!!!
    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com calma é sempre melhor, Bia. Para quem tem a sorte de estar perto, dá para fazer um bocadinho de cada vez... Beijinho

      Eliminar
  4. Que lugar sensacional! Não sabia que era tão legal assim. As suas fotos ficaram ótimas também!

    ResponderEliminar
  5. Este lugar é muito legal, adorei vê-lo novamente pelos seus olhos! Sou louca para fazer o Caminho e ter uma experiência peregrina :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com um pequeno explorador a tiracolo, tenho explorado a região aos poucos. Quem sabe um dia me lanço nessa caminhada, mas terá que ser uma aventura a solo

      Eliminar
  6. Bela postagem!
    Tenho muita vontade de conhecer Portugal e Espanha, países da Europa que temos facilidade de comunicação.
    Acho que em 2018 eu vou!

    ResponderEliminar
  7. Eu havia planejado ir até Santiago de Compostela a partir de Braga, onde ficamos hospedados, mas faltou dias na nossa viagem e achamos melhor conhecer Portugal com mais calma, do que fazer correria olhar tudo e não curtir nada. Se eu tivesse ido, Pontevedra estava em nosso caminho. Só não sei se pararíamos para conhecer, aqui de longe, o planejamento é mais difícil. Talvez na próxima. :) Abraços Ruthia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como entendo, Dilma. É muito mundo para tão pouco tempo. A Galiza é maravilhosa e tem muito em comum com o norte de Portugal. Acho que conjugar as 2 regiões numa viagem faz sentido. Quem sabe na próxima. Se precisar de ajuda com o roteiro, pode dizer.
      Abraço

      Eliminar
  8. Olá, maravilhosa partilha da bela cidade de Pontevedra que um dia irei conhecer a caminho de Santiago, as fotos estão perfeitas.
    Continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderEliminar
  9. Também passa por aqui uma dessas rotas!
    Gostei de conhecer!
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas aposto que essa não tem vista para o mar :)
      Beijinho

      Eliminar
  10. Gostei! Na verdade nunca tinha ouvido falar de Pontevedra. Me interessou conhecer. Abraço!

    ResponderEliminar
  11. Que lugar mais lindo, adorei a história e os detalhes. Quando visitar, já sei por onde começar 🙂

    ResponderEliminar
  12. Interessante os prêmios que a cidade ganhou, fiquei curiosa para conhecer o lugar. E acho que o fato de ter várias praças agrega muito valor a este destino. Deve ser muito bom. Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para além das praças, tem aquela movida das cidades espanholas. As pessoas vivem muito a rua, sobretudo no Verão, claro.
      Abraço

      Eliminar
  13. adoro a forma como vc escreve, eh bem poetica e cheia de fatos históricos interessantes...acho muito engraçado como a mitologia grega é sempre exagerada aheuah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mitologia sem exagero perderia a graça. Acho até que a figura de estilo preferida de gregos e romanos seria a hipérbole, haha

      Eliminar
  14. É muita história e paisagem linda ao mesmo tempo! Além da sua forma peculiar de escrever que me faz lembrar leituras poéticas e românticas. Parabéns!

    ResponderEliminar
  15. Adoro seus posts, sempre aprendo muito com eles. Ainda quero percorrer o caminho português de Santiago, dica anotada

    ResponderEliminar
  16. Eu sabia que existia um caminho português para Santiago mas não fazia ideia da beleza das cidades por onde o caminho passa. Fiquei com vontade de ir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O caminho português pela costa é muito bonito. Mas os lugares dessa rota que destaquei até aqui já estão em território espanhol.

      Eliminar
  17. Olá Ruthia! Já passei em Pontevedra algumas vezes, uma delas no caminho de Santiago em bicicleta. Adoro esta cidade porque foi recentemente alvo de uma requalificação urbana que dá prioridade aos peões e praticamente não se vêm carros. Abraço desde Braga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa atenção aos pedestres tem sido muito elogiada e quem gosta de explorar os lugares a pé, agradece.
      Abraço

      Eliminar
  18. Não conheço nada para esta zona. Nunca tive curiosidade em fazer o Caminho de Santiago mas ultimamente tou a ficar com vontade. Pontevedra parece bem interessante!

    ResponderEliminar
  19. Oi Ruthia, eu tenho bastante curiosidade em fazer o caminho de Santiago, tanto o espanhol quanto o português. Que legal a cidade, as estátuas e sua história dar água - Edson

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!