Porto: um roteiro clássico


Cinzenta de neblina e granito, com um casario desorganizado e um sotaque áspero e vernacular que faz corar as pedras da calçada. Contudo, D. Pedro IV legou-lhe o seu coração. Percam-se connosco nas ruas estreitas e cheias de história da "Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta" cidade do Porto.


Fez-se a partir do rio e do passado mercantil, tornou-se mundialmente famosa por causa do vinho, manteve-se bairrista e valente, a ponto de receber o epíteto acima, gravado em decreto real. 

Hoje, a segunda maior cidade portuguesa permanece um exagero de popularidade, por razões diferentes. Com um centro histórico classificado pela Unesco como património mundial há mais de 20 anos, a cidade foi distinguida como melhor destino europeu, pela terceira vez, em 2017. Mas o carismático burgo não precisa de prémios para nos prender pelo coração, tantos são os seus predicados.

Propomos um roteiro clássico de três dias, ideal para quem visita a cidade pela primeira vez, começando na região mais antiga, que concentra algumas das principais atracções: a Ribeira, a Ponte D. Luís, a Sé Catedral, o Palácio da Bolsa, a Estação de São Bento ou a Torre dos Clérigos. 

Vamos lá?


Dia 1 – Património da Humanidade

Como todos os que chegam de comboio, quedamos mudos perante a beleza secular de S. Bento, considerada uma das 15 mais belas estações ferroviárias do mundo. O grande culpado foi Jorge Colaço e os seus 20 mil azulejos azuis e brancos. Os meus preferidos, sem surpresa, recordam momentos históricos: a cena da submissão de Egas Moniz e família perante o rei de Leão é inesquecível.

A uma distância percorrível a pé existem outros painéis de azulejos belíssimos: Igreja dos Congregados (ao lado de S. Bento), Igreja de Santo Ildefonso (Batalha), Capela das Almas (Rua de Santa Catarina) e Igreja do Carmo (Praça dos Leões). 

Mas nós tomamos a direção oposta, rumo à muralha medieval, dita fernandina porque foi terminada no século XIV durante o reinado de D. Fernando. Sacrificada nos idos de setecentos, por causa da expansão da cidade, sobreviveram alguns trechos, sendo este sobre a inexpugnável escarpa dos Guindais o mais impressionante, pois deixa vislumbrar as suas curvas de outrora. A passagem faz-se a partir da Igreja de Santa Clara mas, para nosso azar, obras de restauro impedem o acesso (motivo 1 para voltarmos). 





Felizmente a Sé do Porto - uma das mais antigas do país – é logo ali. O recolhimento do edifício românico convida ao silêncio, contrastando com o burburinho do terreiro em frente, onde se destaca um pelourinho extravagante e a vista magnífica sobre o rio.

Tomamos agora a linda e renovada Rua das Flores, desembocamos no Largo de S. Domingos e chegamos, pouco depois, à Praça do Infante D. Henrique (que nasceu na cidade), para conhecermos o edifício mais visitado do Porto: o Palácio da Bolsa.

Construído em meados do século XIX, sobre as ruínas de um antigo convento, por iniciativa e a expensas da Associação Comercial do Porto, o edifício acolheu a bolsa de valores até a década de 90, quando passou a funcionar apenas em Lisboa. 

A fachada severa esconde um interior luxuoso que o Pátio das Nações - um hino às relações comerciais - deixa antever. O nosso olhar dirige-se para a impressionante cúpula de ferro e vidro, de Tomás Soller, caindo depois nos 20 brasões dos países com os quais Portugal mantinha relações de amizade e de comércio. 

Seguindo pela magnífica escadaria de mármore e granito, dominada por dois lustres de ferro que pesam tonelada e meia cada, somos conduzidos até ao piso de cima onde outras salas surpreendentes nos esperam. Por exemplo, a antiga sala de audiências do Tribunal do Comércio e (pausa dramática) o superlativo Salão Árabe, inspirado no Palácio de Alhambra, em Granada. 

A sala de inspiração mourisca espanta pelos muitos detalhes em ouro e pela caligrafia árabe. As inscrições repetem-se pelas paredes: “Glória a Alá”, “Alá guarda a Califa Miriam II” (D. Maria II, que autorizou a construção da sala) e “Alá acima de tudo”. Planeiam um casamento? Saibam que podem alugar o salão por algumas horas pela módica quantia de sete mil euros (valor em janeiro de 2018).



A riqueza do património portuense continua no templo vizinho, a Igreja de S. Francisco de Assis, chamada “igreja de ouro” por causa da sumptuosidade da talha barroca que cobre por completo a estrutura gótica. São duzentos quilos de ouro distribuídos pelo altar, coluna e pilares… Há quem fale de 600 kg de ouro, mas a Venerável Ordem Terceira de S. Francisco remete-se ao silêncio sobre o assunto. Nas catacumbas, o pequeno explorador arregala os olhos perante as sepulturas que cobrem as paredes. 

