Dino Parque da Lourinhã

Mais de 120 dinossauros em tamanho real, rodeados de Natureza, e recuamos 300 milhões de anos no tempo… Estamos no recente Parque da Lourinhã, numa região conhecida como a capital portuguesa do Jurássico




Sabiam que o Lourinhanosaurus foi descoberto aqui? Na verdade, são dois tipos, o alenquerensis e o antunesi. Que esta é uma das regiões mais ricas em fósseis e pegadas de dinossauros da Europa? E que entre os fosseis se inclui um achado raríssimo, isto é, um ninho com mais de 100 embriões de dinossauros?

Está explicado o porquê deste parque de 10 hectares, o maior museu ao ar livre em Portugal, exclusivamente dedicado aos dinossauros, de um rigor científico que é preciso elogiar. Inspirado no alemão Dinosaurier-Park, o espaço propõe quatro circuitos dedicados às mais importantes épocas da nossa história comum: Paleozoico, Triásico, Jurássico e Cretácico.

Cada circuito tem cerca de 2,5 km, o que significa que os dinossauros motivaram o meu pequeno explorador a palmilhar cerca de 10 km, sem reclamar, e com um entusiasmo contagiante (não se preocupem, há vários espaços para descanso).






Para tal muito contribuiu o quizz infantil, cujas respostas certas rendem uma pequena recordação à saída. Mas adianto-me. Antes de nos lançarmos à aventura, fazemos uma visita ao Museu, onde entendemos a importância paleontológica mundial da Lourinhã, com achados sobretudo do Jurássico Superior, de há cerca de 150 milhões de anos.

De mapa na mão palmilhamos o parque, para ficarmos frente a frente com dinossauros famosos como o triceratops, o stegosauro, o T-rex ou o simpático gigante herbívoro braquiossauro, mas também outros mais estranhos como o pequeno e ágil eifelosaurus, uma espécie de lagarto. Cada um possui um pequeno quadro explicativo, em quatro idiomas: português, espanhol, inglês e francês.

No final, ainda passamos no recinto coberto onde decorriam várias atividades: abertura de geodes de áreas vulcânicas do norte de África, caça ao tesouro, trabalho em argila. A magia do Dino Parque da Lourinhã? As crianças aprendem enquanto se divertem. Não admira que estivessem lá tantas escolas.

Uma das atividades que me pareceu mais interessante – por falta de tempo não experimentamos – é a descoberta de fosseis. A criança recebe uma rocha do Wyoming (EUA) com aproximadamente 50 milhões de anos. No seu interior, com um bocadinho de sorte, o mini-paleontólogo pode encontrar um fóssil real (pequenos animais ou plantas) sob a orientação dos membros do parque!








Dino Parque da Lourinhã: site

Bilhetes: 12,5€ (adulto), 9,5€ (criança 4-12 anos), grátis (até 3 anos), preços especiais para famílias

Horário: todos os dias entre as 10h-17h (Outubro-Fevereiro), 10h-18h (Março-Maio), 10h-19h (Junho-Setembro). Última entrada, 1h30 antes do encerramento

Dicas
·  O parque possui um amplo parque de estacionamento gratuito.
·  Reserve pelo menos umas 3 horas para usufruir do espaço e das atividades. 
·  Leve calçado confortável e, no verão, protetor solar e chapéu. 
·  O seu cão pode entrar, com trela, exceto no restaurante.

Onde comer: O parque possui um restaurante com esplanada, com refeições que rondam os 7€. No centro do parque existe outro bar, onde pode comprar bebidas e gelados. E ao longo dos percursos há áreas de descanso onde pode fazer um piquenique.


Onde ficar: nós ficamos no optámos por ficar alojados no Praia d’El Rey Golf & Beach Resort, como ponto central para explorar a região, que incluiu a visita ao Bacalhôa Budha Éden, Peniche, Óbidos (post em breve), Batalha e Grutas de Mira de Aire. Se decidir reservar a sua estadia, faça-o através do nosso link do Booking. Não paga mais nada por isso e o blog recebe uma pequena percentagem… Obrigado.




Atenção: os comentários estão fechados, de momento, porque estamos a trabalhar para tornar o blog mais amigo do leitor e mais profissional. Em breve, teremos novidades!

You May Also Like

0 comentários