Rota dos Gigantes 2: Ponte de Lima

Depois de seguirmos os passos do navegador Fernão de Magalhães, que provou que o planeta é redondo, retomamos a Rota dos Gigantes do Vale do Lima até à terra natal de Francisco Pacheco, outro nome interessante da história portuguesa

Iniciamos este caminho - que percorre quatro municípios nortenhos atravessados pelo rio Lima e dá a conhecer figuras universais que, em algum momento da história, carregaram o nome de Portugal para os quatro cantos do mundo – na pequena e castiça Ponte da Barca (aqui). 



A cerca de 20 quilómetros, para sudoeste, chegamos à “terra da ponte”. Não se trata de uma ponte qualquer. Foi uma ponte romana que deu nome à vila. Ponte de Lima contribui para a rota dos gigantes com o jesuíta Francisco Pacheco, que morreu como mártir, queimado em fogo lento, em Nagasáqui, no Japão.

O município criou um roteiro inspirado neste seu filho, nascido na freguesia da Correlhã no seio de uma família nobre, a que podem aceder aqui. É precisamente em frente à casa onde nasceu (1566) que se inicia esta visita, embora nada mais haja para ver que o grande portão, com o símbolo da Companhia de Jesus.

Francisco Borges Pacheco viveu nesta quinta até entrar nos Jesuítas, viajando depois até Goa, Macau e Japão. O seu trabalho de evangelização no império do sol nascente não foi fácil. Instigado pelos bonzos, o imperador mandou destruir as igrejas cristãs, queimar cruzes e imagens, desterrar (sob pena de morte) todos os religiosos que ousassem pregar nos seus domínios, confiscando os seus bens.

Após a expulsão dos missionários, Francisco deixou o cabelo crescer, adoptou a língua e os trajes orientais e regressou clandestino. Continuou a converter pessoas até ser descoberto e morto, em 1626.



Tão pequenino que era o meu explorador, na sua primeira visita a Ponte de Lima.

© http://www.visitepontedelima.pt

Da sua casa na Correlhã seguimos para o centro histórico, a cerca de quatro quilómetros, parando na capela de Nossa Senhora das Neves e na Igreja de Nossa Senhora da Guia, até sermos recebidos pela bela Avenida dos Plátanos, na margem esquerda do rio, onde os peregrinos do Caminho Português de Santiago entram na vila.

Nesta avenida que nos recebe com um lindo tapete de folhas douradas (o Outono chegou finalmente. comemoremos!) fica o Museu dos Terceiros, de arte sacra, instalado em duas casas religiosas associadas à Ordem Franciscana. Ali encontramos imagens dos santos mais inusitados, de São Ivo a Santa Bona, pinturas, objectos sacramentais e parafernália religiosa para todos os gostos.

Continuamos, decididos a não parar em mais nenhum templo, excepto na igreja Matriz, para espreitar o altar dedicado a Francisco Pacheco, entretanto beatificado pelo Papa Pio IX. Esta que é a maior igreja de Ponte de Lima fica já “dentro de muros”, onde chegamos a partir do Arco da Porta Nova que, há séculos, conduzia ao bairro da Judiaria.

Percorremos depois a Rua baptizada com o nome de Francisco, com os seus edifícios quinhentistas, até chegarmos ao largo de Camões, terminando o passeio novamente junto ao rio e a sua ponte, com um troço medieval e outro romano.

Despedimo-nos de Ponte de Lima e do seu santo, que deixou um legado português no Oriente. Vários séculos volvidos, encontraram-se vestígios da sua passagem no Japão: cânticos em português antigo a medalhas na língua de Camões.






Quando ir
O Minho é lindo em todas as estações mas no Inverno é chuvoso (daí ser tão verdinho). Assim, a altura mais agradável para visitar Ponte de Lima é na Primavera ou Outono. Pode aproveitar para uma visita ao Festival Internacional de Jardins, que acontece entre Maio e Outubro, ou ao Museu do Brinquedo Português.

