Rota dos Gigantes do vale de Lima

Quatro grandes homens - um navegador, um santo, um descobridor e um inventor – guiarão os nossos passos nos próximos posts. A Rota dos Gigantes do Vale do Lima percorre quatro municípios no norte país, de onde procedem quatro ilustres da História universal. 

© tempushotelspa.pt

Conta a lenda que, certo dia, as legiões da Roma imperial chegaram às margens do rio Lima e estacaram, maravilhadas com a paisagem. Pensaram tratar-se do Lethes, o rio do Esquecimento, do qual se dizia que quem ousasse atravessar, enfeitiçado pela sua beleza, esqueceria a sua pátria, família, até o próprio nome.

Tomadas de pavor, as tropas recusaram-se a avançar. Foi preciso que o comandante supremo, Décio Júnio Bruto, atravessasse  as águas encantadas e, da margem direita, chamasse cada soldado pelo seu nome para os convencer.

Entendo perfeitamente o feitiço que prendeu os centuriões romanos. O céu azul cobre a terra fértil, de onde brotam fontes e lagoas, serras e vales verdejantes, até tudo se finar em frias praias atlânticas. É uma aliança mística entre natureza e construção humana que encanta os visitantes.

Alguns concelhos que recebem estas cálidas águas - Ponte da Barca, Ponte de Lima, Viana do Castelo e Arcos de Valdevez - uniram-se para criar um roteiro turístico inusitado, inspirado na história. A Rota dos Gigantes passa por quatro localidades atravessadas por aquele rio, para dar a conhecer quatro figuras universais que, em algum momento da história, carregaram o nome de Portugal para os quatro cantos do mundo.



Quem chega é convidado a ficar alguns dias, num dos muitos Solares de Portugal ou numa Casa de campo onde as velhinhas tradições convivem com o século XXI de forma pacífica. Até porque a região oferece experiências marcantes que vão do palmilhar o Caminho Português de Santiago, ao aventurar-se num desporto radical ou simplesmente contemplar o Parque Nacional Peneda-Gerês.


Ponte da Barca, terra fidalga

Conhecida como a Terra da Nóbrega, em tempos medievos, a pequena vila de Ponte da Barca continua pitoresca e rural. A ponte medieval e o pelourinho falam-nos desses tempos quando a aristocracia erguia grandes casas, maciças, de pedra, rodeando-as de árvores e recantos verdes.

A vila minhota deve o seu nome à “barca” que fazia a ligação entre as duas margens do rio, muitas vezes carregada de peregrinos rumo a Santiago de Compostela…

Para além do centro histórico, pequenino e castiço, vale a pena perder-se até ao Castelo de Lindoso (recordem a visita aqui), ou seguir até ao Gerês e respirar o mais puro dos ares. Aliás, a paisagem inspirou muitos poetas que, como Diogo Bernardes, o "príncipe do género bucólico", quiseram cantar a paisagem, os rios e a saudade.

Daqui descende também Fernão de Magalhães, pajem da rainha D. Leonor e um dos mais ilustres navegadores portugueses, que comandou a expedição de cinco navios que concluiu a primeira viagem de circum-navegação ao globo.






Esta instalação junto ao rio recorda que o Sol é a mais importante fonte de energia para os seres vivos, emitindo anualmente uma energia de valor 3,9 x 10(24) joule.

Em Ponte da Barca, comi um interessante caril de gambas, no restaurante “Vai à Fava”


Depois de participar em expedições marítimas na Ásia e em África, em nome da coroa portuguesa, foi ao serviço dos vizinhos espanhóis que Fernão de Magalhães ficou eternizado na história, ao encontrar a passagem entre os oceanos Atlântico e Pacífico. O estreito que ficou baptizado com o seu nome é, ainda hoje, considerado uma das passagens mais perigosas da navegação marítima.

Graças a esta aventura, os mapas puderam ser corrigidos, pois só então se ficou a conhecer a vastidão do Pacífico. À custa de muitas mortes, sublinhe-se. O navegador acabaria por morrer nas Filipinas, em 1521. Três anos depois da partida, uma única nau (Vitória de seu nome) entra no porto de Sevilha, com apenas 18 pessoas a bordo.

