Comer no Porto


Os petiscos, as epifanias gastronómicas e também os desastres. Só não contamos as calorias para não ficarmos deprimidos



Quando o mítico Anthony Bourdain visitou o Porto pela segunda vez, no ano passado, um dos lugares que visitou foi o Mercado do Bolhão, onde duas vendedoras atrevidas, no seu vernáculo característico, lembraram o ditado sobre os “apêndices” diminutos dos homens muito altos, obrigando-o a corar como um adolescente.

Bourdain não foi ao Bolhão para comer, mas para sentir o pulsar da cidade num lugar histórico – hoje em remodelação, devido à degradação do edifício construído durante a I Guerra Mundial, os vendedores mudaram para um mercado temporário, ali próximo – onde os restaurantes compram os ingredientes para a francesinha.

Mas ainda é cedo para falar da mais famosa iguaria do Porto. Antes damos um saltinho à belle époque, em plena rua de Santa Catarina. Tomar um cimbalino (café) no Majestic é recuar aos anos 20, quando artistas e intelectuais elevaram o café ao patamar filosófico. O Majestic é reconhecido como um dos cafés mais bonitos do mundo, mas a arquitectura art noveaux, as toalhas de linho e o ambiente luxuoso pagam-se. Um simples café custa 4€ ou 5€, pelo que ainda não será hoje que provaremos a especialidade da casa: rabanadas com doce de ovos e frutos secos.


© tripadvisor


Para esquecer os preços proibitivos, recordemos alguns ilustres que por aqui passaram, de Jacques Chirac ao aviador Gago Coutinho, do literato Teixeira de Pascoaes ao talentoso Júlio de Resende.

Depois de horas a palmilhar a cidade invicta – recordem o nosso roteiro de 3 dias aqui e aqui -, acalmamos os roncos do estômago no LSD, um restaurante da moda que nada tem de alucinogénico, abrevia apenas a localização: Largo de São Domingos.

Depois de uma entrada de queijo brie panado com mel, lanço-me sobre um bacalhau que repousa num creme de ervilhas aveludado, acompanhado de chips artesanais. O Pedro come a sopa toda, como bom menino que é, antes de ter direito a bife e batatas fritas e uma bola de gelado de framboesa (menu infantil: 13€).

Pequenas falhas mancharam o serviço: o ovo cozido a frio que devia coroar o meu bacalhau não correu bem e, como temos o tempo contado (visita guiada no Palácio da Bolsa às 14h00), não completou o prato. As batatas fritas do menu infantil vinham frias, o que considero imperdoável, e a minha sobremesa era demasiado doce. 

Esperava mais do LSD, tendo em conta as críticas que li e a média de preços. Salvou-o a simpatia da funcionária e a tranquilidade da sala, mesmo ao domingo.




Uma alternativa para este almoço seria a sandes de carne e linguiça coberta de queijo derretido e regada com molho picante que todos associamos ao Porto: a francesinha. Digeridas duas ou três, junte-se ao desporto favorito dos portuenses, que é debater a francesinha. Não como uma há mais de dois anos (quando eliminei a carne) mas ainda me lembro das francesinhas memoráveis do Capa Negra e do Cufra.

As calorias multiplicam ao quadrado a meio da tarde, na Leitaria da Quinta do Paço, onde se comem os melhores éclairs do mundo. Criada em 1920 para vender leite e derivados, criou um chantilly que coloca os éclairs no Olimpo dos doces. 

A massa é estaladiça na medida certa, o recheio suave e depois (pausa dramática) há as coberturas. As minhas favoritas são as de limão e as de caramelo, porque o toque ácido e salgado, respectivamente, equilibram a doçura.

Gostei tanto que voltamos várias vezes e até almoçamos por lá – sandes de atum e rúcula e sopa quentinha – depois de uma experiência desastrosa na Miss Pavlova, onde o mau atendimento, depois de 15 minutos na rua ao frio à espera da abertura, fez com que nos levantássemos sem sequer fazer o pedido. Fiquei com pena, porque queria provar a sobremesa que dá nome à casa e porque fica nos fundos de uma loja vintage super fofa.



A Leitaria lança ecláirs temáticos regularmente, por altura da Páscoa, Natal, Dia dos namorados, Primavera, etc. Para além disso, têm versões salgadas. © Leitaria da Quinta do Paço (esq, cima e baixo direita).


Comfort food no distrito das artes

O que pode ser melhor do que aquecer o corpo e a alma com comida caseira num frio e chuvoso dia de Inverno? Foi o que fizemos na Casa Diogo, ali na super trendy área artística da cidade, o art district faz parte do nosso roteiro Porto sem gastar um tostão.