Fugimos da morte, para nos perdermos nas ruas “sujas e gastas” cantadas por Rui Veloso. A sombra de um gato vadio projecta-se no chão à nossa frente. Levantamos os olhos e ei-lo no topo de uma viela estreita onde, pelas portas entreabertas, recebemos breves lampejos de muitas vidas. Este é apenas uma das muitas faces do burgo que deu o nome a Portugal. 

O declive da Bataria da Vitória quase nos vence, mas não dou parte de fraca e ainda animo o Pedrito: coragem! No fim da ladeira, o esforço é amplamente recompensado pelo miradouro, porventura pertencente ao sobranceiro e decrépito casarão, com vista sobre o rio Douro. 

Na verdade a subida ainda não terminou, mas novas energias nos sustentam, graças à retemperadora pausa e magnífica paisagem. E eis-nos em pleno largo Amor de Perdição, onde o nome da cidade em letras garrafais e azuis (em homenagem ao maior clube da cidade e, quero acreditar, aos seus lindos azulejos) disputa a atenção dos turistas

Ali fica o Centro Português de Fotografia, de que falaremos num futuro post, e o Jardim da Cordoaria onde descansamos, sob os plátanos deformados, antes de avançarmos impetuosos sobre mais dois clássicos da cidade: a Torre dos Clérigos e a Livraria Lello.

O pequeno explorador a admirar o interior da livraria Lello.


A Torre dos Clérigos marca a paisagem da cidade com os seus 75 metros de altura. O que significa? Escadas. Mais de 220, parece-me. Mas nem só do miradouro se fazem os Clérigos, que inclui também uma Igreja projectada pelo italiano Nicolai Nasoni no século XVIII. Vale a pena uma breve visita ao museu e sobretudo uma subida até ao Coro Alto para a mais bela perspectiva do templo. 

Depois há a Lello, obrigatória, a catedral do saber não deixa ninguém indiferente. A empresa foi fundada por Ernesto Chardron, o primeiro editor a publicar grande parte das obras de Camilo Castelo Branco. Depois, foi comprada pelos irmãos Lello (1894) que inauguraram o famoso edifício na Rua das Carmelitas em 1906. 

Se a fachada neogótica é bela, com as figuras da Arte e da Ciência a abençoar os visitantes, é no aconchego do interior que ficamos para sempre apaixonados, não só pela famosa escadaria que terá inspirado a autora de Harry Potter, mas também pelo maravilhoso tecto de vitrais multicores. 

A uma rua de distância fica outra preciosidade: a centenária Mattos & Companhia. A linha vintage nota-se logo no piso térreo, mas é n’ A Vida Portuguesa (primeiro andar), que percebemos porque a  loja anda nas bocas do mundo. Marcas antigas, artigos de perfumaria, faiança, fisgas e piões de madeira, marmelada e mel, tudo o mais que imaginar com uma única regra - ser 100% português. 

Diz a empresa que os objectos são capazes de contar histórias extraordinárias sobre um povo e os seus gostos peculiares. E que têm o condão mágico de, como uma bomboca que nos transporta para a infância, acordar em nós as mais belas lembranças. Lembram-se da farinha 33, da pasta dentífrica Couto, dos sabonetes Confiança e do restaurador Olex? Pois estão lá. E outras coisas intemporais como a loiça das Caldas ou o licor Beirão.




Sé Catedral site | Horário igreja: 9h00-12h30, 14h30-18h00 (Inverno) |Entrada paga para os claustros e museu, gratuita para a Igreja 

Palácio da Bolsa site |Horário: todos os dias 09h00 - 12h30, 14h00 - 17h30 (Inverno) | Bilhete para visita guiada: 9€ (adulto), grátis (crianças até 12 anos), 5,5€ (estudantes e seniores)| Dica: apresentando o bilhete de comboio beneficia-se de um desconto de 25%. O meu bilhete ficou por 6,75€.

Igreja de S. Francisco de Assis site |Horário: todos os dias 09h00-17h30 (Inverno) | Bilhete: 6€ (adulto), grátis (crianças até aos 12 anos)

Torre dos Clérigos site | Horário: todos os dias 9h00-19h00, excepto época natalícia| Bilhete para torre+museu: 4€ (adultos), grátis (crianças até aos 10 anos)

Livraria Lello site | Horário: todos os dias 10h00-19h30 | Bilhete: 4€ que será abatido no pagamento de qualquer livro
A Vida Portuguesa site |Horário: seg-sáb 10h00-20h00, domingo e feriados 11h00-19h00






Mas há muito mais para mostrar do Porto. Próximos posts (linkados à medida que forem publicados):

Porto: um roteiro clássico (dia 2 e 3)
Dica de alojamento no Porto
Porto sem gastar um tostão
No Porto com crianças
Comer no Porto
Templos do Mundo: A Igreja de Ouro

Etiquetas: , , , , , , , , , ,