Graças ao aventureiro português, provou-se que a terra é redonda. Infelizmente, parece que alguns lunáticos estão empenhados em provar o contrário, em pleno século XXI (aqui, se estiverem a precisar dar umas valentes gargalhadas).





You May Also Like

42 comentários

  1. Como sempre, uma aula de história em forma de post! :) Adoro dar uma passada por aqui porque sempre aprendo demais e acho lugares interessantes para conhecer :)

    ResponderEliminar
  2. Adoro vilas pequenas, pitorescas, calmas, deve ser gostoso passar por estes locais com tanta história para contar.

    ResponderEliminar
  3. E se os romanos, tão supersticiosos, tivessem acreditado de fato estar diante do rio do esquecimento e, por isso, houvessem dado um giro sobre os calcanhares, voltando para seu ponto de partida? Estou brincando com a história contrafactual rsrsrsssss

    Quanto aos ataques à esfericidade da Terra, nem vale a pena comentar.

    Tenha uma ótima semana!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A história da península ibérica teria um rumo completamente diferente. Mas há que viver com a que temos :)
      Os terraplanistas são muito populares no seu país!
      Boa semana querida Marta

      Eliminar
  4. Uma zona que conheço relativamente bem. Tenho uma foto tirada mais ou menos no sítio onde está o pequeno explorador.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Quanta informação legal e tudo tão bem mostrado.Imagino a vivência e bagagem cultural que o Pedro já carrega! Coisa tão boa! bjs praianos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que sim, Chica. Que cresça em saber, humanidade e tolerância, nas nossas aventuras e não só.
      Beijinho boas férias

      Eliminar
  6. Ótimo post! Adoro saber mais sobre a história do lugares! E essas cidades européias tem muita história pra se estudar, einh! Fiquei curiosa pra conhecer!

    ResponderEliminar
  7. Um magnifico e interessante relato histórico.
    As fotografias estão espectaculares.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  8. Poxa que bela postagem Ruthia, vamos nesta bela viagem com vocês. As informações são ótimas para enriquecer o que já havíamos lido. Gostei dos detalhes em fotografias.
    Grato pela generosa viagem neste mundo velho novo com seus mistérios.
    Carinhoso abraço amiga.
    Bjs de paz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As histórias do velho e o novo mundo cruzam-se e fazem de nós todos uma grande família. É sempre uma alegria "vê-lo" por aqui.
      Abraço

      Eliminar
  9. Que maravilha Ruthia!
    Cada vez mais me convenço que o norte de Portugal será minha próxima viagem a esta terra, seguindo então para a Galícia, só para não deixar meus antepassados com ciúmes....

    Beijinhos

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz muito bem, que os antepassados também merecem. E está tudo tão perto... se precisa de ajuda com o roteiro, envie um email, terei todo o prazer em ajudar.
      Beijinho

      Eliminar
  10. Não conhecia essa rota e nem a lenda, mas com certeza vou querer fazê-la na minja proxima viagem a Portugal. Valeu pelo belíssimo post. Aprendi muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço, pela visita e pelo amável comentário.

      Eliminar
  11. Mais um lindo post pra me encantar ainda mais com Portugal, país que já mora no meu coração. Beijos

    ResponderEliminar
  12. conheço alguns crentes da terra plana e não é fácil convence-los do contrário, até quiseram provar por testes burros, como usar um nivel dentro de um aviao para provar que eh tudo reto aheuaheu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um fenómeno bem curioso, Angela que em pleno século XXI se queira negar o que a ciência demorou tanto a construir, todo um sistema lógico. Não sei se conseguiria dialogar com uma pessoa assim.

      Eliminar
  13. Eu já troquei os livros de Historias pelo Blog da Ruthia!

    Voce me encanta com Portugal e outras viagens; tenho uma amiga Espanhola que trás assuntos muito interessantes sobre a cultura do país; e a querida Leh, com uma viagem detalhada sobre curiosidades do Japão em "vidasemvoltas agora chama-se japaoculturaeturismo.com

    Fiquei curiosa com o prato "caril de gambas" - que carne é esta? gambá mesmo?

