O Palmeiral da Europa

Sabiam que 85% das palmeiras de Espanha estão concentradas numa cidadezinha da Costa Blanca? Com quase 300 mil exemplares, o Palmeiral de Elche é tão antigo que se descobriram tâmaras fossilizadas…




Não estamos numa ilha tropical e, no entanto, centenas, milhares, de palmeiras ululantes oferecem-nos uma sombra generosa, especialmente agradável na hora da siesta, quando tudo se move mais lentamente. Uma senhora de pedra dá-nos as boas vindas ao Huerto do Cura, onde conheceremos algumas das palmeiras mais estranhas à face da terra.

Esta é apenas uma das muitas réplicas da Dama de Elche espalhadas pela cidade: um busto em calcário do século V a IV antes de Cristo (vejam a foto no nosso Instagram). O original da escultura, encontrada em 1897, está actualmente no Museu Arqueológico Nacional de Madrid, para fúria dos ilicitanos, os habitantes de Elche, que clamam pelo seu regresso a casa.

As palmeiras rivalizam com a dama ibérica como símbolo da cidade: os fenícios trouxeram-nas há milhares de anos, os árabes desenharam os jardins e implementaram técnicas de irrigação, o rei Jaime I de Aragão ordenou a sua proteção em 1265 (uma das primeiras leis ecológicas da Península Ibérica) e a UNESCO elevou-as à categoria de Património da Humanidade.



Jaime I de Aragão, o protector do palmeiral

O Huerto del Cura tem ainda uma admirável colecção de cactos


A cidade de Elche, no sul da Comunidade Valenciana e a cerca de 20 km de Alicante, foi crescendo no meio dos huertos, como se chama a uma parcela de terra com palmeiras, numa simbiose admirável.

Hoje existem 95 pomares, sendo o Huerto do Cura um dos mais conhecidos. Vale a pena pagar bilhete para passear neste lugar tranquilo - Jardim Histórico-Artístico Nacional desde 1943 – e conhecer a palmeira imperial, assim baptizada em honra da bela austríaca Sissi, que visitou o lugar e ficou maravilhada com a sua singularidade. 

O que tem a palmeira de tão especial? Hoje com uns veneráveis 165 anos e oito toneladas, a palmeira viu nascer sete braços quando era uma bela jovem de 30 anos, que foram crescendo desmesuradamente até formar o candelabro gigante que vemos na foto de abertura deste post…

Outras palmeiras ostentam um rótulo no tronco, indicando que foram dedicadas a personagens ilustres que visitaram o local, como a rainha Vitória Eugénia em 1912. Estas jóias da botânica de Elche terão inspirado o poeta Miguel Hernández quando cantou: 

cada uma das palmeiras 
disputa a solidão suprema dos ventos, 
a delicada glória da fruta 
e a supremacia da elegância dos movimentos 
na mais venturosa geografia.




O escasso volume de água do rio Vinalopó motivou a decoração das margens por artistas locais



Mas há mais palmeiras para nos espantar, muitas mais, nomeadamente no Parque Municipal, ao lado do posto de turismo. Ali encontramos outras preciosidades como o Tridente ou a Sentinela, com mais de 25 metros de altura, nome que recebeu graças a uma canção ilicitana que chama às palmeiras as sentinelas de Elche.

A dois passos fica a Basílica de Santa Maria, com a sua linda fachada barroca, construída no mesmo local onde outrora se erguia uma mesquita, derrubada depois da reconquista cristã. O templo é palco anual do Mistério de Elche, a única representação teatral realizada no interior de uma igreja ocidental, depois do Concílio de Trento proibir este tipo de manifestações (vídeos aqui).

Ao longo de oito horas, divididos em dois dias (14 e 15 de Agosto), o drama litúrgico conta a morte, assunção e coroação da Virgem, ao som de cantos medievais que seguem uma partitura do século XVII. O Mistério de Elche é antiquíssimo e foi igualmente distinguido pela UNESCO, como Património Imaterial da Humanidade.

Mas hoje não há festa, pelo que subimos tranquilamente à torre, de onde se tem uma vista fantástica sobre o rio Vinalopó (achei deliciosa a cadência do nome) e sobre o palmeiral. Já sabem, este não é um palmeiral qualquer. É, tão-somente, o maior da Europa.





Huerto del Cura: aquiTodos os dias 10h-20h30 (julho e agosto) | Bilhete: 5€ adulto, 2,5€ criança (agosto 2017)
Parque Municipal: aqui | Todos os dias 7h00-23h00 (Verão)  | Grátis
Basília de Santa Maria: Todos os dias 7h00-13h00, 17h30-21h00 | Grátis. Subida à torre 2€ (adulto), grátis (até 5 anos)

You May Also Like

35 comentários

  1. Querida Ruthia
    Mais um belo roteiro para uma viagem!
    As fotografias são magníficas e também apreciei muito os vídeos.
    Tive oportunidade de assistir, este ano,a algumas manifestações do povo espanhol - procissões -, por alturas da Páscoa e, de facto, são fabulosas!
    Obrigada por partilhar e escrever textos tão bem documentados.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As manifestações de fé podem ser muito emocionantes de assistir, mesmo para alguém que, como eu, não é religiosa. Eu é que agradeço pela sua presença tão amável.
      Beijinho

      Eliminar
  2. Palmeiras belíssimas! Quanto aos cactos, tenho um sentimento dúbio: não deixo de reconhecer a beleza que têm, mas tudo o que é árido traz consigo uma sensação desagradável...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso estão tão harmoniosamente integrados, perto de um lago cheio de sombra, que não me deram essa impressão desagradável e árida. E tem alguns espécimens bem lindos.