Como chegar
A menos de uma hora do Porto, a vila tem bons acessos rodoviários, a partir de duas auto-estradas, A27 e A3.

Gastronomia
A cozinha limiana é famosa pelo seu arroz de sarrabulho, servido com rojões de porco. Não sendo consumidora de carne, não vos posso recomendar um lugar para o degustar, embora leia sempre boas críticas ao restaurante Alameda. A lampreia do rio Lima também é bastante apreciada.

Onde dormir
Ponte de Lima tem a beleza e o carácter da terra minhota, com os campos verdejantes entrecortados por aldeias e solares históricos. O concelho concentra o maior número de unidades de Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural do país. Vale a pena dormir numa casa secular e acordar com o som dos passarinhos.

You May Also Like

38 comentários

  1. Obrigada por esta bela lição. Ponte de lima eu conheço razoavelmente bem. Tenho imensas fotos de lá, mas não conhecia a história de Francisco Pacheco.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Elvira. Acho que está pouco divulgado. O município podia criar um espaço museológico dedicado a esta figura histórica tão singular.
      Abraço

      Eliminar
  2. Pode-se gostar ou não da catequese jesuítica, mas é impossível negar o quanto os religiosos dessa ordem eram perseverantes.
    Excelente post. Tenha uma ótima semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade Marta. Acredito que essa perseverança estaria ancorada na convicção da bondade das suas acções. Cada um avalia o mundo de acordo com as suas crenças.

      Eliminar
  3. Que beleza de rota essa. Fotos lindas e sempre mais interessante aqui passar! Linda semana! Bjs.chica

    ResponderEliminar
  4. Um excelente trabalho onde aprendi mais um pouco sobre as nossas gentes e terras.
    Gostei das fotografias.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  5. Que história mais linda! Adorei seu post e todas as suas dicas. Vou para Lisboa em Janeiro mas acho que não terei tempo de conhecê-la. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu nem o norte de Portugal fugimos. Se precisar de alguma dica em Lisboa, diga.

      Eliminar
  6. Portugal sempre é uma aula de história né? amei conhecer esse lugar através do post :)

    ResponderEliminar
  7. Encantadoras paragens que nos levam par-e-passo em tua envolvente narrativa, Ruthia.
    Fica pra mim, mais esta anotação sobre locais aprazíveis e cheios de simbolismos nas terras lusitanas. As fotos lindas e atrativas do lugar já são um convite ultra simpático. Gostei demais!
    Boa semana.
    Bjo,
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre bem vinda a voar nas minhas palavras e nas minhas imagens, Calu. Quem sabe um dia atravessa o oceano e passeia na minha companhia física também.
      Beijinho, boa semana

      Eliminar
  8. Querida Ruthia
    Pelo que percebi, foi um lugar revisitado e ainda bem, pois dá-nos uma excelente lição de História e Geografia.
    Continuo a apreciar muito os seus roteiros, sempre tão completos! Obrigada por partilhar.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Beatriz. A primeira vez que estivemos em Ponte de Lima, o Pedrinho mal andava. Como o tempo voa.
      Beijinho

      Eliminar
  9. Eu adoro ler posts informativos assim. Além de muitas dicas o seu relato deu vontade de estar lá. Parabéns pelo post e as imagens tb estão incríveis!

    ResponderEliminar
  10. Post muito bem explicado e foi muito bom saber sobre a determinação de continuar a missão e a história de Francisco Pacheco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como diz a minha amiga historiadora, os jesuítas eram muito perseverantes...

