[8on8] Hong Kong landmarks


Ruas iluminadas a néon, um skyline de fazer inveja a Manhattan, táxis que circulam do lado errado da estrada… estamos no sul da China, numa das cidades mais densamente povoadas do planeta





A ultramoderna Hong Kong não é bem oriental, ainda que tropecemos constantemente em pagodes chineses e templos budistas, mas também não é ocidental, ainda que restem muitos vestígios coloniais do tempo dos britânicos, nomeadamente a circulação pela esquerda.

Os contrastes são muitos e difíceis de assimilar: há mar e montanha, lojas caríssimas e mercados de rua, poluição e incenso, meditação e aparelhos electrónicos, Buda e Mickey, fast food e dim sums (点心). Ah, esses dumplings maravilhosos, cozinhados ao vapor em cestos de bambu, que podem ser traduzidos, à letra, como “pedacinhos do coração”…

Como responder ao desafio de escolher oito landmarks, isto é, oito imagens que simbolizam Hong Kong? Tarefa difícil num lugar em que as imagens surgem um pouco difusas, por causa da poluição…


1.    Kowloon (Golden Mile)


Começamos na dinâmica região de Kowloon, o coração de Hong-Kong, outrora lar de agricultores e pastores, ocupado pelos britânicos em 1860. Um imperador da dinastia Song terá baptizado a região com este nome, que significa "nove dragões", por causa das oito montanhas à volta. O nono dragão seria o próprio imperador, está bom de ver…

Bem, aqui fica a Nathan Road, também chamada de Golden Mile, por ter tantas lojas e hotéis luxuosos. No meio desta azáfama consumista, alguns quarteirões ficaram sob o monopólio de "comerciantes informais", vindos do Bangladesh ou da África subsaariana. As marcas mais conhecidas também estão aqui representadas, claro, mas apenas uma me atrai como um íman: dose de cafeína garantida pela Starburcks! 

2. Bauhinia de Hong Kong

A bauínia-de-hong-kong, ou bauhinia, é uma linda árvore endémica, com uma flor ainda mais bela. A sua imagem estilizada enfeita a bandeira da cidade, depois do governo chinês ter oferecido uma gigante flor a Hong Kong, por altura do seu regresso ao domínio nacional, em 1997 (foto de entrada deste post).
A escultura dourada pode ser vista na Golden Bauhinia Square, uma praça em Wan Chai, nas margens do Victoria Harbour e perto do grande centro de convenções da cidade. Por ser um símbolo da unificação da China, é muito fotografada pelos turistas chineses e alvo de protestos dos grupos pró-democracia.

3.    Avenue of Stars



Inspirada na calçada da fama americana, esta avenida de 400 metros na margem do Victoria Harbour presta homenagem à pujante indústria cinematográfica local, que se diz ser a terceira maior do mundo, logo depois de Hollywood e Bollywood.

A entrada principal é dominada por uma réplica de 4,5 metros da estatueta oferecida aos vencedores dos Hong Kong Film Awards. Tal como em Los Angeles, o chão está polvilhado de placas que representam actores e actrizes, embora só os mais recentes tenham direito às suas mãos eternizadas no cimento, já que a avenida foi inaugurada apenas em 2004. Jackie Chan, Jet Li, Chow Yun-fat ou Maggie Cheung estão por ali mas, sem dúvida, toda a gente procura a estátua de bronze do lendário Bruce Lee!

Por esta altura, 2018, a avenida está em obras (notícia aqui), pelo que parte das estrelas e esculturas foram temporariamente deslocadas para outros lugares.


4. International Finance Centre (IFC)


O IFC domina o céu de Hong Kong e o coração dos moradores, por ser tão conhecido. Na verdade, trata-se de um complexo que inclui dois arranha-céus (a torre 2 é o segundo edifício mais alto da cidade, com uma altura semelhante à do antigo World Trade Center), um centro comercial e um hotel Four Seasons de 55 andares.
Em 2003, o Financial Times, o HSBC e a Cathay Pacific colocaram um anúncio na fachada que se estendia por mais de 50 andares, notícia que correu mundo por se tratar da maior publicidade alguma vez colocada num arranha-céus.