      Eliminar
  3. Mas só lendo blogs de viagens para descobrir tanta coisa interessante, viu?! 85% das palmeiras de Espanha concentradas numa única cidadezinha?! Adorei seu post e as palmeiras são realmente lindas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também fiquei muito surpreendida. É o maior palmeiral da Europa e um dos maiores do mundo... e muito pouco visitado. A região é procurada sobretudo pelas praias.

      Eliminar
  4. Nossa, nunca tinha ouvido falar dese lugar. Mais um pra anotar na listinha de lugares a conhecer no mundo.

    ResponderEliminar
  5. Ai que lugar lindo! E quantas variedades de palmeiras e cactos, cada uma mais bela que a outra.
    Post muito original e com um olhar único para essas sutilezas da natureza.

    ResponderEliminar
  6. Ai que lugar lindo! E quantas variedades de palmeiras e cactos, cada uma mais bela que a outra.
    Post muito original e com um olhar único para essas sutilezas da natureza.

    ResponderEliminar
  7. Que fotos maravilhosas! Amo a Espanha e adorei saber mais sobre as palmeiras. Ótimo post.

    ResponderEliminar
  8. Nossa. Tudo isso concentrado em uma unica cidade? Nunca ia imaginar.
    Adoro como fica a paisagem com elas.
    Adorei a curiosidade.

    ResponderEliminar
  9. Mais uma vez nos leva a um local encantado e nos faz entrar no espaço através dos seus olhares e das suas palavras.
    Muito obrigada

    ResponderEliminar
  10. Bela fotografias e descrição dão-me vontade de apanhar para lá um avião!
    Beijinhos, boa sexta :)

    ResponderEliminar
  11. Nossa que interessante saber dessa curiosidade, moro aqui na Espanha e não sabia disso.

    ResponderEliminar
  12. Que legal ver palmeiras fora de um ambiente tropical, ainda mais na Espanha! Quero visitar esse local... muito curioso o tema das tâmaras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não fica assim tão longe de onde vcs moram, quero dizer, fica mais perto do que da minha casa :)

      Eliminar
  13. Que lugar lindo e fotogênico!!! Uma pena conhecer o lugar só depois de voltar da Espanha! Mais um motivo para voltar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, isso acontece-me frequentemente. Mas para conhecer bem um lugar, teríamos que morar por lá uns 6 meses, no mínimo. Mas há alguns sítios onde não planeio voltar

      Eliminar
  14. Adoro dicas de lugares que eu nunca ouvi falar. É muito legal descobri uma coisa nova! Adorei a dica

    ResponderEliminar
  15. A Espanha tem cenários belissimos e amei as fotos do post. O que são essas lindas palmeiras? Que show de lugar. Em abril estarenos ai!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Espanha, Portugal, ou nos dois? Se precisar de alguma dica, apite ;)

      Eliminar
  16. Que post incrível! Foi muito prazerosa a leitura. E que interessante essa palmeira que virou um candelabro vivo. Obrigado por compartilhar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço o seu amável comentário. Essa palmeira é qualquer coisa de especial, mesmo!

      Eliminar
  17. Parece mesmo que vcs estão em um país tropical. Que lugar lindo, jamais pensei em encontrar algo parecido na Espanha. E que história curiosa a do candelabro. Lindo toda vida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se pensarmos bem, as palmeiras fazem todo o sentido naquela zona espanhola que é bastante árida e fica na rota do Mediterrâneo.

      Eliminar
  18. Que interessante isso, a Europa é realmente cheia de surpresas. A Espanha em especial me encanta. Parabéns pelo post.

    ResponderEliminar
  19. lindo local, lembra um pouco o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, com os coqueiros plantados por D.Pedro... bjs querida amiga... aqui, cansada, mas buscando forças pois sei que o amanhã será bem melhor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que estive no Jardim Botânico do Rio uma vez e não tenho uma única fotografia de recordação? Foi há tantos anos que tenha uma ideia vaga do lugar, mas lembro-me de algumas palmeiras gigantes, sim

      Eliminar
  20. Ruthia, que jardins maravilhosos. Muito interessante que seja uma concentração de palmeiras assim, deu um ar diferente para a paisagem arborizada. Muito lindo e bom post, Edson :D

    ResponderEliminar
  21. Nunca tinha ouvido falar deste sítio... Muito bonito e com uma quantidade brutal de palmeiras. A conhecer, sem dúvida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Principalmente quem vai para os lados de Alicante. É um saltinho e um passeio muito bonito

      Eliminar
  22. Olá Ruthia,
    Que espetáculo!! Lindíssimas palmeiras!!
    Beijos.

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!