A Casa Diogo é uma pequena mercearia gourmet criada pelo casal João Paulo e Rita que, para além de biscoitos artesanais (da fábrica da família nascida em 1900), vende produtos biológicos e especialidades transmontanas como alheiras, pão, queijo ou vinho.

O espaço tem um menu de almoço por apenas 7€ que inclui sopa, prato principal, bebida e café. A sopa de curgete que nos serviram estava tão saborosa que conseguiu remeter o frio e a chuva para um recanto remoto do cérebro. O arroz à valenciana também estava irrepreensível.

E o espaço é tão amoroso, cada móvel com a sua história, começando pelo balcão da mercearia onde um dia o avô do João Paulo pesou a massa dos biscoitos e o próprio dormiu, num dos gavetões, enquanto bebé. Os móveis antigos repetem-se nas duas salinhas dos fundos, parece que entramos na sala de jantar da nossa avó, com naperons de crochet em cima da mesa.

O mais impactante? Sentir que o casal faz realmente parte da comunidade. A certa altura, uma vizinha idosa veio chamar o gerente da Casa Diogo porque o marido de 80 anos caíra, mais uma vez, da cama…



Sopa quente e pão transmontano no forno com azeite. Oh, manjar dos deuses.


Terminamos esta espécie de roteiro gastronómico perto da Casa da Música, onde tivemos o prazer de dormir (Porto Music Guest House), com um jantar light, para apaziguar a consciência pesada por tanta comilança, no Mercado do Bom Sucesso, um espaço animado que me recordou os mercados madrilenos.

As opções gastronómicas são bem diversificadas -  pelo tamanho da fila, imagino que as sandes de leitão sejam boas. Nós optamos pelo Da Terra, uma rede de restaurantes vegetarianos que tem sempre um buffet muito saudável e saboroso. Às vezes tudo o que queremos é comida simples, que já conhecemos.

E vocês leitores, em que mesas foram felizes durante uma visita ao Porto? Acrescentem aí nos comentários.






You May Also Like

33 comentários

  1. Só de olhar dá para salivar. Achei graça ao facto do João Paulo dormir numa gaveta. A minha avó pinha o bebé a dormir numa canastra. pois só tinha uma cama para treze filhos. Os rapazes dormiam à cabeceira as raparigas aos pés, e o mais novinho ainda bebé dormia na canastra.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que percebi, neste caso, a gaveta servia de alcofa apenas quando estavam na loja de biscoitos e o bebé precisava de dormir :)

      Eliminar
  2. Amei o post, apesar de rico em calorias e não estar no meu alcance no momento. Salivei várias vezes. Amo a culinária portuguesa e quero conhecer esse pedacinho do país. Parabéns.

    ResponderEliminar
  3. quantas tentações e pena pelo péssimo atendimento que vcs passaram no Miss Pavlova, se bem que aqui no Brasil, péssimo atendimento já é tradicção em muitos lugares... bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos podem ter um dia mau. Só acho que uma casa recente, com um conceito diferente, que quer fidelizar os clientes, tem que apostar na formação do pessoal.

      Eliminar
  4. Nós aqui na Tailândia morrendo de saudades da comida brasileira e você mostra essas delícias? Adoramos e ficamos com uma invejinha boa de tanta coisa gostosa que tem em Portugal pra experimentar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem que aproveitar as iguarias locais, logo logo terá oportunidade de matar saudades da comida brasileira

      Eliminar
  5. Uma verdadeira aula de história e da culinária! E os docinhos, então, fiquei imaginando o sabor de cada um!

    ResponderEliminar
  6. Muito amor por este texto recheado de delícias. Eu adoro a Leitaria da Quinta do Paço. Quero conhecer a Casa do Diogo e fiquei muito, muito feliz em saber sobre o Mercado do Bolhão e a reforma. Saudades que me deu do Porto! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Mercado do Bolhão estava, realmente, a precisar de uma reforma grande. Quanto à Casa Diogo, foi um achado. Conhecendo a sua sensibilidade, sei vc ia adorar o espaço.

      Eliminar
  7. Ai Ruthia, que tortura chinesa-ou melhor-portuguesa- rs, foi esse post.
    A fome tá me consumindo. Essa rabanada com doces de ovos e todos os outros pratos parecem ser dos deuses. Pena que os preços e o atendimento nem sempre sejam convidativos.