      Eliminar
  11. Vamos ver se hoje consigo...
    Para já, parece que sim.
    Pois eu que pensava que conhecia Ponte de Lima, uma cidade que acho tão linda - e com muitas coisas boas :) Havia um vinho verde (há muito tempo que não o vejo) da Adega Cooperativa de Ponte de Lima que era delicioso!!! (atenção que não sou expert na matéria... e no dia a dia não toco em álcool...)
    A juntar ao algum (relativamente pouco) conhecimento que tinha sobre esta linda cidade, recolhi aqui imenso conhecimento.
    Obrigada, gostei imenso da postagem.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Mariazita, partilho do seu sentimento. Só muito recentemente conheci esta faceta da vila mais velhinha do país.
      beijinho

      Eliminar
  12. Que post completo e bem explicado! Uma rota que realmente merece ser explorada!

    ResponderEliminar
  13. É mais que um post, é uma aula de história. Portugal é mesmo um país rico em atrações históricas.

    ResponderEliminar
  14. Sem dúvida, um dos mais belos destinos de Portugal, a todos os níveis. Vou 2-3 vezes por ano a Ponte de Lima e continuo a achar que é pouco :)) belo post. Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um elogio desses vindo de alguém de conhece mais de uma centena de países diz muito sobre uma região.
      Abraço

      Eliminar
  15. Um dia destes passas à minha porta, de tão perto que andas... Mas não te recebo com sarrabulho ou lampreia, pois já vi que não aprecias...
    Não conhecia a história do jesuíta Francisco Pacheco.
    Gostei das fotos e do texto. Mais um magnífico post.
    Bom fim de semana, amiga Ruthia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Jaime, nada tenho contra a lampreia. Só não como carne. Diga-me onde é a sua porta e faço-lhe uma visita :)

      Eliminar
  16. Tantas histórias e lugares maravilhosos que ficamos encantados para conhecer! Obrigado por compartilhar!

    ResponderEliminar
  17. Se as minhas aulas de historia tivessem sido como esse post, eu teria começado a viajar muito antes.

    Espero um dia poder fazer essa rota.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há alguns professores que conseguem transformar a história em algo insípido, quando tem todos os ingredientes para nos apaixonar. Se um dia vier e precisar de alguma dica, avise.

      Eliminar
  18. Ponte de Lima é um daqueles lugares bafejados pela boa fortuna onde qualquer ser se sente bem. Gosto muito daqueles ares.
    Prosa límpida, Ruthia.

    Abraço

    ResponderEliminar
  19. q interessante esta historia do jesuita. aqui no sul do BR (e tambem Paraguai e Argentina) tivemos algumas comunidades formadas por jesuitas e indios que eram auto suficientes e funcionavam muito bem...ate que foram destruidas pelos espanhois e portugueses por serem ~inovadoras e contra o governo destes~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso seria algo que a coroa não podia tolerar...

      Eliminar
  20. Quanta história esse país tão incrível carrega, um dos lugares que mais quero conhecer!

    ResponderEliminar
  21. Conhecer uma cidade através de sua história e personalidades torna a viagem ainda mais interessantes. Lindas fotos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podia estar mais acordo. A história explica a alma dos lugares que visitamos.
      Abraço

      Eliminar
  22. Oi Ruthia, adorei o post, a história contada e que lugar lindo. Portugal tem tanta coisa para conhecer, né? Edson

    ResponderEliminar
  23. Viagens históricas são ainda mais interessantes do que apenas belas paisagens. Adorei o roteiro e já salvei para quando eu for conhecer Portugal ano que vem. <3

    ResponderEliminar
  24. mais uma aula de história, na qual fazes minha imaginação voar.... ai que vontade de largar tudo e voar, voar, voar.... bjs

    ResponderEliminar
  25. Adoro Ponte de Lima! Já estive lá dezenas de vezes e não me canso. É uma vila que tem muito para mostrar ao viajante a começar pela eterna ponte, testemunho unico da arquitetura romana e medieval. O seu centro histórico está muito bem cuidado e claro a parte da gastronomia é outra das marcas que não podemos descurar em Ponte de Lima. Aproveito para te deixar o meu roteiro caso queiras ler: http://www.espiritoviajante.com/visitar-ponte-de-lima-dicas-fotos-roteiro/

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!