    Bjs


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gambas não é carne, Sissym. Não como carne há 2 anos. É uma espécie de camarão (só que maior).
      Beijinho

      Eliminar
  14. uh uh abriu!! consegui!! deixei uma mensagem que não estava abrindo para eu comentar... mas agora depois de algumas horas a esperar consegui
    adorei a aula de história!!
    bjs

    ResponderEliminar
  15. Olá, fiquei encantado com a partilha, conheço a zona e toda a sua beleza natural que oferece, quem lá vai volta sempre.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É realmente uma região encantadora, AG. Bom fim-de-semana

      Eliminar
  16. Para além de muito bonito, o vale do Lima é riquíssimo em património histórico.
    E o teu excelente post é a prova disso mesmo.
    A propósito da lenda do Lethes, há uma enorme gravura a ilustrá-la na Pousada de Santa Luzia. Vale a pena lá ir para a ver e, de caminho, desfrutar da belíssima paisagem que de lá se pode desfrutar.
    Bom fim de semana, amiga Ruthia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Ponte de Lima também existe um painel de azulejos alusivo à lenda. Em breve passo em Viana do Castelo, para dar continuidade a esta rota dos gigantes. Obrigada pela dica.

      Eliminar
  17. Que lugar lindo. Achei essa ponte com esse reflexo na água bem lindo. Lugar cheio de histórias . Portugal surpreendendo a cada post que leio aqui.
    Obrigado por compartilhar.

    ResponderEliminar
  18. Lugar lindo, com belas paisagens e muita história! Mais um lugar para incluir quando visitar Portugal. Valeu pela dica!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  19. Adoro quando vejo roteiros com essa parte histórica. E esse une história, paisagem, comida boa... Infalível. Gostei muito da dica, eu não fazia ideia desse roteiro. Já guardei para o futuro. =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também adoro destinos históricos. E no velho continente há roteiros desse tipo com fartura!

      Eliminar
  20. Você como sempre trazendo outros pontos de Portugal e com um ponto de vista muito interessante. Uma bela aula de história.
    Valeu.

    ResponderEliminar
  21. Viajar é importante também para conhecermos a história dos locais onde vivemos. Gostei do post

    ResponderEliminar
  22. Que lugar interessante! Não conhecia!! por sinal adoro que no blog você sempre fala de uns lugares novos para mim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso é fantástico. Não faltam blogs que falam sempre dos destinos do costume, onde toda a gente vai.
      Abraço

      Eliminar
  23. Adoro os seus posts super completos sobre Portugal, são tanto lugares lindos que dá vontade de ir a todos!

    ResponderEliminar
  24. Adorei o post e as informações super interessantes! Esse lugar é muito bonito e as fotos estão maravilhosas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portugal é muito rico em paisagens lindas. Longe das grandes cidades é ainda melhor

      Eliminar
  25. Que legal saber que a história vem desde a Roma Antiga. Adorei o post, o lugar, a história, mas confesso que fiquei de olho comprido naquele caril de gambas. Parecia estar delicioso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Roma moldou as paisagens de todo o continente. O caril estava bom, merece a foto e o elogio. Já a sobremesa não era nada de extraordinário.
      Abraço

      Eliminar
  26. Você não imagina o problema que eu tenho em acreditar que os terraplanistas estão a falar sério. Eu não consigo conceber tanta burrice (dsclp, mas não tem outro nome pra isso), hahahaha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. É um pouco impossível de digerir que, em pleno século XXI, alguém negue os factos perfeitamente confirmados da Ciência. Enfim!

      Eliminar
  27. Muito lindo, Ruthia! Amei o simbolismo desse 'Rio do Esquecimento', que forte! Achei incrível a história e fiquei curiosa pra conhecer pessoalmente. Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostei do simbolismo. Por algum motivo chamam à Europa o "velho" continente. Imensas lendas e mitologia para nos inspirarem!

      Eliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!