5.    Victoria Peak


Se tivesse apenas duas horas para visitar Hong-Kong, o que não poderia, de maneira nenhuma, perder? A maioria das pessoas diria o Victoria Peak, ou simplesmente The Peak, o ponto mais alto de Hong-Kong, amado pelas elites nos tempos coloniais por causa do ar mais fresco. Chegados lá acima, de autocarro ou funicular, a cerca de 550 metros acima do nível do mar, percebemos o seu encantamento.
A paisagem é dominada pelo gigante porto e pelo skyline arrojado e, para além das montanhas, vislumbramos a China continental. O olhar vagueia à medida que o sol se põe, o céu percorrendo toda uma paleta de laranjas e magentas, até que as luzes da cidade se acendem, como se o Natal tivesse chegado mais cedo.

6. Symphony of Lights


Hong Kong é uma cidade com muitos prédios, concentrando uma quantidade enorme de edifícios com mais de 100 metros de altura numa pequena área. Vai daí, algum marketeer inspirado resolveu tornar os arranha-céus uma atração turística.

Todos os dias, às oito da noite, a baía recebe um espectáculo de música e luz que ilumina os edifícios: o Symphony of Lights. Em apenas 15 minutos, a nossa percepção da cidade muda completamente. Algumas empresas turísticas criaram um pacote que inclui um passeio de barco, vista privilegiada para a sinfonia das luzes e bebidas ilimitadas…


7. Mosteiro de Po Lin



Existem mais de 360 templos nas ilhas de Hong Kong, budistas, taoistas ou uma mistura de várias religiões e filosofias. Um dos mais famosos fica em Lantau, a ilha maior e também a mais deserta das que integram o arquipélago.

No topo dessa ilha, muito mais verde e luminosa (apesar da poluição da ilha de HK chegar aqui, por vezes), existe um Buda maravilhoso Aos seus pés fica um dos santuários budistas mais importantes do sul da China: o mosteiro Po Lin. Lar de muitos monges, o mosteiro semi-escondido pela vegetação de Lantau é um paraíso de tranquilidade, com a sua iconografia budista, os seus jardins, o chilrear dos pássaros e o cheiro das flores misturado com incenso.



8. Tian Tan Budha



O Tian Tan Buddha, mais conhecido como Big Buddha, foi erguido em 1993 no topo de uma montanha, atraindo, desde então, peregrinos de toda a Ásia.

Uma guarda de honra de 12 generais divinos antecede o pacífico gigante, sentado numa flor de lótus e voltado para norte, para proteger o povo chinês. A mão direita está levantada numa bênção, reveladora da sua missão: eliminar o sofrimento de todos os seres vivos.

Para ver de perto este majestoso buda de bronze (com um pouco de ouro no rosto), o maior buda sentado ao ar livre do mundo com 34 metros de altura e mais de 250 toneladas, é preciso vencer 268 degraus. Recordem a minha visita aqui.




Este post faz parte do 8on8 um projecto colectivo que une lindas viajantes em volta de um tema comum, no dia 8 de cada mês. Espreitem os restantes textos sobre o tema "landmarks", desfrutem, partilhem e inspirem-se (por ordem alfabética):

Diário de Polly - Landmarks pelo mundo
Espiando pelo Mundo: [8 on 8] - Nova York de muitas faces: muitas cidades habitam uma única e provocante cidade
Let’s Fly Away: [8 on 8] Landmark - símbolos do Rio de Janeiro
Mulher Casada Viaja: 8 Ícones de Londres
Quarto de viagem: [8 ON 8] - símbolos da cidade de Birmingham
Turistando.in: Monumento símbolo de cidades não tão famosas


Etiquetas: , , , , , , ,