    ResponderEliminar
  8. Querida Ruthia
    Já vi que resolveu mostrar ao Mundo a cidade onde estudei!
    Que belo roteiro de fazer crescer água na boca! Às vezes há um azar, mas no Mercado do Bom Sucesso, como diz o nome, sai sempre satisfeita duplamente, ou seja, bem alimentada e ...alegre.E ainda tem direito a música ao vivo!
    Referiu locais que pretendo visitar e agradeço as dicas sobre o que correu menos bem, para me acautelar. A cidade está muito diferente, no aspecto e nos preços....de tudo!
    Obrigada pela minuciosa reportagem.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No mercado do Bom Sucesso, por norma, corre bem. Com a vantagem de que existem opções capazes de satisfazer todos os diferentes membros da família.

      Eliminar
  9. Portugal e suas gastronomias tentadoras.Lindo post e melhor mesmo nem contar as calorias. Comer e depois caminhar muito pra compensar,rs bjs, chica

    ResponderEliminar
  10. Querida Ruthia
    Deliciei-me acompanhando-te neste roteiro pela cidade "do meu coração"...
    Quando vou ao Porto não perdoo uma ida ao Magestic. Sabe tão bem estar lá!
    E tudo o resto é uma delícia!!!

    A minha memória - ou a minha agenda? :))) - não falha...
    Por isso, e porque este excelente blog faz hoje seis (?) aninhos, um grande abraço de Parabéns! E que venham mais 6!!!

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caramba, ainda do outro dia elogiavas a minha memória. Pois tenho que retribuir o elogio. É verdade, O Berço faz hoje 6 anos. Acho que amanhã consigo publicar o post de aniversário.
      Beijinho e obrigada pelo carinho

      Eliminar
  11. Conheço relativamente bem o Porto porque estudei lá.
    Mas hoje está tudo muito diferente (para melhor). E a restauração não foge à regra, nomeadamente a qualidade da comida, o nível do atendimento, etc., etc. E a oferta aumentou imenso.
    Parabéns pelo teu dia, o da Mulher.
    Continuação de boa semana, amiga Ruthia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A oferta aumentou muitíssimo e ainda se come bem na cidade. Só é preciso evitar os lugares "pega turistas"

      Eliminar
  12. Excelentes sugestões!! Posso atestar, pois já visitei quase todos :) Acrescento o restaurante Augusto, na Constituição. Vão experimentar e vão ficar fãs. Bela partilha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Augusto, na Constituição. Dica anotada. Grata, Rui

      Eliminar
  13. As experiências gastronômicas sempre marcam uma viagem. Essas pelo visto foram maravilhosas.

    ResponderEliminar
  14. Que delícia esse post! Adoro como você escreve! É tão agradável e me sinto junto com você. Pena que não conseguiu comer a pavlova. Acho uma delícia (pena que aqui no Brasil é impossível de achar...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pela sua visita e amável comentário. Quem sabe um dia damos uma segunda oportunidade ao Miss Pavlova? Naquele domingo estávamos cheios de frio e fome, sem paciência para ensinar a funcionária a fazer o seu trabalho

      Eliminar
  15. Como olhar para essas fotos sem salivar??? E fiquei curiosa pra saber sobre esse ditado sobre os apêndices. Acho que não o temos no Brasil. Mas já estou pensando besteira aqui, hahahaha

    ResponderEliminar
  16. Ruthia, nem preciso dizer o quanto me envolvi nesta postagem, tu sabes o amor que tenho por cozinhar. E quanto mais simples, melhor! Claro que, por vezes, gosto de provar algo diferente e até mais requintado. Mas a simplicidade e a rusticidade na cozinha, me encantam.
    Tenho lido sobre a gastronomia no Porto e acho super rica, robusta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A simplicidade também me fascina. Até porque, com a idade, o corpo ressente-se cada vez mais com os excessos ;) Mas pronto, um dia não são dias

      Eliminar
  17. Que delícia de post. Fiquei com água na boca aqui! E que saudade das francesinhas. Portugal é demais mesmo!

    ResponderEliminar
  18. Que maravilha de post, Ruthia! :-O Eu vou para Porto no festival NOS Primavera Sound e essas dicas de comida vieram muito bem a calhar! :D Edson

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca fui ao festival, apesar de ser aqui pertinho. Lá diz o ditado "casa de ferreiro, espeto de pau"

      Eliminar
  19. HUmmmm que delícia de Post.
    Dicas anotadas para quando eu voltar ao Porto :)
    Abraços

    ResponderEliminar
  20. O Norte de Portugal é uma perdição em termos de comida! Adorei as dicas, já anotei alguns que não conhecia para visitar na próxima viagem! :)

    ResponderEliminar

«Viajar torna uma pessoa modesta – vê-se como é pequeno o lugar que ocupamos no mundo.» (Gustave Flaubert)

Obrigada por ler as minhas aventuras e ainda gastar um momento para comentar. A sua presença é muito importante para mim. Um abraço e até breve!